A noção de texto e os níveis de pertinência da análise semiótica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2018.144288

Palavras-chave:

texto, prática semiótica, análise semiótica

Resumo

Neste artigo, busca-se refletir sobre a noção de texto em semiótica francesa, sobre a sua força metodológica e o seu modo de articulação com os desenvolvimentos mais recentes da teoria, sobretudo a perspectiva das práticas e dos níveis de pertinência da análise semiótica, conforme propostos por Jacques Fontanille. Apresenta-se aqui pelo menos duas interpretações da noção de texto, tendo como ponto de partida a famosa frase greimasiana (“Fora do texto não há salvação!”): texto será tomado ora (1) como unidade, como enunciado, em uma abordagem mais francamente imanente; ora (2) como semiótica-objeto complexa, como conjuntura ou nível de pertinência. Segundo essas duas leituras, busca-se ainda, para concluir, esboçar qual seria, atualmente, o alcance da análise semiótica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Nogueira Schwartzmann, Universidade Estadual Paulista

Docente do Programa de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, câmpus de Araraquara (SP).

Referências

Fiorin, José Luiz. 2012. Da necessidade de distinção entre texto e discurso. In: Brait, Beth; Souza-e-Silva, Marília Cecília. Texto ou discurso? São Paulo: Contexto, p. 145-165.

Fiorin, José Luiz. 1995. A noção de texto em semiótica. ORGANON – Revista do Instituto de Letras da UFRGS, Vol. 9, n 23.

Disponível em : http://www.seer.ufrgs.br/index.php/organon/article/view/29370/18060.

Fiorin, José Luiz. 1988. Linguagem e Ideologia. São Paulo: Ática.

Floch, Jean-Marie. 1990. Sémiotique, marketing et communication. Paris : PUF.

Fontanille, Jacques. 2008a. Pratiques sémiotiques. Paris : PUF.

Fontanille, Jacques. 2008b. Práticas semióticas: imanência e pertinência, eficiência e otimização. Trad. Maria Lúcia Vissotto Paiva Diniz et al. In: Diniz, Maria Lúcia Vissotto Paiva; Portela, Jean Cristtus (Orgs.). Semiótica e mídia: textos, práticas, estratégias. Bauru: Unesp/Faac, p. 15-74.

Fontanille, Jacques. 2007a. Semiótica do discurso. Trad. Jean Cristtus Portela. São Paulo: Contexto.

Fontanille, Jacques. 2007b. A semiótica é uma arte? O fazer semiótico como “arte liberal”. Trad. Maria Lucia Vissotto Paiva Diniz, Matheus Nogueira Schwartzmann e Jean Cristtus Portela. Revista Comunicação midiática, número 7.

Fontanille, Jacques. 2006. Textes, objets, situations et formes de vie. In: ALONSO, Juan et al. (dir.). La transversalité du sens. Parcours sémiotiques. Saint-Denis : PUV, p. 213-240.

Greimas, Algirdas Julien. 1993. Maupassant. A semiótica do texto: exercícios práticos. Florianópolis-SC: Editora da UFSC.

Greimas, Algirdas Julien. 1974. L’Énonciation: une posture épistémologique. Significação – Revista Brasileira de Semiótica, n. 1, Centro de Estudos Semióticos A. J. Greimas. Ribeirão Preto (SP), p. 09-25.

Greimas, Algirdas Julien; Courtés, Joseph. 2008. Dicionário de semiótica. Trad. Alceu Dias Lima et al. São Paulo: Contexto.

Harkot-de-La-Taille, Elizabeth; Souza, Paula Martins. 2012. Princípio de imanência: Uma reflexão acerca de seu teor polêmico. In: Portela, Jean Cristtus; Beividas, Waldir; Lopes, Ivã Carlos; Schwartzmann, Matheus Nogueira (Orgs.). Semiótica: identidade e diálogos. São Paulo: Cultura Acadêmica, p. 15-32.

Landowski, Eric. 2002. Presenças do outro. São Paulo: Perspectiva.

Landowski, Eric. 1992. A sociedade refletida. Ensaios de sociossemiótica. São Paulo: EDUC.

Portela, Jean Cristtus. 2008. Semiótica midiática e níveis de pertinência. In: Diniz, Maria Lúcia Vissotto Paiva; Portela, Jean Cristtus (Orgs.). Semiótica e mídia: textos, práticas, estratégias. Bauru: Unesp/Faac, p. 15-74.

Schwartzmann, Matheus Nogueira. 2009. Cartas marcadas. Prática epistolar e formas de vida na correspondência de Mário de Sá-Carneiro. 293 p. Tese. (Doutorado em Linguística e Língua portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

Schwartzmann, Matheus Nogueira. 2005. Um rei incoerente: o percurso do sujeito sá-carneiriano em Dispersão. 245 p. Dissertação (Mestrado em Letras). Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

Downloads

Publicado

2018-03-14

Como Citar

Schwartzmann, M. N. (2018). A noção de texto e os níveis de pertinência da análise semiótica. Estudos Semióticos, 14(1), 1-6. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2018.144288