O contágio na semiótica brasileira: uma questão semio-historiográfica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2021.181583

Palavras-chave:

Semiótica brasileira, Semio-historiografia, Sensível, Contágio

Resumo

Neste trabalho, buscamos entender o conceito de “sensível”, mais especificamente a questão do contágio, na semiótica, pela abordagem semio-historiográfica (SANTOS, 2020), contextualizando, primeiramente, sua emergência. Depois, nos estudos de semioticistas franceses e brasileiros, recuperados por meio dos grupos de especialidades de semiótica - institucionalizados em diferentes universidades do território internacional e brasileiro - segundo as ideias de Murray (1994, 1998) e de Moreira (2019). Esses grupos de especialidades, compreendidos nos períodos que chamamos de greimasiano e pós-greimasiano, são a recepção da teoria semiótica francesa a partir do discurso fundador encontrado nos trabalhos de A. J. Greimas e a sua continuidade com seus colaboradores, sobretudo nos trabalhos de Fontanille, Landowski e Zilberberg. Aliando os princípios semiótico-historiográficos definidos por Portela (2018), Koerner (1996, 2014), Swiggers (2009, 2015), Moreira (2019), Santos (2020) e Auroux (2008) ao conceito de “sensível” em sua rede conceitual, investigamos na recepção brasileira, em que medida o contágio aparece na retórica e/ou na imanência dos trabalhos analisados. Por fim, a partir dessas primeiras reflexões, conseguimos definir provisoriamente o lugar histórico-epistemológico que o sensível (contágio) ocupa na semiótica brasileira, para explorar não apenas as continuidades teórico-metodológicas, mas também as rupturas existentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia Veronica Moreira, Universidade Estadual Paulista

Pós-doutoranda em Linguística e Língua Portuguesa/Unesp (Capes/Print). Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP.

Jean Cristtus Portela, Universidade Estadual Paulista

Docente do Departamento de Linguística e do Programa  de Pós-Graduação em Linguística e Língua Portuguesa da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (UNESP), câmpus de Araraquara, SP, Brasil. 

Referências

AKSNES, Dag; LANGFELDT, Liv; WOUTERS, Paul. Citations, Citation Indicators, and Research Quality: An Overview of Basic Concepts and Theories. SAGE Open, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1177/2158244019829575. Acesso em 30 abr. 2019.

ALTMAN, Cristina. A pesquisa linguística no Brasil (1968-1988). São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2003.

ALTMAN, Cristina. Retrospectivas e perspectivas da historiografia da linguística no Brasil. Revista Argentina de historiografia linguística, n. I, 2009, p. 115-136.

AUROUX, Sylvain. A questão da origem das línguas, seguido de A Historicidade das Ciências. Tradução de Mariângela Pecciolli Gali Joanilho. Campinas: Editora RG, 2008.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. A semiótica no Brasil e na América do Sul: rumos, papéis, e desvios. Revista Estudos Linguísticos, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, jan./jun. 2012, p. 149-186.

BATISTA, Ronaldo Oliveira de. Introdução à historiografia linguística. São Paulo: Cortez Editora, 2013.

COLOMBAT, Bernard; FOURNIER, Jean-Marie; PUECH, Christian. Histoire des idées sur le langage et les langues. Paris: Klincksieck, 2015.

FLOCH Jean-Marie. Identités visuelles. Paris: PUF, 1995.

FONTANILLE, Jacques. Les passions de l’asthme. Nouveaux Actes Sémiotiques, n. 6, 1989.

GREIMAS, Algirdas, Julien. Sémantique Structurale. Paris: Larousse, 1966.

GREIMAS, Algirdas Julien; FONTANILLE, Jacques. Semiótica das paixões. Dos estados de coisas aos estados de alma. Tradução de Maria José Rodrigues Coracini. São Paulo: Ática, 1993.

HARKOT-DE-LA-TAILLE, Elizabeth. Ensaio semiótico sobre a vergonha. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 1999.

HUSSERL, Edmund. Méditations cartésiennes. Paris, Vrin, 1966.

KOERNER, Konrad. Questões que persistem em historiografia linguística. Revista ANPOLL, 1996, v. 2, p. 45-70.

KOERNER, Konrad. Linguistic historiography. Projects and prospects. Ottawa: John Benjamins Publishing Company Amsterdam/Philadelphia, 1999.

KOERNER, Konrad. O problema da ‘influência’ em historiografia linguística. In: KEMMLER, R; ALTMAN, C. (org.). Quatro décadas de historiografia linguística: estudos selecionados. 1 ed. Vila real: Centro de Estudos em Letras. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, v. 11, 2014a, p. 91-102.

KOERNER, Konrad. Quatro décadas de historiografia linguística: estudos selecionados. 1 ed. Vila real: Centro de Estudos em Letras. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, v. 11, 2014b.

LANDOWSKI, E. Viagem às nascentes do sentido. In: Corpo e sentido: a escuta do sensível. Org. Ignácio Assis Silva. São Paulo: Unesp, 1996.

LANDOWSKI, Eric. Passions sans nom. Essais de sócio-sémiotique III. Presser Universitaires de France, 2004.

LANDOWSKI, Eric. Les interactions risquées. Les Noveaux Actes Sémiotiques, 2006.

LANDOWSKI, E. Sociossemiótica: uma teoria geral do sentido. Galaxia (online), n. 27, São Paulo, jun. 2014, p. 10-20.

LE PETIT ROBERT. Dictionnaire alphabétique et analogique de la langue française. Paris, Dictionnaires Le Robert, 2007.

LEYDESDORFF, Loet. Theories of Citation?. Scientometrics. v. 43, n. 1, 1998, p. 5-25. Disponível em: https://www.leydesdorff.net/citation/. Acesso em: 20 fev. 2019.

MOREIRA, Patricia Veronica. A emergência do sensível na semiótica discursiva: uma

abordagem historiográfica. 2019, 285 p. Tese (Doutorado em Linguística e Língua

Portuguesa). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de

Ciências e Letras, Câmpus Araraquara. 2019. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/190841/moreira_pv_dr_arafcl.pdf?sequen

ce=3&isAllowed=y. Acesso em: 15 nov. 2019.

MOREIRA, Patricia Veronica; Santos, Flavia Karla Ribeiro; PORTELA, Jean Cristtus. A citação em textos científicos: uma análise semio-historiográfica do argumento de influência. Revista Estudos Linguísticos, São Paulo, no prelo.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Ática, 1999.

MURRAY, Stephen O. Theory Groups and the Study of Language in North America: A

Social History. Amsterdam / Philadelphia: John Benjamins, 1994.

MURRAY, Stephen. O. American sociolinguistics: theorist and theory groups. Amsteram &

Philadelphia: John Beanjamins, 1998.

PORTELA, Jean Cristtus. História das ideias semióticas: entre cronistas e inovadores. Estudos Semióticos [online], volume 14, n. 1 (edição especial). Editores convidados: Waldir

Beividas e Eliane Soares de Lima. São Paulo, 2018, p. 138–143. Disponível em:

http://www.revistas.usp.br/esse/article/view/144317/138716. Acesso em 02 abr. 2018.

PORTELA, Jean Cristtus. Conversations avec Jacques Fontanille. Alfa - Revista de Linguística. UNESP - São Paulo, n. 50, v. 1, 2006, p. 159-186. Disponível em: http://www.alfa.ibilce.unesp.br/sumario.php?livro=3. Acesso em: 02 mar. 2016.

PORTELA, Jean Cristtus. Metalinguagem semiótica: empréstimos e redefinições. CASA: Cadernos de Semiótica Aplicada, v.10, n.2, dezembro de 2012.

ROMANCINI, Richard. O que é uma citação? A análise de citações na ciência. Intexto, Porto Alegre: UFRGS, v. 2, n. 23, julho/dezembro 2010, p. 20-35. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/intexto/article/view/15885/10508. Acesso em: 12 mar. 2019.

SANTOS, Flavia Karla Ribeiro. O conceito de figuratividade e as práticas de institucionalização da semiótica no Brasil e na França. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara. 2020, 347p. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/192989/santos_fkr_dr_arafcl.pdf?sequence=5&isAllowed=y. Acesso em: 30 jun. 2020.

SWIGGERS, Pierre. La historiografia de la linguística: apuntes y reflexiones. Revista Argentina de historiografia linguística, n. I, 2009, p. 67-76.

SWIGGERS, Pierre. A Historiografia da Linguística: objeto, objetivos, organização. Confluência, n. 44/45, 2013. Disponível em: http://llp.bibliopolis.info/confluencia/wp/?p=1171. Acesso em: 8 abr. 2016.

SWIGGERS, Pierre. Directions for linguistic historiography. Cadernos de Historiografia Linguística do CEDOCH: VII MiniENAPOL de Historiografia Linguística. São Paulo: FFLCH/USP, 2015.

Downloads

Publicado

2021-04-15

Como Citar

Moreira, P. V., & Portela, J. C. (2021). O contágio na semiótica brasileira: uma questão semio-historiográfica. Estudos Semióticos, 17(1), 37-54. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2021.181583

Edição

Seção

(ENCERRADO) Dossiê GT de Semiótica da Anpoll