Spinoza e o Anticartesianismo

Autores

  • Carlos Wagner Benevides Gomes Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2022.190918

Palavras-chave:

Spinoza, Descartes, Ontologia, Método, Dualismo substancial, Livre-arbítrio

Resumo

A partir do estudo dos Princípios de Filosofia Cartesiana e da Ética de Spinoza, buscaremos explicitar o problema do anticartesianismo em três movimentos críticos específicos de natureza metódica, metafísica e ética: primeiro, a conversão do método empregado nos Princípios de Descartes; segundo, a crítica ao “dualismo substancial”; e, por fim, a crítica à teoria cartesiana do livre-arbítrio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BONADIA, F. (2008). O lugar da educação na Filosofia de Espinosa. Dissertação de Mestrado em Educação. São Paulo: Universidade Estadual de Campinas.

CHAUI, M. (1999). A Nervura do Real, Imanência e Liberdade em Espinosa. v.1(Imanência). São Paulo: Companhia das Letras.

COLERUS, J. (2014). A Vida de Benedictus de Spinoza. In: Obra Completa II: Correspondência Completa e Vida. Tradução de J. Guinsburg, Newton Cunha e Roberto Romano. São Paulo: Perspectiva.

COTTINGHAM, J. (1995). Dicionário Descartes. Tradução de Helena Martins. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

DELBOS, V (2002). O Espinosismo: curso proferido na Sorbonne em 1912-1913. Apresentação de Marilena Chauí. Tradução de Homero Santiago. São Paulo: Discurso Editorial.

DELEUZE, G. (2002). Espinosa Filosofia Prática.Tradução de Daniel Lins e Fabien Pascal Lins. São Paulo: Escuta.

DELEUZE, G. (2017). Espinosa e o Problema da Expressão. Tradução do GT Deleuze (coordenação de Luiz B. L. Orlandi). Rio de Janeiro: Editora 34.

DESCARTES, R. (1991a).As Paixões da Alma.In: DESCARTES.Introdução de Gilles-Gaston Granger. Prefácio e notas de Gérard Lebrun. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. 5. ed. São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os Pensadores).

DESCARTES, R. (1991b).Meditações. In: DESCARTES.Introdução de Gilles-Gaston Granger. Prefácio e notas de Gérard Lebrun. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. 5. ed. São Paulo: Abril Cultural (Coleção Os Pensadores).

DESCARTES, R. (2010).Obras Escolhidas. Tradução: J. Guinsburg , Bento Prado Jr., Newton Cunha e Gita K. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva.

DESCARTES, R. (2006).Princípios de Filosofia.Tradução de João Gama. Lisboa: Edições 70.

ESPINOSA, B. (2015). Ética. Edição bilíngue Latim-Português. Tradução: Grupo de Estudos Espinosanos. Coordenação: Marilena Chaui. São Paulo : Edusp.

ESPINOSA, B. (2015b). Princípios da Filosofia Cartesiana e Pensamentos Metafísicos. Tradução de Homero Santiago e Luís César Guimarães Oliva. Belo Horizonte: Autêntica.

FRAGOSO, E. A. R. (2011).O Método Geométrico em Descartes e Spinoza. Fortaleza: EdUECE, Col. Argentum Nostrum.

JAQUET, C. (2011). A unidade do corpo e da mente: Afetos, ações e paixões em Espinosa. Tradução: Marcos Ferreira de Paula e Luís César Guimarães Oliva. Belo Horizonte: Autêntica.

NOGUEIRA, A (1976). O Método racionalista-histórico em Spinoza. São Paulo: Mestre Jou.

SANTIAGO, H. (2004). Espinosa e o Cartesianismo.São Paulo: Editorial Humanistas.

SCHÖPKE, R. (2000). Spinoza e o Problema da Liberdade Humana. In: Foglio Spinozi@no, Roma: Disponível em: <http://www.fogliospinoziano.it>. Acesso em 18 Out, 2020 às 21h00.

SPINOZA, B. (2014). Cartas. In: Obra Completa II :Correspondência Completa e Vida. Tradução de J. Guinsburg, Newton Cunha e Roberto Romano. São Paulo: Perspectiva.

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

Gomes, C. W. B. (2022). Spinoza e o Anticartesianismo. Cadernos Espinosanos, (46), 127-146. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2022.190918

Edição

Seção

Artigos