Da física do intensivo a uma estética do intensivo: Deleuze e a essência singular em Espinosa

Autores

  • Cíntia Vieira da Silva Universidade Federal de Ouro Preto

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2010.89385

Palavras-chave:

Espinosa, Deleuze, Estética, Intensidade, Corpo.

Resumo

A noção de intensidade é de extrema importância para o pensamento deleuziano, fazendo-se presente não apenas na elaboração de sua própria filosofia da diferença, como também nas leituras que faz dos outros filósofos que lhe são caros, especialmente na sua reconstrução do espinosismo. Deleuze concebe a essência singular espinosana em termos intensivos. Sendo assim, este artigo procura reunir elementos para mostrar a importância da noção de intensidade no projeto deleuziano de unificação dos dois sentidos de estética e o papel do uso de concepções de extração espinosista na empresa deleuziana. Estes apontamentos deixam implícito um outro tema: o da possibilidade de elaborar uma Estética a partir de Espinosa, vale dizer, uma Estética atenta a sua ancoragem corporal

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cíntia Vieira da Silva, Universidade Federal de Ouro Preto

Professora Adjunta do Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Ouro Preto

Downloads

Publicado

2010-04-15

Como Citar

Silva, C. V. da. (2010). Da física do intensivo a uma estética do intensivo: Deleuze e a essência singular em Espinosa. Cadernos Espinosanos, (22), 37-53. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2010.89385

Edição

Seção

Artigos