Imaginação e superstição no tratado teológico político (Cap. I ao XV)

Autores

  • Rogério Silva de Magalhães Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2008.89345

Palavras-chave:

Imaginação, Superstição, Religião, Medo, Poder.

Resumo

Neste artigo, procura-se demonstrar que, para Espinosa, do capítulo I ao XV do TTP, a imaginação e a superstição estão diretamente vinculadas ao sentimento do medo na medida em que o medo e a superstição revelam uma possibilidade de manifestação confusa e inadequada da imaginação, a qual nem sempre opera de forma negativa. De fato, a superstição e crença desmesurada no poder da imaginação são causadas, em geral, pelo medo de males futuros ou de não obter os bens almejados. A religião, construída sob esse edifício, isto é, a partir da idéia de um Deus contingente, cuja imagem está impregnada de superstição, surge como uma espécie de refúgio contra esse medo, minando assim a potência de agir do homem. Contudo, diferentemente do que se possa pensar, o efeito não é somente o ofuscamento da razão por uma vida regida por esse tipo de religião, há também implicações políticas nessa relação entre medo, imaginação e superstição. Segundo Espinosa, quanto mais mistério tiver a religião, mais medo será possível incutir na mente dos homens, abrindo assim uma porta para a manipulação e dominação não só no campo teológicometafísico, mas também no político

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogério Silva de Magalhães, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Bacharelando em filosofia na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Downloads

Publicado

2008-12-15

Como Citar

Magalhães, R. S. de. (2008). Imaginação e superstição no tratado teológico político (Cap. I ao XV). Cadernos Espinosanos, (19), 103-120. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2008.89345

Edição

Seção

Artigos