A controversa democratização do acesso ao ensino superior privado

o que dizem os professores na berlinda

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p423-438

Palavras-chave:

democratização, mercantilização do ensino universitário, universidade privada, professores, laço formativo perverso

Resumo

É controversa a luta pela redução da desigualdade social por meio do acesso, dito democrático, ao ensino superior, sobretudo, privado. As instituições de ensino superior privadas de caráter quase mercantil pertencentes, hoje, aos grandes conglomerados educacionais, transformaram a formação universitária em um grande negócio lucrativo, cujo sistema de exploração inclui professores e alunos ao exigir de ambos uma cumplicidade perversa. Em entrevistas realizadas com professores universitários do contexto privado, eles revelam dramas e impasses submetidos ao ethos corporativo aplicado ao ensino, que exige do mestre a negação de sua experiência e de sua autoridade enunciativa. Assim, em nome da sobrevivência do mercado educacional, o professor aliena a sua subjetividade e torna-se instrumento a serviço da rentabilidade da privatização. A pesquisa aponta para a necessidade de revisão das políticas públicas de acesso à universidade e das formas de contratos de trabalho precários para os docentes.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isael Sena, Université Paris 8 Vincennes - Saint-Denis

Psicólogo e psicanalista. Pós-doutorando pela Université Paris 8 Vincennes - Saint-Denis, França.

Referências

Abraham, T. (1997). O neoliberalismo quer ser sociável e se maquia. In R. Goldenberg (Org.). Goza!: capitalismo, globalização e psicanálise (pp.51-60). Salvador, BA: Ágalma.

Alcadipani, R. (2011). Academia e a fábrica de sardinhas. O&S Salvador, 18 (57), 345-348.

Almeida, F. Naomar; (2010). Educação superior em Lula x FHC: a prova dos números. Recuperado de https://www.cartamaior.com.br

Brasil. Censo Escolar 2018: Principais resultados. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Recuperado de http://inep.gov.br/educacao.

Bellangé, V. (2007). À consommer avec modération. La Revue Lacanienne, (3), 22-26.

Bourdieu, P., & Champagne, P. (2008). Os excluídos do interior. In P. Bourdieu (Org.), A miséria do mundo (Azevedo et al, trads., pp. 481-486). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1993).

Calligaris, C. (1991). A sedução totalitária. In L. T de Aragão., C. Calligaris., J.F, Costa., & O, Souza. (Orgs.). Clínica do social: ensaios (pp. 105-118). São Paulo, SP: Escuta.

Calligaris, C. (1986). Perversão – Um Laço Social? Salvador, BA: Coorperativa Cultural Jacques Lacan.

Carvalho, J. S. F. (2017). Educação, uma herança sem testamento: diálogos com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo, SP: Perspectiva-FAPESP.

Cathelineau, P-C. (2019). L’economie de la jouissance. Paris: Editions EME.

Diniz-Pereira, J. E. (2015). A situação atual dos cursos de licenciatura no Brasil frente à hegemonia da educação mercantil e empresarial. Revista Eletrônica de Educação, 9, (3), 273-280. doi: http://dx.doi.org/10.14244/198271991355

Dunker, C. I. L. (2015). Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo, SP: Boitempo.

Figueiredo, L. C. M. (2000). Sobre pais e irmãos: Mazelas da democracia no Brasil. In M. R. Kehl (Org.), Função fraterna (pp. 132-156). Rio de Janeiro, RJ: Relume-Dumará.

Freud, S. (1996). Totem e tabu. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud. (James Strachey, trad., Vol 13, pp. 13-162). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Texto original publicado em 1913).

Freud, S. (1996). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras completas de Sigmund Freud (James Strachey, trad., Vol. 7, pp. 119-231). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1905).

Kehl, M. R. (2002). Quem tem moral com os adolescentes?: Duas hipóteses sobre a crise na educação no século XXI. Trabalho apresentado no Colóquio do Lepsi, (4). Recuperado de http://www.proceedings.scielo.br/scielo.

Kehl, M. R. (2000). A fratria órfã: o esforço civilizatório do rap na periferia de São Paulo. In M. R. Kehl, (Org.), Função fraterna (pp.209-244). Rio de Janeiro, RJ: Relume Dumará.

Lacan, J. J. (1992). O seminário, livro 17: O avesso da psicanálise. (Ary Roitman, trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Apresentação oral em 1969-1970, publicação original em 1991).

Lajonquière, L. (2018). As ilusões (psico)pedagógicas e o sonho de uma escola para todos. In M. E, Arreguy., M. B, Coelho & S, Cabral (Orgs.), Racismo, capitalismo e subjetividade: Leituras psicanalíticas e filosóficas (pp. 59-69). Rio de Janeiro, RJ: EDUFF.

Lajonquière, L. (2013). Figures de l’infantile: La psychanalyse dans la vie quotidienne auprès des enfants. Paris: L’Harmattan/FAPESP (Trabalho original publicado em 2010).

Lajonquière, L. (2011a). Três notas e um epílogo sobre escola, escrita e inclusão. In M. F. Lier-Devitto, & L. Arantes (Orgs.), Faces da escrita: linguagem, clínica, escola (pp.189-199). Campinas, SP: Mercado das Letras.

Lajonquière, L. (2011b). A maestria da palavra e a formação de professores. Eduação & Realidade, 36(3), 849-865. doi: https://doi.org/10.1590/S2175-62362013000200006.

Lajonquière, L. (2009). Infância e ilusão (psico)pedagógica: escritos de psicanálise e educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lebrun, J. P. (2019). Où est passée la perversion? Recuperado de https://www.freud-lacan.com/getpagedocument/27770.

Leite, R. (2000, 1 de outubro). As sete pragas da universidade revisitadas. Folha de S. Paulo, São Paulo, Caderno Opinião.

Lo Bianco, A. C. (2010). O saber inconsciente e o saber que se sabe nos dias de hoje. Ágora, 13(2), 165-173.

Pereira, M. R. (2019). Será mesmo que o magistério atual é formado pela “seleção dos péssimos”? ETD - Educação Temática Digital. 21(2), 333-347. doi: https://doi.org/10.20396/etd.v21i2.8650480

Pereira, M. R., & Gurski, R. A. (2019). A adolescência generalizada como efeito do discurso do capitalista e da adultez erodida. Psicologia & Sociedade, 26(2), 376-383. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000200014

Pimenta, S. G., & Anastasiou, L. G. C. (2010). Docência no ensino superior. São Paulo, SP: Cortez.

Racamier, P. C. (2010). L’inceste et l’incestuel. Paris: Dunon.

Santos, B. de S. (2011). A encruzilhada da universidade europeia. Ensino Superior: Revista do SNESup, (41). 1-8. Recuperado de http://www.snesup.pt

Helena, S. (2011). O setor privado de ensino superior no Brasil: continuidades e transformações. Revista Ensino Superior Unicamp. Recuperado de https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/artigos/

Sampaio, S. M. R. (2011). Observatório da vida estudantil: primeiros estudos. Salvador, BA: EDUFBA.

Sena, I. J. (2020). Os impasses do ensino superior privado brasileiro: o professor e a perversão do laço formativo [Atualidades]. Estilos da Clínica, 25(1), 188-189. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i1p188-189

Teixeira, C. F, & Almeida, S. F. C. de (2016). A Nova Ordem Simbólica e suas repercussões na função docente no Ensino Superior. In C. P. de Medeiros & S. F. C de Almeida (Orgs.). Psicanálise implicada: educar e tratar o sujeito (pp. 65-89). Curitiba, PR: Juruá.

Teixeira, C. C. F. (2013). A nova ordem simbólica e suas repercussões na função docente, no ensino superior. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Zilles, U, & Quadros, O. J. (1993). Identidade, desafios e futuro das Universidades Católicas. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS.

Voltolini, R. (2019). Escola consumida ou consumada? Estilos da Clínica, 24(1), 1-3. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i1p1-3

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Sena, I. (2020). A controversa democratização do acesso ao ensino superior privado: o que dizem os professores na berlinda. Estilos Da Clinica, 25(3), 423-438. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p423-438