Adolescência, Ensino Médio e projetos de vida na escola pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p394-406

Palavras-chave:

adolescência, psicanálise, ensino médio, projetos de vida, escola pública

Resumo

A partir de conversações realizadas com alunas de uma escola estadual, em Fortaleza (CE), apresentamos os elementos geradores de impasses na travessia do ensino médio para a vida após a formatura. A passagem entre o lugar ocupado na infância e a construção de um lugar para si no campo do Outro é atravessada pelas incertezas acerca das possibilidades concretas de continuar os estudos depois do ensino médio. Sonhos referentes ao ingresso na universidade fizeram-se presentes, mas sempre recobertos por indagações acerca da viabilidade de entrar em uma graduação. Nos casos em que os sofrimentos psíquico e social se encontravam particularmente agudizados, as adolescentes vivenciavam uma dilatação do presente, sem projeções para o futuro. O estudo aponta para a importância de espaços nos quais os jovens possam discutir seus projetos de vida durante o ensino médio. Por meio da oferta de um lugar para falar, os determinantes sociais e subjetivos relativos ao futuro podem ser trabalhados na tentativa de romper com as repetições subjetivas e políticas que atualizam as desigualdades sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vládia Jamile dos Santos Jucá, Universidade Federal do Ceará

Professora Associada, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Referências

Alberti, S. (2009). Esse sujeito adolescente. Rio de Janeiro, RJ: Rios Ambiciosos/Contra Capa.

Alberti, S. (2010). O adolescente e o Outro. Rio de Janeiro,RJ: Zahar.

Freud, S. (1996). Sobre o narcisismo: uma introdução. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 14, pp. 77-113). Rio Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1914).

Gurgel, L. L. & Colaço, V. de F. R. (2020). Sistema de cotas para entrada no Ensino Superior: perspectivas de jovens negros. Psico, 5(1), 1-13. doi: https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.1.29823

Lacan, J. (1998a). O Estádio do Espelho como Formador da Função do Eu. In J. Lacan, Escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 96-103). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1949).

Lacan, J. (1998b). Função do campo da fala e da linguagem em psicanálise. In J. Lacan, Escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 238-324). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1953).

Leão, G., Dayrell, J. T. & Reis, J. B. (2011). Juventude, projeto de vida e Ensino Médio. Educação & Sociedade, 32 (117), 1067-84. doi: https://doi.org/10.1590/S0101-73302011000400010

Lesourd, S. (2004). A construção adolescente no laço social (L. Magalhães, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Menezes, J. de A., Colaço, V. de F. R. & Adrião, K. G. (2018). Implicações políticas na pesquisa-intervenção com jovens. Revista de Psicologia, 9 (1), 8-17. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/20638

Miranda, M. P., Vasconcelos, R. N., & Santiago, A. L. B. (2006). Pesquisa em psicanálise e educação: a conversação como metodologia de pesquisa. In Anais do 6o Colóquio do LEPSI IP/FE-USP: Psicanálise, educação e transmissão. São Paulo, SP: USP. Recuperado de http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000032006000100060&script=sci_arttext

Rosa, M. & Carmo-Huerta, V. (2020). O que resta da adolescência. Estilos da Clínica, 25(1), 5-20. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i1p5-20

Safatle, V. (2017). Lacan, revolução e liquidação da transferência: a destituição subjetiva como protocolo da emancipação política. Estudos Avançados, 31 (91), 211-227. doi: https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.3191016

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Jucá, V. J. dos S. (2020). Adolescência, Ensino Médio e projetos de vida na escola pública. Estilos Da Clinica, 25(3), 394-406. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p394-406