Mal e privação em Espinosa

Autores

  • Luís César Guimarães Oliva Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2022.195148

Palavras-chave:

Espinosa, Mal, Privação, Ontologia moderna

Resumo

O artigo explora as noções de mal e privação em Espinosa, sobretudo com base na sua correspondência com Blyenbergh. Pretendo mostrar que Espinosa radicaliza a solução de Agostinho e Descartes para o mesmo problema, recusando-se a dar qualquer tipo de consistência ontológica para a privação. Tanto quanto a noção de mal, a própria privação só pode ser pensada como o resultado de uma comparação meramente imaginativa, sem nenhuma incidência na realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGOSTINHO (1984). Confissões. São Paulo: Paulus, 1984.

CHAUI, M. A (1999) Nervura do real. Imanência e liberdade em Espinosa. Vol.1: imanência. São Paulo: Companhia das Letras.

DELEUZE, G. (1981) Spinoza, philosophie pratique. Paris: Éditions de Minuit.

DESCARTES, R. (1988) Meditações Metafísicas. São Paulo: Nova Cultural. (Col. Os Pensadores)

ESPINOSA, B. (2015a) Ética. Trad. do Grupo de Estudos Espinosanos da USP. São Paulo: Edusp.

ESPINOSA, B. (2015b) Princípios da filosofia cartesiana e Pensamentos metafísicos. Trad. de Homero Santiago e Luís César Oliva. Belo Horizonte: Autêntica.

GUEROULT, M. (2016) Descartes segundo a ordem das razões. São Paulo: Discurso Editorial.

OLIVA, L.C. (2019) O Mal. São Paulo, Edições 70/Discurso Editorial.

SPINOZA, B. (1972) Opera. Im Auftrag der Heidelberger Akademie der Wissenchaften herausgegeben von Carl Gebhardt. Heidelberg: Carl Winters Universitaetbuchhandlung, 4v.

SPINOZA, B. (2007) Epistolario. Trad. de Oscar Cohen. Buenos Aires: Ediciones Colihue.

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

Oliva, L. C. G. (2022). Mal e privação em Espinosa. Cadernos Espinosanos, (46), 105-125. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2022.195148

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento