Uma investigação sobre os paradigmas da visão a partir de duas versões da <i>Última ceia<i>.

Autores

  • Daniela Bracchi Professora Adjunta do curso de Design da Universidade Federal de Pernambuco, Centro Acadêmico do Agreste. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia, Mestrado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e Doutorado em Semiótica pela USP. Líder de pesquisa do grupo sobre Fotografia Contemporânea.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2015.111030

Palavras-chave:

háptico, sinestesia, Última Ceia

Resumo

Seguindo o caminho de duas versões da cena da Última ceia, este artigo busca investigar o paralelismo existente entre a produção de obras visuais que convocam uma maior tatilidade e a adoção de um paradigma sobre a visão diferente do ótico e sem a separação e hierarquização dos sentidos. Propõe-se o paradigma háptico como um aglutinador de conhecimentos e práticas que integram os sentidos e propõem um maior engajamento corpóreo do enunciatário. Nesse contexto, a noção de sinestesia se torna o centro conceitual capaz de explicar essa integração dos sentidos. A partir de tal noção, investiga-se os efeitos de sentido advindos de uma maior tatilidade estimulada visualmente pela obra da Última ceia, de David Lachapelle, analisada ao final do artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-12-11

Como Citar

Bracchi, D. (2015). Uma investigação sobre os paradigmas da visão a partir de duas versões da <i>Última ceia<i>. Estudos Semióticos, 11(2), 19-24. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2015.111030

Edição

Seção

Artigos