O "furor avaliativo" como sintoma social da educação brasileira?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p439-453

Palavras-chave:

avaliação educacional;, educação brasileira, gestão educacional, psicanálise e educação, sintoma social

Resumo

A partir da práxis de pesquisa no campo de estudos de Psicanálise e Educação, em que a negação da dimensão impossível do educar retorna como impotência de saber e fracasso, este artigo põe em suspeição o aparato de gestão e avaliação escolar, o qual fornece suporte ao que se considera uma verdadeira impostura político-pedagógica à moda brasileira: as avaliações educacionais estandardizadas associadas às metas de desempenho e aos dispositivos de responsabilização escolar. A reflexão acerca do “furor avaliativo” remete à denegação simbólica no campo sociopolítico como sintoma social implicado à educação brasileira. A despeito do que se possa pensar o imaginário pedagógico nacional, o “furor avaliativo” se inscreve no registro de uma fantasia de acesso a um gozo sem limites – na medida em que se avalia justamente o que não se ensina –, retrato dessa busca por um gozo desmedido relacionado à “fantasia de Brasil”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eric Ferdinando Kanai Passone, Universidade Cidade de São Paulo

Docente e vice-coordenador do Mestrado Profissional Formação de Gestores, Universidade Cidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Afonso, A. J. (2009). Nem tudo o que conta em educação é mensurável ou comparável. Crítica à accountability baseada em testes estandartizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, 13(13), 13-29.

Araujo, K., Leite, R., & Passone, E. (2018). Política accountability educacional no estado do Ceará: repercussões nas dinâmicas pedagógicas. Revista Teias, 19(54), 95-113. doi: https://doi.org/10.12957/teias.2018.35985.

Brasil (1988). Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 5 out.

Brasil (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 21 dez.

Brasil (2005). Plano de Qualidade para a Educação Básica: diagnóstico e ações para elevar o nível de qualidade do ensino nas escolas brasileiras, Brasília, DF: Ministério da Educação.

Brasil (2007). Lei nº 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - Fundeb, de que trata o art. 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; altera a Lei no 10.195, de 14 de fevereiro de 2001; revoga dispositivos das Leis nos 9.424, de 24 de dezembro de 1996, 10.880, de 9 de junho de 2004, e 10.845, de 5 de março de 2004; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 21 jun.

Calligaris, C. O. (1991). A sedução autoritária. In L. T. Aragão, C. Calligaris, J. F. Souza, & O. Souza (Orgs.). Clínica do social: ensaios (pp. 107-118). São Paulo, SP: Escuta.

Calligaris, C. O. (2000). Hello Brasil!: notas de um psicanalista europeu viajando ao Brasil (6a ed.). São Paulo, SP: Escuta.

Carvalho, J. M. (2002). Cidadania no Brasil: o longo caminho (3a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Chaia, J. (1965). Financiamento escolar no segundo império. Marília, SP: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras.

Charlot, B. (2006). A pesquisa educacional entre conhecimentos, políticas e práticas: especificações e desafios de uma área de saber. Revista Brasileira de Educação, 11(31), 7-18. Doi: https://doi.org/10.1590/S1413-24782006000100002.

Dupriez, V., Barbana, S., & Dumay, X. (2020). Accountability policy forms in European educational systems: an introduction. European Educational Research Journal, 19(2), 165-169. Doi: https://doi.org/10.1177/1474904120902306

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social (I. Storniolo, trad.). Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Gori, R. (2013). La fabrique des imposteurs. Paris: Les Liens Qui Liberent.

Imbert, F. (2001). A questão da ética no campo educativo (G. J. F. Teixeira, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Kehl, M. R. (2002). Sobre ética e psicanálise. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Lajonquière, L. (de) (2013). A palavra e as condições da educação escolar. Educação & Realidade, 38(2), 455-470.

Lajonquière, L. (de) (2018). As ilusões (psico)pedagógicas e o sonho de uma escola para todos. In M. E. Arreguy, M. B. Coelho, & S. Cabral (Orgs.). Racismo, capitalismo e subjetividade: leituras psicanalíticas e filosóficas (pp. 59-69). Niterói: Eduff.

Lajonquière, L. (de) (2000). Psicanálise, modernidade e fraternidade. Notas introdutórias. In M. R. Kehl (Org.). Função fraterna (pp. 51-80). Rio de Janeiro, RJ: Relume Dumará.

Lajonquière, L. (de). (2019). Quando o sonho cessa e a ilusão psicopedagógica nos invade, a escola entra em crise. Notas comparativas Argentina, Brasil, França. ETD: Educação Temática Digital, 21(2), 297-315. doi: https://doi.org/10.20396/etd.v21i2.8651506.

Lima, L. (2002). Modernização, racionalização e optimização: perspectivas neotaylorianas na organização da administração escolar. In L. Lima, & A. J. Afonso (Orgs.). Reformas da educação pública: democratização, modernização, neoliberalismo (pp. 17-32). Porto: Afrontamento.

Márquez, G. G. (2014). A solidão da América Latina. Imea-Unila, 2(1), 12-14. Recuperado de https://revistas.unila.edu.br/IMEA-UNILA/article/view/251/247

O’Donnell, G. (1998). Accountability horizontal e novas poliarquias. Lua Nova, 44, 27-35.

Oliveira, D. A., Duarte, A. W., & Clementino, A. M. (2017). A nova gestão pública no contexto escolar e os dilemas dos(as) diretores(as). RBPAE, 33(3), 707-726. doi: https://doi.org/10.21573/vol33n32017.79303

Passone, E. F. K. (2014). Incentivos monetários para professores: avaliação, gestão e responsabilização na educação básica. Cadernos de Pesquisa, 44(152), 424-448. doi: https://dx.doi.org/10.1590/198053142864.

Passone, E. F. K. (2015a). Produção do fracasso escolar e o furor avaliativo: o sujeito resiste? Estilos da Clínica, 20(3), 400-421. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v20i3p400-420.

Passone, E. F. K. (2015b). Notas psicanalíticas: os discursos contemporâneos acerca da avaliação educacional no Brasil. Educação e Pesquisa, 41(1), 185-201. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022014121543

Passone, E. F. K. (2017). Educação social: quando o passado é desafio presente na formação docente. Cadernos de Pesquisa, 47(164), 688-714. doi: https://doi.org/10.1590/198053143772.

Passone, E. F. K. (2019a). Da avaliação em larga escala ao furor avaliativo: a degradação do ato educativo. Quaestio, 21(3), 945-964. doi: https://doi.org/10.22483/2177-5796.2019v21n3p945-964

Passone, E. F. K., & Araújo, K. H. (2020). Dispositivo de avaliação educacional do Ceará: a (in)visibilidade dos estudantes deficientes. Cadernos de Pesquisa, 50(175), 136-160. doi: http://dx.doi.org/10.1590/198053146824

Paz, O. (1972). Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva.

Sacco, R. D. (2017). Para uma etiologia da renúncia ao professar: alguns apanhados da corte ao neoliberalismo no Brasil (Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo). Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-08052018-130101/pt-br.php

Schwarz, R. (1987). Nacional por subtração. In R. Schwarz. Que horas são? (pp. 29-48). São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Sandra, M. Z. L. (2008). Avaliação e carreira do magistério: premiar o mérito? Revista Retratos da Escola, Brasília, 2(2-3), 81-93. doi: https://doi.org/10.22420/rde.v2i2/3.126

Souza, O. (1994). Fantasia do Brasil: as identificações na busca da identidade nacional. São Paulo, SP: Escuta.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Passone, E. F. K. (2020). O "furor avaliativo" como sintoma social da educação brasileira?. Estilos Da Clinica, 25(3), 439-453. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p439-453