Hieróglifo: um conceito à luz da semiótica

Palavras-chave: Hieróglifo, Signo, Poética

Resumo

Este artigo procura discutir os processos semióticos de ressignificação e transfiguração do signo a partir do caso específico dos hieróglifos, os quais ilustram, em sua recepção histórica no Ocidente, um tipo de interpretação narrativa baseada em certa percepção de não-arbitrariedade na relação entre o signo e seu objeto. Falaremos, portanto, em deslocamentos do signo em contextos históricos e culturais, e nos novos revestimentos semânticos que possam adquirir além de suas tradicionais esferas de utilização e das práticas sociais que denotam. Veremos, ao cabo, como esse conceito revisitado se aplica à leitura de diferentes processos poéticos, aos fenômenos estéticos próprios à linguagem verbal e aos usos da retórica estendida ao campo da significação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrei Fernando Ferreira Lima, Universidade de São Paulo

Doutorando junto ao Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Literários e Tradutológicos em Francês da Universidade de São Paulo (USP), SP, Brasil.

Referências

ABRIL, Gonzalo. “A semiose alegórica em textos verbovisuais”. In: LEAL, Bruno Souza; MENDONÇA, Carlos Camargos; GUIMARÃES, César (org.). Entre o sensível e o comunicacional. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010, pp. 167-178.

BUTOR, Michel.Les mots dans la peinture. Les sentiers de la création. Éditionsd’Art Albert Skyra Genève. Coll.“Champs”. Paris: Flammarion, 1988. [1aed.1969].

FIORIN, José Luiz. “Teoria dos signos”. In: FIORIN, José Luiz (org.). Introdução à Linguística I. Objetos teóricos. 6ªd. revista e atualizada. São Paulo: Editora Contexto, 2010, pp. 55-74.

IAMPOLSKI, Mikhail. The Memory of Tiresias: Intertextuality and Film. Translatedby Harsha Ran. Berkeley/Los Angeles: University of California Press, 1998.

JAKOBSON, Roman. “Olhar de relance sobre o desenvolvimento da semiótica”. Trad. Benjamim Picardo. Revista Galáxia, São Paulo, n. 19, jul. 2010, pp. 60-76. [Palestra inaugural de Roman Jakobson no I Congresso da AISS, em Milão, junho de 1974]. Disponível em:https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/3302/2213, acessado em 30 de junho de 2018.

MUKAROVSKY, Jan. “A arte como fato semiológico”. In: TOLEDO, Dionísio (org.). Círculo Linguístico de Praga: estruturalismo e semiologia. Trad. Zênia de Faria, Reasylvia Toledo e Dionísio Toledo. Introdução de Júlia Kristeva. Porto Alegre: Editora Globo, 1978, pp. 132-139.

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. Trad. José Teixeira Coelho Neto. Col. “Estudos”, dirigida por J. Guinsburg. 3aed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

PICARDO, Benjamim (trad. e apresentação).“Jakobson e o edifício semiótico”. In: JAKOBSON, Roman. “Olhar de relance sobre o desenvolvimento da semiótica”. Revista Galáxia, São Paulo, n. 19, jul. 2010, p. 60. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/3302/2213, acessado em 30 de junho de 2018.

PRAZ, Mario. Studies in Seventeenth-Century Imagery.Second edition considerablyincreased. Col. “Sussidi Eruditi”. Vol. 16. Roma: Edizione di Storia e Letteratura,1975.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. Org. Charles Bally e Albert Sechehaye, com a colaboração de Albert Riedlinger. Trad. Antonio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. Pref. à edição brasileira Isaac N. Salum. 27aed.São Paulo: Cultrix, 2006.

ZILBERBERG, Claude. Elementos de Semiótica Tensiva. Trad. Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.

Publicado
2019-08-19
Como Citar
Lima, A. (2019). Hieróglifo: um conceito à luz da semiótica. Estudos Semióticos, 15(1), 236-243. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.148868