O narrador recusado por Saramago

Autores

  • José Leite Jr Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2016.120533

Palavras-chave:

Narrador, Autor, Trabalho, Alienação, Saramago

Resumo

Este artigo foi motivado por duas declarações do escritor português José Saramago, nas quais ele rejeita a existência de um narrador não identificado com o autor. Saramago aparentemente coloca em dúvida as teorias da enunciação, que são enfáticas em separar o autor como pessoa da figura do narrador, que só teria sentido nos limites do texto. Haveria, assim, uma confusão entre o que tem natureza ontológica e o que tem natureza linguística. No entanto, um exame dessas declarações à luz de categorias semiótico-discursivas greimasianas permite inferir que ele considera a atividade do autor como um trabalho artístico. Como marxista, Saramago defende a singularidade do trabalho artístico e não admite sua cisão ou alienação. Essa negação do narrador não é um fato isolado no posicionamento crítico de Saramago, mas faz parte da estratégia discursiva por ele adotada. Baseado na ideia de que a negação é essencialmente revolucionária, ele contesta o automatismo do discurso burguês. Para tanto, ele recria no texto ficcional situações homólogas à da história, marcadas pela imprevisibilidade, já que os fatos, ficcionais ou não, não se explicam a si mesmos, mas são resultado de uma complexa correlação de forças postas em jogo no cenário social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Leite Jr, Universidade Federal do Ceará

Professor Adjunto do Departamento de Literatura da Universidade Federal do Ceará – UFC.

Downloads

Publicado

2016-09-14

Como Citar

Leite Jr, J. (2016). O narrador recusado por Saramago. Estudos Semióticos, 12(1), 21-26. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2016.120533

Edição

Seção

Artigos