Luto fetal: a interrupção de uma promessa

Autores

  • Helena Carneiro Aguiar Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
  • Sílvia Zornig Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i2p264-281

Palavras-chave:

luto fetal, trabalho de luto, melancolia, psicanálise

Resumo

Este artigo se propõe a pensar sobre o trabalho subsequente à perda fetal, à luz da teoria psicanalítica. Compreendemos que esse luto contém particularidades importantes, tais como o não reconhecimento do entorno e o estatuto confuso do objeto perdido, comportando tanto um componente narcísico como um componente objetal. Refletiremos sobre algumas questões que surgem como obstáculos ao trabalho de luto e à introjeção da experiência vivida. Apontaremos como a melancolia pode, com frequência, constituir uma reação à perda fetal, aprisionando o sujeito numa busca incessante para recuperar o objeto perdido. Utilizaremos fragmentos clínicos a fim de ilustrar as questões apontadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-08-01

Como Citar

Aguiar, H. C., & Zornig, S. (2016). Luto fetal: a interrupção de uma promessa. Estilos Da Clinica, 21(2), 264-281. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i2p264-281

Edição

Seção

Artigos