Infâncias imigrantes, silêncios e fronteiras do cuidado em um CAPS infantojuvenil

Autores

  • Julia Hatakeyama Joia Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p145-159

Palavras-chave:

Saúde mental pública, Imigração boliviana, Crianças, Silenciamento

Resumo

O trabalho aborda o cuidado em saúde mental de crianças de famílias bolivianas em um CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) Infantojuvenil em São Paulo. Essas crianças apresentam dificuldades na aquisição da fala e na interação social, e são encaminhadas majoritariamente pelas escolas. A apresentação de vinhetas clínicas buscará articular suas histórias ao contexto de imigração, às rupturas nas transmissões familiares, vivências de desamparo e estratégias de enfrentamento de um lugar social desqualificado. Discute-se a tendência à redução de tais impasses ao diagnóstico de autismo, cristalizando uma compreensão reducionista e dificultando a diferenciação e singularização dos casos. O silêncio dessas crianças e de suas famílias é entendido como efeitos dos abalos nas transmissões familiares, mas também como formas de resistência à submissão cultural e identitária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julia Hatakeyama Joia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Psicóloga do Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil Mooca Giravida. Mestre pelo Programa de Psicologia Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. E-mail: julia.joia@gmail.com

Referências

Bernardino, L. M. F. (2017). Da babá “catódica” aos duplos virtuais: os novos “outros” da infância contemporânea. In A. Baptista & J. Jerusalinsky (Orgs.), Intoxicações eletrônicas: o sujeito na era das relações virtuais (pp. 146-165). Salvador, BA: Ágalma.

Bezerra, C., Martins Borges, L. & Pereira Cunha, M. (2019, agosto). Filhos das fronteiras: revisão de literatura sobre imigração involuntária, infância e saúde mental. CES Psicologia, 12(2), 26-40. doi: https://doi.org/10.21615/cesp.12.2.3

Branco-Pereira, A. B. (2019). Viajantes do tempo: imigrantes-refugiadas, saúde mental, cultura e racismo na cidade de São Paulo. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Brandalise, V. H. (2017, 19 de março). Autista não: imigrante. O Estado de São Paulo [online]. Recuperado de: http://www.estadao.com.br.

Brito, G. (2014, 07 de janeiro). Fluxos migratórios recentes já somam novos traços a São Paulo. Rede Brasil Atual [online]. Recuperado de: https://www.redebrasilatual.com.br/

Crafa, D. (2017). Migration and Autism diagnosis. In M. Fitzgerald & J. Yip (Eds.), Autism: paradigms, recent research and clinical applications. [online]. Cap. 5. IntechOpen. doi: 10.5772/65981 https://www.intechopen.com/books/autism-paradigms-recent-research-and-clinical-applications/migration-and-autism-diagnosis

Freitas, M. & Silva, A. (2015, julho/setembro). Crianças bolivianas na educação infantil de São Paulo: adaptação, vulnerabilidades e tensões. Cadernos de Pesquisa, 45(157), 680-702. doi: https://doi.org/10.1590/198053143246.

Freud, S. (1919/2010). O inquietante. In S. Freud, Obras completas. Vol. 14. São Paulo: Companhia das Letras.

Giraud, F. & Moro, M. R. (2004). Parentalidade e migrações. In A. Solis-Ponton & M. C. Pereira da Silva, Ser pai, ser mãe – parentalidade: um desafio para o terceiro milênio (pp. 203-209). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Guarido, R. (2007, janeiro/abril). A medicalização do sofrimento psíquico: considerações sobre o discurso psiquiátrico e seus efeitos na Educação. Educação e Pesquisa, 33(1), 151-161.

Jerusalinsky, J. (2011). Jogos de litoral na direção do tratamento de crianças em estados autísticos. Revista da Associação Psicanalítica de Curitiba, (22), 77-89.

Katz, I. (2019). Infâncias: uma questão para a psicanálise. In L. Surjus & M. A. Moysés (Orgs.), Saúde mental infantojuvenil: territórios, políticas e clínicas de resistência (pp. 85-97). Santos: Unifesp; Abrasme.

Koltai, C. (2000). Política e psicanálise: o estrangeiro. São Paulo: Escuta.

Magalhães, L. F. A., Bógus, L. M. M. & Baeninger, R. (2018). Migrantes haitianos e bolivianos na cidade de São Paulo: transformações econômicas e territorialidades migrantes. REMHU, Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana [online], 26(52), 75-94.doi: https://doi.org/10.1590/1980-85852503880005205.

Masella, A. P. I. (2019). Diferença cultural, políticas e representações sobre inclusão escolar de imigrantes bolivianos no município de São Paulo. (Dissertação de mestrado em Educação: Currículo), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. Recuperado de https://tede2.pucsp.br/handle/handle/22782

Moro, M. R. (2015). Psicoterapia transcultural da migração. Psicologia USP, 26(2), 186-192. doi: https://doi.org/10.1590/0103-6564D20140017

Novaro, G., Borton, L., Diez, M. L. & Hecht, A. C. (2008). Sonidos del silencio, voces silenciadas: niños indígenas y migrantes en escuelas de Buenos Aires. Revista Mexicana de Investigación Educativa, 13(36), 173-201. Recupero de https://www.redalyc.org/pdf/140/14003608.pdf

Paixão, M. (2020, 27 de janeiro). Dedos amputados e atraso no aprendizado: o drama de bebês criados em oficinas de costura. Reporter Brasil [online]. Recuperado de http:reporterbrasil.org.br.

Primo, J. S., & Rosa, M. D. (2019). Fronteiras invisíveis: alteridade e lugares discursivos. Culturas e Fronteiras, 1(1), 24-42. Recuperado de https://www.periodicos.unir.br/index.php/culturaefronteiras/article/view/4475/pdf

Rosa, M. D. (2016). A clínica psicanalítica em face da dimensão sociopolítica do sofrimento. São Paulo: Escuta; Fapesp.

Rosa, M. D., Berta, S. & Carignato, T. (2009). A condição errante do desejo: os imigrantes, migrantes, refugiados e a prática psicanalítica clínico-política. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 12(3), 497-511. doi: https://doi.org/10.1590/S1415-47142009000300006

Rosa, M. D.; Penha, D. A. & Ferreira, P. D. (2018). Intolerância: fronteiras e psicanálise. Revista Subjetividades, número especial, 105-113. doi:https://doi.org/10.5020/23590777.rs.v18iEsp.6739

Seincman, P. (2019). Rede transferencial e a clínica migrante: psicanálise em urgência social. São Paulo: Escuta.

Tobace, E. (2016, 10 de julho). O que pode estar por trás do alto índice de autismo entre crianças brasileiras no Japão? BBC News Brasil [online]. Recuperado de https://www.bbc.com/portuguese/internacional-36580919

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Joia, J. H. (2021). Infâncias imigrantes, silêncios e fronteiras do cuidado em um CAPS infantojuvenil. Estilos Da Clinica, 26(1), 145-159. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p145-159