Segregação do desejo na “escolha” profissional e seus impasses subjetivos no trabalho docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p407-422

Palavras-chave:

trabalho e laço social, autoria docente, segregação do desejo, pesquisa, universidade

Resumo

O artigo tematiza a importância do trabalho como meio de afirmação para o sujeito em sua inscrição no circuito da construção civilizatória. Problematiza a investigação da atividade docente, convocada a um processo de ressignificação em um cenário em que as escolhas profissionais parecem cada vez mais apartadas do desejo e assentadas em promessas de satisfação desvinculadas da história de cada qual. Por meio da interrogação de fragmento de caso clínico e de comentários extraídos da internet, o objetivo do texto é lançar questões sobre os impactos do atual imperativo de gozo nas escolhas profissionais e na atuação docente. Conclui-se que a formação universitária, em um pacto com a pesquisa, precisa encontrar meios de transcender a lógica da sobrevivência e subsistência e recuperar o que se encontra na essência da palavra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bionor Rebouças Brandão Neto, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA-Campus Salvador)

Psicólogo. Professor substituto no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA-Campus Salvador), doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade na Universidade do Estado da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Maria de Lourdes Soares Ornellas, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Psicóloga e psicanalista. Professora Titular da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, BA, Brasil.

Referências

Coulon, A. (2008). A condição de estudante: a entrada na vida universitária. Salvador: Edufba.
Fagundes, C., & Almeida, S. F. C de. (2016). A nova ordem simbólica e suas repercussões na função docente no ensino superior. In C. P. de Medeiros & S. F. C. Almeida (Orgs.). Psicanálise implicada: educar e tratar o sujeito. (pp. 65-89) Curitiba: Juruá.
Freud, S. (1996). Projeto para uma psicologia científica. In S. Freud, Obras completas: edição standard brasileira volume I (Publicações pré-psicanalíticas e esboços inéditos - 1886-1889), Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1895).
Freud, S. (2011). O mal-estar na civilização (Paulo Cesar de Souza, trad.). São Paulo:Penguin Classics/Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1930).
Jerusalinsky, A. (2019). A instância da letra na consciência e sua incidência no sujeito do inconsciente. In M de L. S. Ornellas (Org). Psicanálise e Educação: (im)passes subjetivos contemporâneos V. (pp. 27-42) Salvador: Mestria Edições.
Lajonquière, L. (2013, abril/maio). A palavra e as condições da educação escolar. Educação & Realidade. (2) 38, 455-469. doi: 10.1590/S2175-62362013000200006.
Nery, M. B. M.; Santos, Julini A.; Santos, Julianin A. & Sampaio, S. M. R. (2011). Um novo universitário: estudantes de origem popular na UFBA. In S. M. R. Sampaio (Org). Observatório da vida estudantil: primeiros estudos (pp. 93-113). Salvador: Edufba.
Pereira, M. R. (2016). O nome atual do mal-estar docente. Belo Horizonte: Fino Traço.
Pereira, M. R. (2019, abril/junho). Será mesmo que o magistério atual é formado pela “seleção dos péssimos”? Educação Temática Digital, 2 (21), 333-347. doi: 10.20396/etd.v21i2.8650480.
Quinet, A. (2009). As 4 + 1 condições de análise (12a ed.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1991).
Roudinesco, E. (2000). Por que a psicanálise? (Vera Ribeiro, trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1999).
Santos, B. de S. (2020). A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Edições Almedina. ISBN 978-972-40-8496-1.
Teixeira, A. (2010). A função das universidades. In A. Teixeira, Educação e Universidade. Rio de Janeiro: UFRJ. (Trabalho original publicado em 1935).
Voltolini, R. (2018). Psicanálise e formação de professores: antiformação docente. São Paulo: Zagodoni.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Brandão Neto, B. R., & Ornellas, M. de L. S. (2020). Segregação do desejo na “escolha” profissional e seus impasses subjetivos no trabalho docente. Estilos Da Clinica, 25(3), 407-422. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p407-422