Análise semiótica morfodinâmica da “glocalização” urbana

Autores

  • Isabel Marcos Universidade Nova de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2016.120710

Palavras-chave:

Semiótica morfodinâmica, Glocalização urbana, Mundialização

Resumo

Este artigo visa apresentar a pesquisa que temos vindo a desenvolver há alguns anos. A perspetiva da análise é a da semiótica morfodinâmica, sendo o nosso objeto de estudo o desenvolvimento da mundialização e o seu impacto nos fenómenos  urbanos. Esta reflexão iniciou-se com o estudo das quatro mundializações: terrestre, marítima, aérea e virtual. No decorrer do presente artigo, mostraremos, no espaço da cúspide, de que forma a cidade na sua dimensão local (Fl – Forças locais) e simultaneamente global (Fg – Forças globais) (Cf. Figura 1 – espaço interno (x,y) da cúspide) se estrutura ao ritmo progressivo de cada inovação tecnológica (possibilitando novas condições de significação) e nos confronta com novos sistemas de produção de espaço2 (b) e tempo3 (a) (Cf. Figura 2 – Espaço externo (a,b) da cúspide, desdobramento da morfogénese da glocalização | no lado esquerdo da figura 2, de baixo para cima, integrei os diversos estados internos da cúspide, representando o espaço que se retrai cada vez mais e o tempo se vai reduzindo ao instante). A cidade mundializada obriga-nos a repensar o conceito de cidade e a propor um paradigma diferente para o seu futuro. O processo tecnológico abriu um “mundo dentro do mundo”, isto é, súbita e repentinamente, o “instrumento tecnocientífico” tornou-se um “mundo virtual” na Web, provocando uma duplicação da nossa noção de espaço. Assim, o sujeito deixa de se representar apenas no espaço concreto do território (local), surgindo, igualmente, no espaço interativo da comunicação (global). O mundo virtual torna visível um determinado mundo da comunicação, que se expressa concretamente no espaço das nossas cidades, formando progressivamente aquilo que denominamos “território glocal”. Para comprovar este modelo, mostraremos algumas consequências deste mundo virtual no espaço concreto das cidades, através do exemplo da obra Harvard Project on the City de Rem Koolhaas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Marcos, Universidade Nova de Lisboa

Vice-presidente da International Association of Visual Semiotics. Pesquisadora sênior na Universidade Nova de Lisboa.

Downloads

Publicado

2016-09-14

Como Citar

Marcos, I. (2016). Análise semiótica morfodinâmica da “glocalização” urbana. Estudos Semióticos, 12(1), 1-8. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2016.120710

Edição

Seção

Artigos