Esboço de um plano de expressão para o texto escultórico

Autores

  • Elisson Ferreira Morato Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Endereço para correspondência: elissonmorato@yahoo.com.br

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2013.61250

Palavras-chave:

escultura, plano de expressão, semissimbolismo, semiótica plástica

Resumo

Neste artigo, analisamos dois textos escultóricos, através da semiótica de Greimas ou semiótica francesa, a fim de desenvolver algumas considerações sobre o plano de expressão na escultura. Tomamos para a análise duas peças do escultor brasileiro Antônio Francisco Lisboa (1738-1814) mostrando, uma delas, São Miguel e Almas, e outra, São Francisco de Assis, e aplicamos os conceitos de plano de expressão, semissimbolismo e semiótica plástica ou visual extraídos de Greimas; Courtés (1986, 2008), Floch (1985) e Pietroforte (2007). Normalmente, o estudo do plano de expressão é feito através da análise da sua relação com o plano de conteúdo, uma relação que pode ocorrer através do semissimbolismo, que é aquela entre as categorias do plano de expressão e do plano de conteúdo. De acordo com o trabalho de Floch (1985), o plano de expressão de textos visuais é formado por formantes figurativos e formantes plásticos: os formantes plásticos constituem, deste modo, o nível profundo do plano de expressão em textos visuais. A escultura é uma espécie de texto visual que tem elementos como espacialidade, volume e formas no seu plano de expressão. Com esses elementos, podemos construir dimensões que contenham categorias, como relevo total vs. relevo parcial, grande vs. pequeno, alongado vs. contraído, acima vs. abaixo, relacionadas com outras categorias do nível fundamental do plano de conteúdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2013-06-18

Como Citar

Morato, E. F. (2013). Esboço de um plano de expressão para o texto escultórico. Estudos Semióticos, 9(1), 90-98. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2013.61250

Edição

Seção

Artigos