Semiótica tensiva e psicanálise: o andamento na sessão analítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.153794

Palavras-chave:

Andamento, Enquadre, Semiótica tensiva, Psicanálise

Resumo

Este trabalho se propõe a realizar uma intersecção entre Semiótica Tensiva e Psicanálise, verificando como o conceito de andamento de Claude Zilberberg pode ser visto em sessões de análise. Para tanto, inicia-se uma discussão sobre as aproximações entre Zilberberg e Freud. Em seguida, uma sessão é dedicada à noção de enquadre analítico, campo em que a o conceito de andamento pode ser inserido, para, posteriormente, realizar-se o estudo do andamento em sessões de análise por meio de vinhetas clínicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Paola Zerbinatti, Universidade de São Paulo

Psicanalista, Doutora em Semiótica e Linguística Geral pela Universidade de São Paulo (USP).

Referências

BLEGER, José. Psycho-analysis of the psycho-analytic frame. In: LISMAN-PIECZANSKI, N.; PIECZANSKI, A. The Pioneers of psychoanalysis in South America: an essential guide. London and New York: Routledge, 2015 [1967]. p. 326-340.
COELHO JR., Nelson E. Tempo do sonho, tempo da rêverie e o terceiro-analítico. Cad. Psicanál. - CPRJ, 35(28), jan./jun. de 2013. p. 49-60.
FIGUEIREDO, Luís Claudio. A Clínica psicanalítica e seus vértices: continência,confronto e ausência. In: FIGUEIREDO, L. C. Cuidado, Saúde e Cultura: trabalhos psíquicos e criatividade na situação analisante. São Paulo: Escuta, 2014. p.125-149.
FREUD, Sigmund. Pulsões e Destinos das Pulsões. In: FREUD, S. Escritos sobre a Psicologia do Inconsciente (Vol. 1). Rio de Janeiro: Imago, 2004 [1915].
FREUD, Sigmund. Além do Princípio de Prazer. In: FREUD, S. Escritos sobre a Psicologia do Inconsciente (Vol. 2). Rio de Janeiro: Imago, 2006 [1920].
FREUD, Sigmund. Abrégé de psychanalyse. In: FREUD, S. Oeuvres Complètes (Vol. XX). Paris : Presses Universitaires de France, 2010 [1938].
GREEN, André. La psychanalyse, son objet, son avenir. Revue Française de Psychanalyse, XXXIX, 1975. p. 103-134.
GREEN, André. Le temps éclaté. Paris : Les Éditions de Minuit, 2000.
GREEN, André. Le cadre psychanalytique : son intériorisation chez l’analyste et son application dans la pratique. In: GREEN, A. L’avenir d’une désillusion. Paris : PUF, 2002.
GREEN, André. L’intrapsychique et l’intersubjectif. In: GREEN, A. La pensée clinique. Paris : Éditions Odile Jacob, 2002.
GREEN, André. Orientações para uma psicanálise contemporânea. Rio de Janeiro: Imago, 2008.
GREEN, André. Le Discours Vivant. Paris : PUF, 2015.
URRIBARRI, Fernando. André Green: uma metapsicologia contemporânea para orientar a clínica atual. Da estrutura enquadrante à heterogeneidade representativa. In: CANDI, T. S. Diálogos Psicanalíticos Contemporâneos: o representável e o irrepresentável em André Green e Thomas H. Ogden. São Paulo: Escuta, 2015a. p.185-202.
URRIBARRI, Fernando. Como ser um psicanalista contemporâneo? Da extensão do campo clínico à interiorização do enquadre. Revista Brasileira de Psicanálise, 49(1), 2015b. p. 229-245.
ZERBINATTI, Bruna Paola.O ritmo em semiótica: teoria e análise de Catatau e Ex-Isto. Tese (Doutorado), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. 212 f.
ZILBERBERG, Claude. Essai sur les modalités tensives. Antuérpia: Amsterdam/John Benjamins B. V, 1981.
ZILBERBERG, Claude. Elementos de Semiótica Tensiva. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.
ZILBERBERG, Claude. La structure tensive. Liège : Presses Universitaires de Liège, 2012.

Downloads

Publicado

2019-04-11

Como Citar

Zerbinatti, B. P. (2019). Semiótica tensiva e psicanálise: o andamento na sessão analítica. Estudos Semióticos, 15, 146-155. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.153794