Da errância à transumância: acompanhamento educativo de adolescentes delinqüentes

Autores

  • Georgette Ribot

Palavras-chave:

Ação, Contexto, Deslocamento, Delinquente, Encenação, Organização, Responsabilização

Resumo

Acompanhar uma pessoa é intervir estando ao lado dela, fazer um trecho de caminho com ela e apoiá-la em sua evolução. Como agir com adolescentes em estado de errância, recalcitrantes a tudo o que é instituído, tendo total desconfiança dos adultos e exprimindo seu mal-estar com delituosas e repetidas passagens ao ato ? A ação pedagógica aqui apresentada inscreve-se no quadro de medidas penais para menores delinqüentes que vivem em seu meio familiar. Alguns têm um percurso institucional, até mesmo carcerário; a maioria acumula dificuldades demais para ser acolhida em instituição. Esta « mise en scène » se nutre dos trabalhos de Didier Anzieu (1985). Ela é construída para surpreender o adolescente e « levá-lo a caminhar apesar dele mesmo » num espaço em que ele não poderia, nem escapar do grupo, nem de si mesmo. Passo a passo, dia após dia, duna após duna, num espaço sem limite, banhado de luz, carregado de silêncio, onde nada há senão ele próprio e seus semelhantes, o jovem caminha apoiando-se no grupo, em rituais, valores e adultos significativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-05-22

Como Citar

Ribot, G. (2020). Da errância à transumância: acompanhamento educativo de adolescentes delinqüentes. Estilos Da Clinica, 10(19), 106-121. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/estic/article/view/169978