Do amigo qualificado à política da amizade

Autores

  • Fabio Araújo Instituto Brasileiro de Acompanhamento Terapêutico e Intervenção Social

Palavras-chave:

Acompanhamento terapêutico, Clínica, Política, Amizade

Resumo

O texto coloca em análise o contexto e os motivos da mudança da denominação "amigo qualificado" para "acompanhante terapêutico". Nota-se que tal mudança envolve uma transformação na própria concepção dessa atividade e não uma simples mudança de nome. Tal transformação se dá na busca de um estatuto puramente clínico para o acompanhamento terapêutico, isso em detrimento de suas raízes políticas, que são relegadas a um segundo plano ou simplesmente excluídas numa oposição entre clínica e política. No decorrer do texto, discute-se o conceito de amizade e suas implicações políticas. O objetivo é então resgatar a face política do acompanhamento terapêutico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-05-22

Como Citar

Araújo, F. (2020). Do amigo qualificado à política da amizade. Estilos Da Clinica, 10(19), 84-105. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/estic/article/view/169977