A importância da escrita na clínica do autismo

Autores

  • Leda Mariza Fischer Bernardino Universidade de São Paulo; Laboratório de Estudos e Pesquisas Psicanalíticas e Educacionais sobre a Infância

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v20i3p504-519

Resumo

O acompanhamento de crianças com autismo pode nos apontar uma relação direta com o campo simbólico pela via cognitiva, às vezes muito desenvolvida, outras vezes idiossincrática. Dessa forma, pode-se encontrar uma situação em que, contrariamente ao que se observa nas crianças de desenvolvimento dito padrão, é pela escrita e pela alfabetização que a criança considerada autista começa a ter possibilidades de comunicação com o outro. Se para Lacan a escrita é primeira em relação à fala, buscamos encontrar em conceitos como letra, significante e gozo um caminho de entendimento possível desse universo autístico tão enigmático, que possa nos trazer subsídios para a direção de tratamento dessas crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2015-12-01

Como Citar

Bernardino, L. M. F. (2015). A importância da escrita na clínica do autismo . Estilos Da Clinica, 20(3), 504-519. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v20i3p504-519

Edição

Seção

Artigos