A complexidade na hipótese tensiva de Claude Zilberberg

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.154030

Palavras-chave:

Tensividade, Complexidade, Diferença, Gradualidade

Resumo

A complexidade ocupa lugar de destaque na hipótese tensiva formulada por Claude Zilberberg. O foco desse artigo é promover, a título de homenagem, uma reflexão acerca do tratamento teórico dado por ele a esse fenômeno. Zilberberg (2010, 2011a) assume uma “complexidade de desenvolvimento” que permite a coexistência ou a “colaboração” entre unidades discretas e graduais e que mantém a coerência teórica do conceito de tensividade na descrição semiótica. Apesar de ser uma posição conciliadora, esse movimento teórico representa, para muitos, a passagem de uma semiótica da diferença para uma semiótica do intervalo. No entanto, é preciso destacar que a coexistência de grandezas não deve implicar operações exatamente graduais na descrição do sensível, muito menos a subordinação das operações opositivas àquelas consideradas escalares, como fazem parecer algumas interpretações da semiótica tensiva. As formulações teóricas de Zilberberg nos permitem pensar em uma simulação da gradualidade por meio de uma complexificação do descontínuo, em que determinadas operações analíticas diluem as fronteiras entre as unidades discretas, sem, no entanto, eliminá-las por completo. Trata-se, a nosso ver, de uma graduação da diferença, por outra operação diferencial, de ordem metalinguística. Com a adoção desse ponto de vista a complexidade não daria azo a qualquer interpretação substancialista ou ontologizante e ganharia estatuto epistemológico de instância de mediação entre as abordagens semióticas que dirigem sua atenção para a dimensão tanto do contínuo quanto do descontínuo. Além disso, o postulado da diferença, condição sine qua non da inteligibilidade científica, mantém-se intacto na descrição dos afetos pelo viés da tensividade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Lopes Leite, Universidade Federal do Ceará

Docente do Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

BACHELARD, Gaston. Ensaio sobre o conhecimento aproximado. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.
BEIVIDAS, Waldir. A semiótica tensiva: uma teoria imanente dos afetos. CASA: Cadernos de Semiótica Aplicada, v. 13, n. 1, p. 43-86, 2015.
BLANCHÉ, Robert. Estruturas intelectuais: ensaio sobre a organização sistemática dos conceitos. São Paulo: Perspectiva, 2012.
DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Tradução: Luiz Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.
DELEUZE, Gilles. Francis Bacon: lógica da sensação. Tradução Roberto Machado et al. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.
FONTANILLE, Jacques; ZILBERBERG, Claude. Tensão e significação. Tradução de Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Humanitas, 2001.
GREIMAS, Algirdas Julien. Semântica estrutural: pesquisa de método. Tradução Haquira Osakabe e Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, 1973.
GREIMAS, Algirdas Julien. Entretien avec A. J. Greimas sur les structures élémentaires de la signification. In: F. Nef, Structures élémentaires de la signification. Bruxelles: Éditions Complexe, 1976. P. 18-26.
GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de semiótica. São Paulo: Contexto, 2008.
GREIMAS, Algirdas Julien. Da Imperfeição. Tradução Ana Cláudia de Oliveira. São Paulo: Hacker Editores, 2002.
GREIMAS, Algirdas Julien; FONTANILLE, Jacques. Semiótica das paixões: dos estados de coisas aos estados de alma. Tradução Maria José Rodrigues Coracini. São Paulo: Ática, 1993.
HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. Tradução J. Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva. 1975.
HOUAISS, Antônio. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Objetiva, 2009.
LEITE, Ricardo Lopes. Saussure e a sílaba. Matraga. Rio de Janeiro. v. 34, p. 90-101, 2014.
LEITE, Ricardo Lopes. Transposição e narratividade nos desenvolvimentos da semiótica atual. Estudos Semióticos [on-line], volume 13, n. 2 (edição especial). Editores convidados: Waldir Beividas e Eliane Soares de Lima. São Paulo, dezembro de 2017, p. 51-58. Disponível em: www.revistas.usp.br/esse. Acesso em 14/01/2019.
SARAIVA, José Américo Bezerra. Análise da análise: quadrado semiótico e gráfico tensivo. Estudos Semióticos [on-line], volume 13, n. 2 (edição especial), 2017, p. 77-87. Disponível em: www.revistas.usp.br/esse. Acesso em 14/01/2019.
SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, s/d.
VALÉRY, Paul. Cahiers. Tome II. Paris : Gallimard, 1988.
ZILBERBERG. Claude. Essai sur les modalités tensives. Amsterdam: John Benjamins, 1981.
ZILBERBERG, Claude. Síntese da gramática tensiva. Significação: Revista De Cultura Audiovisual, 33(25), 2006. p. 163-204.
ZILBERBERG, Claude. Observações sobre a base tensiva do ritmo. Tradução Lucia Teixeira e Ivã Carlos Lopes. Estudos Semióticos [on-line], volume 6, n. 2, 2010. Disponível em:http://www.revistas.usp.br/esse .
ZILBERBERG, Claude. Elementos de semiótica tensiva. Tradução Ivã Carlos Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011a.
ZILBERBERG, Claude. Philosophie et sémiotique. Cassirer, Merleau-Ponty, Deleuze. Estudos Semióticos [on-line], volume 7, n. 2, 2011b. p. 1-7. EditoresResponsáveis: Francisco E. S. Merçon e Mariana Luz P. de Barros. Disponível em:http://www.revistas.usp.br/esse. Acesso em 12/01/2019.

Downloads

Publicado

2019-04-11

Como Citar

Leite, R. L. (2019). A complexidade na hipótese tensiva de Claude Zilberberg. Estudos Semióticos, 15, 27-38. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2019.154030