Princípios, costumes e a fundação do conhecimento

Autores

  • Rogério Fernandes Martins Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2021.187901

Palavras-chave:

Pascal, Epistemologia, Fundacionalismo, Primeiros princípios

Resumo

Buscaremos posicionar certos aspectos das especulações pascalianas a partir de um pano de fundo epistemológico. Vamos enquadrá-los, mais precisamente, na assim chamada tradição do Fundacionalismo Epistêmico. A intenção principal será mostrar a gênese dos primeiros princípios, essencial para todo o arcabouço epistemológico nessa tradição, e as consequências daí advindas. Para tanto, compararemos os desenvolvimentos pascalianos aos cartesianos sobre o tema. Esperamos, ao final do artigo, ter demonstrado a força e a novidade da solução pascaliana e o desiderato moral a que ela pode nos conduzir. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUDI, R. (2011). A Contemporary Introduction to the Theory of Knowledge. Third Edition. New York: Routledge.

BONJOUR,L . (2010). Epistemology – Classic Problems and Contemporary Responses. Second Edition. Maryland: Rowman & Littlefield Publishers.

DESCARTES, R. (1983). Meditações Metafísicas. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

DESCARTES, R. (2002). Regras para a Direção do Espírito. Lisboa: Edições 70.

FUMERTON, R. (2006). Epistemology. Malden: Blackwell Publishing.

GOUHIER, H. (2002). Blaise Pascal, Conversão e Apologética. São Paulo: Discurso.

HUEMER, M. (2010). “Foundations and Coherence”, In: A Companion to Epistemology, Second Edition. United Kingdom: Blackwell Publishing

KLEIN, P.D. (2011). “Infinitism”, In: The Routledge Companion to Epistemology. Edited by Sven Bernecker and Duncan Pritchard. New York: Routledge.

LEBRUN, G. (1983). Blaise Pascal. São Paulo: Brasiliense.

MARION, J.L. (1997). Sobre a Ontologia Cinzenta de Descartes. Lisboa: Instituto Piaget.

MARION, J.L. (2009). “A metafísica cartesiana e o papel das naturezas simples”, In: Descartes. São Paulo: Idéias e Letras.

MOSER, P.K.; MULDER, D.H.; TROUT, J.D.; MOSER, P.K. (2009). A Teoria do Conhecimento – Uma Introdução Temática. São Paulo: Editora Martins Fontes.

MOYAL-SHARROCK, D. (2004). Understanding Wittgenstein’s On Certainty. New York: Palgrave Macmillan.

OLIVA, L.C. (2004). O conhecimento em Pascal. In “Cadernos Espinosanos”, número XI, São Paulo.

OLIVA, L.C. (2012). A noção de graça em Blaise Pascal. In “Cadernos Espinosanos”, número XXVI, São Paulo.

PASCAL, B. (1971). Pensamentos. (Tradução de Sérgio Milliet, numeração Brunschvicg) in “Os Pensadores”. São Paulo: Abril Cultural.

PASCAL, B. (2005). Pensamentos. (Tradução Mário Laranjeira, numeração Lafuma) São Paulo: Martins Fontes.

PASCAL, B. (2017). Do Espírito Geométrico e Da arte de persuadir e outros escritos de ciência, política e fé. Belo Horizonte: Autêntica

RODRUIGUES, L.E. (2006). Internismo e externismo fundacionalistas. O que são? Disponível em: <https://criticanarede.com/epi_internismo.html>. Acesso em: 04 de março 2019.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Martins, R. F. (2021). Princípios, costumes e a fundação do conhecimento. Cadernos Espinosanos, (44), pp. 263-289. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2021.187901

Edição

Seção

Artigos