Merleau-Ponty dialoga com o Racionalismo e a pintura em “O olho e o espírito”

Autores

  • Valéria Loturco Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2010.89387

Palavras-chave:

Vidente, Visível, Quiasma, Pintura, Ontologia

Resumo

Em O olho e o espírito (L’oeil et l’esprit), Maurice Merleau-Ponty dialoga com o Grande Racionalismo, principalmente, com Descartes, critica as pretensões ingênuas da ciência do começo do século XX, de reproduzir fenômenos em laboratório, e rende tributo à pintura, essa forma de expressar que mostra à filosofia seu próprio ponto de partida: o vivente no mundo, que conjuga os verbos “eu vejo” com o “eu posso”. Somos, ao mesmo tempo, vidente e visível e nos deslocamos, mesmo que com o olhar; outrossim tocamos e somos tocados num entrelaçamento que forma o quiasma do sensível. E para construir sua ontologia, Merleau-Ponty discorda de todo ponto de vista de sobrevôo, que transforma as coisas em objetos a serem analisados por sujeitos, e valoriza a atividade do pintor que se funde com a pintura ao usar seu corpo para pintar, pois que fornece elementos para sua filosofia em que o vidente não se diferencia do visível, o sujeito do objeto, o eu do mundo. E nesse uso da pintura para expressar sua filosofia, Merleau-Ponty ganha como adepto Gilles Deleuze, crítico da fenomenologia, mas não desse mundo em fusão promovido por suas filosofias e pela pintura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Loturco, Universidade de São Paulo

Doutora em Filosofia pela Universidade de São Paulo. [Este texto foi originalmente apresentado em seminário durante reunião
do Grupo Espinosano - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - FFLCH].

Downloads

Publicado

2010-04-15

Como Citar

Loturco, V. (2010). Merleau-Ponty dialoga com o Racionalismo e a pintura em “O olho e o espírito”. Cadernos Espinosanos, (22), 85-140. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2010.89387

Edição

Seção

Artigos