O roteiro IRDI

sobre como incluir a ética da psicanálise nas políticas públicas

Autores

  • Rosa Maria Marini Mariotto Associação Psicanalítica de Curitiba
  • Maria Eugênia Pesaro Lugar de Vida

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v23i1p99-113

Palavras-chave:

psicanálise, intervenção precoce, políticas públicas, IRDI

Resumo

O instrumento Indicadores de Risco para Desenvovimento Infantil (IRDI) foi construído e validado por meio de uma pesquisa multicêntrica, a partir de uma demanda do Ministério da Saúde, com o propósito de que os pediatras incluíssem em suas consultas de rotina o acompanhamento do desenvolvimento psíquico em bebês de até 18 meses e, ainda, pudessem localizar, por meio dos indicadores, problemas nesse desenvolvimento. Essa articulação da psicanálise com a pesquisa e a saúde pública, que esteve presente na origem do IRDI, mantém-se e pode ser acompanhada por meio dos artigos selecionados neste artigo. O levantamento realizado demonstra que o IRDI vem sendo utilizado nos serviços de saúde e de educação, na produção de conhecimento científico em pesquisas acadêmicas e na formação de profissionais. Pode-se concluir que os profissionais que utilizam o IRDI em suas práticas sustentam a não elisão do sujeito, o conceito de laço constituinte, a singularidade das pessoas envolvidas nos acompanhamentos realizados. Sustentam, portanto, a ética da psicanálise na pólis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosa Maria Marini Mariotto, Associação Psicanalítica de Curitiba

Psicanalista, membro da Associação Psicanalítica de Curitiba, doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP), Curitiba, Paraná, Brasil.

Maria Eugênia Pesaro, Lugar de Vida

Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pelo IPUSP, sócia membro da equipe do Lugar de Vida

Downloads

Publicado

2018-04-30

Como Citar

Mariotto, R. M. M., & Pesaro, M. E. (2018). O roteiro IRDI: sobre como incluir a ética da psicanálise nas políticas públicas. Estilos Da Clinica, 23(1), 99-113. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v23i1p99-113