Estudos Semióticos https://www.revistas.usp.br/esse <p>Publicação quadrimestral online do Programa de Pós-Graduação em Semiótica e Linguística Geral da FFLCH-USP, a revista <strong>Estudos Semióticos</strong> (ISSN 1980-4016) veicula, em acesso aberto, trabalhos da área de Semiótica, bem como dos campos limítrofes, dirigidos à comunidade dos pesquisadores. Podem ser propostos trabalhos que lidem com os signos, os textos, os discursos e as práticas sociais produtoras de sentido, desde que sejam inéditos e dialoguem com as teorias semióticas. Admitem-se trabalhos em português, francês, inglês, espanhol e italiano.</p> <p>Em cada temporada anual, a revista publica três números: um de tema livre e dois com dossiês temáticos. Eventualmente, pode ser publicada também uma edição extra no formato de um dossiê especial.</p> <p>No último evento de classificação do Qualis Periódicos da CAPES (2016), a revista foi classificada no estrato B1.</p> pt-BR <p>Os trabalhos publicados na revista Estudos Semióticos estão disponíveis sob Licença Creative Commons <a href="https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/" target="_blank" rel="noopener">CC BY-NC-SA 4.0</a>, a qual permite compartilhamento dos conteúdos publicados, desde que difundidos sem alteração ou adaptação e sem fins comerciais.</p> rev.esse@usp.br (Revista Estudos Semióticos) rev.esse@usp.br (Adriana Elisa Inácio) Sex, 26 Ago 2022 11:16:31 -0300 OJS 3.2.1.1 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Aquém, além e em torno da verdade: perspectivas e abordagens semióticas https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/200379 Paolo Demuru, Franciscu Sedda Copyright (c) 2022 Paolo Demuru, Franciscu Sedda https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/200379 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 Negationist rhetoric and post-truth figures. Transversal research in social media in the COVID-19 era https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194839 <p>The research hypothesis of this paper postulates the existence of dominant isotopies and images-symbols cross-cutting all conspiracy theories, independent from ideological or contextual specificity. Hence, to detect an ideal core of the semantic universe of conspiracy where the various conspiracist fringe converges, we assumed that the common denominator could be traced in the figurative reasoning, which entails sharing the same images to explain current events. The best field to validate our hypothesis is the visual representation of the COVID-19 pandemic circulating on social media. The corpus on which the analysis has been conducted covers the time of February 15, 2020, until December 15, 2021, and counts on thousands of online publications. Within the corpus were selected posts on COVID-19 and on the daily practices of the lockdown of March 2020 spread by the leading Italian newspapers, and through the social profiles of institutional figures and influencers, reported by WHO as crucial points of information dissemination, in parallel with the dis-information propagated on Facebook, Instagram, Telegram and Twitter by the Italian conspiracy factions.</p> Isabella Pezzini, Bianca Terracciano Copyright (c) 2022 Isabella Pezzini, Bianca Terracciano https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194839 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 Forms of gastronomic camouflage: veridiction in the kitchen https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198278 <p>In this essay, we analyse the regimes of truth and the forms of culinary camouflage inscribed in some signature dishes by several well-known Italian chefs, whose work is emblematic of the various fictional trends in gastronomy. In doing so, we will keep in mind the so-called semiotic square of veridiction that discursive semiotics has been proposing and using for some time. The analysis reveals how the gastronomic discourse of the Italian haute cousine produces effects of illusion, secrecy, falsehood and truth. The concurrence of these veridiction modes allows for an explicit model which accounts for the various styles of camouflage and thus describes current tendencies in contemporary cuisine.</p> Gianfranco Marrone Copyright (c) 2022 Gianfranco Marrone https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198278 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 Considerações sobre o estatuto da verdade nos estudos de tendências https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194143 <p>No universo da moda, os estudos de tendências propostos pelos bureaux de style se sedimentaram como uma estratégia de antever certas práticas vestimentares, visando a minimizar o risco de investimento despendido no desenvolvimento de coleções. Entretanto, antecipar práticas futuras apresenta sempre um certo caráter de incerteza, de modo que é fundamental que uma previsão de tendência seja percebida como “verdadeira” por seus destinatários. Ao refletir sobre os estudos de tendências a partir de uma perspectiva semiótico-discursiva, objetiva-se compreender como se atribui o estatuto de verdade aos discursos do campo da pesquisa de tendências. Adota-se a abordagem teórico-metodológica da Semiótica Discursiva de A. J. Greimas, principalmente em sua proposição do contrato de veridicção, bem como seus desdobramentos na Sociossemiótica de Eric Landowski, nos estudos da enunciação e nos estudos semióticos sobre Moda e tendências. A partir dessa reflexão, entende-se que o estatuto da verdade na área da pesquisa de tendências está menos ligado à verificação de como a antecipação se concretiza (ou não) na vida vivida, e mais relacionado ao modo de ver a realidade dos analistas de tendências e à sua capacidade de fazer-crer os criadores e compradores de moda nessa visão específica.</p> Marc Barreto Bogo, Bruna Rosa Machado Copyright (c) 2022 Marc Barreto Bogo, Bruna Rosa Machado https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194143 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 O sensível no fazer persuasivo do Papa Francisco https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194369 <p>Com o avanço dos discursos de ódio, da disseminação de notícias falsas e da valorização dos interesses econômicos, mesmo nas relações interpessoais, chama a atenção a presença do Papa Francisco, que mobiliza regimes de verdade e de crença baseados na construção de um pertencimento coletivo e na adesão sensível aos valores dele. Interessa-nos compreender como esse corpo é construído tanto do ponto de vista do plano da expressão — com formas circulares — quanto do ponto de vista do plano do conteúdo — com estratégias discursivas que borram os limites entre enunciador e enunciatário, figurativizados no discurso religioso como pastor e fiéis. Articulando as cifras tensivas (ZILBERBERG, 2011) aos percursos da elipse dos regimes de interação (LANDOWSKI, 2014), o presente estudo analisa um conjunto de discursos do e sobre Francisco para compreender como a mobilização do sensível ocupa uma posição central nas estratégias do fazer persuasivo do Papa argentino. Nossa hipótese é a de que o Papa Francisco desloca a construção do sagrado como verdade dogmática para a do sagrado como vivência e partilha sensível e coletiva de uma fé que deve transformar as relações de poder na sociedade.</p> Rafael Alves Copyright (c) 2022 Rafael Alves https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194369 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 Dietro la maschera. Verità in semiotica https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194353 <p>L’articolo propone una riflessione, condotta con gli strumenti della semiotica, sulla verità e sui suoi travisamenti (maschere, segreti), attraverso l’analisi di un racconto: Doppio sogno (Traumnovelle, 1926) di Arthur Schnitzler. Dopo un excursus su alcune concezioni della verità, derivate sia dal discorso filosofico che dalla prassi quotidiana, l’analisi testuale è volta a mostrare come i processi discorsivi, quali sono messi in scena dal racconto, presentano un ampio intreccio di pratiche “veritative” diverse, quali la constatazione, la confessione, l’inchiesta, la messa alla prova, lo smascheramento, la simulazione e la dissimulazione. Pratiche che sono a loro volta correlate a concezioni e valorizzazioni diverse della verità. Infine, l’articolo si concentra sul ruolo della “maschera”, nei processi di tematizzazione e di attorializzazione, come mezzo di nascondimento e rivelazione.</p> Tarcisio Lancioni Copyright (c) 2022 Tarcisio Lancioni https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194353 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 Reflexões sobre a verdade e a crença na comunicação do testemunho literário https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194036 <p>Apresenta-se, neste artigo, uma reflexão a respeito da verdade e da crença na comunicação do testemunho literário – gênero composto por relatos de sobreviventes de experiências históricas consideradas limite (guerras, ditaduras, genocídios, etc.). Parte-se, para tanto, das considerações de François Rastier sobre a caracterização do enunciador do testemunho literário – seu compromisso ético e consequente projeto estético – e de dois modelos epistêmicos distintos, mas complementares – o modelo de Algirdas Julien Greimas, que fixa as modalidades do quadrado epistêmico e as bases gerais das operações de comunicação e de reconhecimento da verdade, e o modelo de Claude Zilberberg, no qual se definem os sintagmas elementares da crença de acordo com seus modos de junção (implicativo ou concessivo). Descrevem-se, a partir daí, os dois modos de apresentação da verdade constitutivos do testemunho literário.</p> Adriana Inácio Copyright (c) 2022 Adriana Inácio https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194036 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 "I do not believe!" as the motto of Stanislavsky and Vakhtangov. Semiotic notes on truth on the Theater Stage https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198587 <p>The founder of the modern theater of the 20th century, Konstantin Stanislavsky, and his student Evgeny Vakhtangov, in rehearsals and in performances, implemented the principle: “as in life”. They believed that an actor should be on stage like a child. The latter, dropping the doll, may treat it like a wounded soldier and bandage it quite seriously. So, the actor must relate to untruth (the space of the stage). He must treat this “as if it were truth, that is, turn lies into truth” (VAKHTANGOV, 1918). We propose to consider examples of “truth theater” (school of experiencing, school of representation) through semiotic categories (veridictory modalities, engagement/disengagement), as well as through the prism of Lotman's semiotics of culture, and also ask the question what the truth on the theater stage is today.</p> Inna Merkoulova Copyright (c) 2022 Inna Merkoulova https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198587 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 As metamorfoses da verdade, entre sentido e interação https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198273 <p>Ao se abster de levantar qualquer problema de ordem ontológica a respeito da Verdade, a semiótica de Greimas se afastou da lógica dos lógicos e da tradição filosófica, focalizando a atenção, desde a origem, sobre os processos intersubjetivos e cognitivos do fazer crer verdadeiro. Mais recentemente, a sociossemiótica, distanciando-se, por sua vez, dos postulados da semiótica standard, efetuou um outro passo adiante: acabou com o domínio exclusivo da dimensão cognitiva e destacou a importância do fator sensível, especialmente no âmbito da política. Isso conduziu a admitir que, ao lado dos cidadãos que concordam (ou se opõem) por convicção, baseando-se em “verdades” provadas ou negociadas, uma minoria importante acredita por contágio, confiando em formas de “verdade” revelada ou experimentada. Para dar conta dessa diversidade das dinâmicas de adesão política e compreender as distintas concepções da “verdade”, nós postulamos que cada um dos regimes veridictórios em pauta encontra sua base, sua coerência e seu sentido no quadro de um determinado regime interacional que o engloba e o rege. O objetivo do artigo é evidenciar a lógica destas correspondências.</p> Eric Landowski Copyright (c) 2022 Eric Landowski https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198273 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 Contrato de veridicção: operações e percursos https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198279 <p>O ponto de partida deste artigo é o do contrato de veridicção, proposto por Greimas. O enunciador do discurso escolhe um regime de veridicção e um fazer parecer verdadeiro, para fazer seu enunciatário crer. O enunciatário, que tem papel fundamental nesse contrato, interpreta a mensagem e nela acredita ou não. O objetivo é mostrar que esses contratos passam por operações e estabelecem diferentes percursos veridictórios. As operações de asserção, negação e implicação determinam quatro percursos entre os metatermos do quadrado da veridicção - verdade, falsidade, mentira e segredo: 1) falsidade → mentira → verdade; 2) verdade → segredo → falsidade; 3) falsidade → segredo → verdade; 4) verdade → mentira → falsidade. Esses percursos caracterizam diferentes contratos de veridiccão e diferentes tipos de discursos: o percurso 1 é o das fake news; o 2, o das falsas revisões da História e da ciência e dos discursos conspiratórios; o 3, o dos discursos humorísticos e poéticos, em geral; o 4, o dos discursos poéticos “fundadores”. No Brasil, os dois primeiros percursos, em que a aparência seleciona, na implicação, a essência, são muito usados nos discursos da extrema direita; os percursos 3 e 4, em que a essência seleciona a aparência, caracterizam os da esquerda.</p> Diana Luz Pessoa de Barros Copyright (c) 2022 Diana Luz Pessoa de Barros https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198279 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 A verdade à luz da vagueza e do falibilismo https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198584 <p>Na era da pós-verdade que atravessamos, nunca foi tão premente discutir o valor da verdade. Este artigo tem por objetivo colocar em relevo o estatuto metafísico da verdade na obra de C. S. Peirce a partir de sua raiz no falibilismo definido como a doutrina de que nosso conhecimento nunca é absoluto, mas sempre navega, por assim dizer, em um continuum de incerteza e indeterminação. Entretanto, o entendimento da doutrina falibilista pressupõe seu alicerce na semiótica como a lógica da vagueza, da incerteza e da indeterminação. Tendo isso em vista, o artigo tomará o percurso que se mostra necessário e que vai da semiótica ao falibilismo e, deste, para a verdade como busca nos processos investigativos e, por fim, para a metafísica da verdade.</p> Lucia Santaella Copyright (c) 2022 Lucia Santaella https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198584 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 Qualia, semiotic categories, and sensuous truth: rhematics, pragmatics, symbolics https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194325 <p>It is a social-scientific truism, and also a problem, that the “immediate” sensuous truth for individuals is part of, and therefore must be investigated through, the “dynamic” semiosis of social groups. Qualia, carefully formulated as facts of firstness, disaggregate and clarify some aspects of the problem. Facts of firstness become methodologically viable as a semiotic category by weighting Peirce’s 1903 Triangle of ten sign types toward the interpretant and thereby rearranging the diagram. This diagrammatic rearrangement discloses the domain of rhematics, extending continuously from the familiar rhematic symbolic legisigns of language to qualia as limit cases where semiotic mediation itself seems to be suspended in (and by) aesthetic immediacy. The diagrammatic rearrangement also highlights qualia as cultural emergents: precipitates of vast scales and operations of semiosis that bear deceptively little resemblance to the processes of their production. A multimodal example of sonic, kinaesthetic, and visual calibration grounds the discussion.</p> Nicholas Harkness Copyright (c) 2022 Nicholas Harkness https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194325 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 Charles W. Morris on truth. Towards a semiotically oriented epistemology https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194348 <p>Truth is a very complex phenomenon that has exercised a fascination upon the human mind for millennia. Discussion on truth and falsehood goes back to the earliest day of philosophy and has continued ever since. Semiotics, as an independent discipline, has shown some interest towards this subject, although the research conducted in this field has been scant. This paper focuses on one aspect of this issue for it discusses the semiotic conception of truth in Charles Morris’ work. The reasons for this proposal are threefold. Firstly, in Sign, Language, and Behavior (1946), Morris tackles at length the problem of truth from a semiotic perspective. He offers a thorough and very technical account of truth that lays down the theoretical underpinnings for addressing this issue from a semiotic stance. Secondly, Morris develops an interesting yet overlooked conceptual apparatus. He introduced a precise and lucid set of semiotic distinction of the terms such as ‘truth, ‘adequacy’, ‘reliability’, ‘belief’ and ‘knowledge’ as applied to signs, which all deserve close scrutiny. One of Morris’ merits was to underscore that when such terms are applied to the study of signs, they must be kept distinct for they are independent terms. Thirdly, Morris’ theory of truth deserves attention because it has been almost neglected in contemporary semiotics. Thus, the goal of this study is to rework Morris’ stance on the subject, review the main theoretical distinctions that Morris formulated in regard to the semiotic conception of truth, and to discuss whether this pragmatic account on truth is still applicable today.</p> Remo Gramigna Copyright (c) 2022 Remo Gramigna https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/194348 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 O falso como vírus: uma epidemiologia semiótica https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198586 <p>O “falso” é um elemento central nas ciências naturais, nas ciências sociais e nas humanidades. Também é fundamental na sociedade, na economia, na política e no direito. Em última análise, é a principal força por trás da criatividade e fantasia dos artistas. Muitos estudos e investigações foram dedicados ao falso. No entanto, as novas tecnologias de comunicação digital estão mudando drasticamente o cenário. Alguns dos fenômenos mais perturbadores das sociedades modernas, da “pós-verdade” (post-truth) às notícias falsas (fake news), das teorias da conspiração ao “falso profundo” (deep fake), originam-se na encruzilhada entre as invenções tradicionais e os novos simulacros. Abordagens convencionais para verdade e falsidade, autenticidade e simulação, fato e ficção são cada vez mais insuficientes para lidar com os novos híbridos da comunicação digital. Uma sinergia sem precedentes entre as ciências naturais e sociais, acadêmicos e partes interessadas da sociedade, pesquisadores e artistas é necessária para avaliar o papel mutável da falsificação nas sociedades contemporâneas. O artigo propõe um novo quadro de epidemiologia semiótica da cultura para o estudo do falso nas sociedades digitais contemporâneas.</p> Massimo Leone Copyright (c) 2022 Massimo Leone https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198586 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300 The ‘Trueness’ of ‘Reality’: World-making and World-faking https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198275 <p>This essay traces the understanding of perception that has occupied philosophy, semioticians and brain researchers. All of them focus on the relationship between sensorial perception, reality in the world of life and interpretive cognition, each with a different emphasis. However, all definitions unanimously show that perception can only ever express a person's idea of or attitude towards the world in which they live. Reality and truth are therefore social and individual constructs. In order to maintain the socially agreed view of the world, the individual thus occupies an important position, especially in the postmodern democratic and highly individualized information society. In it, the individual is a site for the creation and the dissemination of meaning. In order to undermine the social construction of reality and common sense, influencing semiosis is a silent and effective weapon, transforming world-making in world-faking. Using the results of analyses of right-wing populism and conspiracy myths from recent times, the author summarizes how such influence is exerted in the social media via platforms and so called alternative newscast channels and what effect they have on the individual as well as on the socially agreed image of reality. To this end, she combines socio-constructivist with semiotic models.</p> Eva Kimminich Copyright (c) 2022 Eva Kimminich https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0 https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/198275 Sex, 26 Ago 2022 00:00:00 -0300