En cas de catastrophe. Les systèmes casuels et la dynamique qualitative

Autores

  • Wolfgang Wildgen Universidade de Bremen

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2017.138414

Palavras-chave:

actantes, casos, morfodinâmica, teoria das catástrofes, valência

Resumo

Ocupando um lugar ora menos, ora mais central a depender da perspectiva adotada pelos pesquisadores, a problemática dos casos atravessa, há séculos, os estudos da linguagem e das línguas naturais. Este artigo comenta, em primeiro lugar, os pontos de vista trazidos, desde a conhecida contribuição de Charles Fillmore, pelos autores contemporâneos. De passagem, constata-se que, entre estes, muitos conceberam tal problemática na esteira das teorias localistas e até mesmo, por vezes, em termos bastante próximos das intuições morfodinâmicas de René Thom ou Jean Petitot, embora geralmente não os citem. Sem ter a pretensão de fixar leis gerais, que a desconcertante diversidade dos casos nas línguas naturais desautoriza, resumo aqui certas tendências em direção a uma tipologia dos sistemas casuais; em especial a cisão, diacronicamente mais pronunciada ou menos, entre os sistemas de tipo ergativo / absolutivo, por um lado, e os que se baseiam na oposição nominativo / acusativo, por outro. Isso está, por sinal, em estreita dependência com a ordem sintática (SVO, SOV, etc.) das línguas em pauta. Ultrapassando a descrição dos tipos casuais nas línguas, examino a seguir as hipóteses explicativas da gênese de tais sistemas, contemplando os roteiros plausíveis de sua emergência no decorrer da hominização. Para tanto, relembro o desenvolvimento da actância (ou, como dizia Tesnière, da valência verbal) em seus principais patamares, pois ela terá desempenhado um papel primordial nesse longo processo. Depois de discutir o esquema actancial e sua análise cognitiva, assim como a morfogênese gramatical em seus múltiplos estágios, assinalo, na conclusão, algumas das vias hoje trilháveis para que o saber linguístico possa dar novos passos em direção à generalização teórica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wolfgang Wildgen, Universidade de Bremen

Professor emérito do departamento de linguística germanística da Universidade de Bremen (Alemanha). Atua também como professor visitante em diversas instituições: Institut des Hautes Études Scientifiques (IHES) em Paris; Institute of Cognitive Studies em Berkeley; Center of Semiotics in Aarhus (Denmark); Max Planck Institute for Psycholinguistics in Nijmegen; Konrad Lorenz Institute for Research in Evolution and Cognition em Altenberg/Vienna; Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology em Leipzig; Aichi University (Japão); Case Western Reserve University em Cleveland.

Publicado

2017-09-25

Como Citar

Wildgen, W. (2017). En cas de catastrophe. Les systèmes casuels et la dynamique qualitative. Estudos Semióticos, 13(1), 1-15. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2017.138414

Edição

Seção

Artigos