Pandemia, corpo, virtualidades: reflexões psicanalíticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i2p192-203

Palavras-chave:

virtualidades, corpo, pandemia, coronavírus

Resumo

A sociedade sofre os impactos da experiência pandêmica que deixa seus rastros nos objetos, nas superfícies e nos corpos. O objetivo deste trabalho é o de tecer reflexões especulativas acerca do momento atual de pandemia do novo coronavírus e a necessidade de se manter o distanciamento social, com medidas mais ou menos rígidas de quarentena. Para tanto, teremos como chaves de leitura principais a saída para o mundo virtual, quando o mundo real se encontra interditado, e a dimensão corporal, afetada pela possibilidade do contágio e pelo isolamento. Nossa intenção não é esgotar o assunto, ou apresentar respostas, mas construir um olhar para o atual cenário de pandemia que traga a potência psicanalítica de singularizar o sujeito sem abrir mão de seu contexto sócio-histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jacqueline de Oliveira Moreira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUCMinas), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Bianca Ferreira Rodrigues, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Doutoranda em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUCMinas), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Marcelo Ricardo Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Educação

Docente do Programa de Pós-Graduação e do Departamento de Ciências Aplicadas da Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Referências

BBC News Brasil (2020). Coronavírus: 'Sou grata por poder respirar': os relatos de pessoas que se recuperaram. Recuperado de https://www.bbc.com/portuguese/internacional-52295764

Bezerra Jr., B. (2020, set). Tecnologias digitais, subjetividade e psicopatologia: possíveis impactos da pandemia. Rev. latinoam. psicopatol. fundam. São Paulo, 23(3), 495-508. doi: https://doi.org/10.1590/1415-4714.2020v23n3p495.4

Butler, J. (2020, 04 de maio). O luto é um ato político em meio à pandemia e suas disparidades [Entrevista cedida a George Yancy]. Tradução de César Locatelli. Carta Maior. Recuperado de https://www.cartamaior.com.br/?%2FEditoria%2FPelo-Mundo%2FJudith-Butler-O-luto-e-um-ato-politico-em-meio-a-pandemia-e-suas-disparidades%2F6%2F47390#.XrSetWiIhAU.facebook

Dufour, D. R. (2005). A arte de reduzir as cabeças – sobre a nova servidão na sociedade ultraliberal. Rio de Janeiro, RJ: Companhia de Freud.

Elia, L. (1995). Corpo e sexualidade em Freud e Lacan. Rio de Janeiro, RJ: Uapê.

Fernandes, M. H. (2011). Corpo. 4. Ed. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo. (Coleção clínica psicanalítica / dirigida por Flávio Carvalho Ferraz).

Freud, S. (1976a) Três ensaios sobre a sexualidade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. VII: Um caso de histeria, Três ensaios sobre a sexualidade e outros trabalhos, pp. 118-216. Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1905).

Freud, S. (1976b) Os instintos e suas vicissitudes. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XIV: A história do movimento psicanalítico, artigos sobre metapsicologia e outros trabalhos, pp. 129-163). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1915).

Freud, S. (1976c). O ego e o id. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XIX: O Ego e o Id e outros trabalhos (1923-1925), J. Salomão, trad., J. Strachey, ed., pp. 13-83). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1923).

Freud, S. (1976d). O Mal-estar na Cultura. S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XXI: O futuro de uma ilusão, Mal-estar na civilização e outros trabalhos. J. Salomão, trad., J. Strachey, ed., pp. 75-174). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1930 [1929]).

Freud, S. (1990a). Sobre os fundamentos para destacar da neurastenia uma síndrome específica denominada “neurose de angústia”. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. (Vol. 3, pp. 87-114). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1895[1894]).

Freud, S. (1990b). Psicologia das massas e análise do ego. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 18, pp. 89-179). Rio de Janeiro: Imago. (Trabalho original publicado em 1921).

Harvey, D. (2006). Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 15. ed. Tradução de Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. Rio de Janeiro: Edições Loyola. (Trabalho original publicado em 1989).

Huxley, A. (2001). Admirável mundo novo. São Paulo: Globo. (Trabalho original publicado em 1932).

Kallas, M. B. L. de M. (2016). O sujeito contemporâneo, o mundo virtual e a psicanálise. Reverso, 38(71), 55-64.

Lacan, J. (1998). Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In Escritos. Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1953).

Lasch, C. (1983). A cultura do narcisismo. Rio de Janeiro: Imago.

Lemma, A. (2015). A psicanálise em tempos de tecnocultura: algumas reflexões sobre o destino do corpo no espaço virtual. Revista Brasileira de Psicanálise, 49(1), 67-84.

Lima, N. L. de; Barcelos, N. S.; Berni, J. T.; Casula, K. de A.; Ferreira, L. P. M.; Figueiredo, E. R. F.; Maciel, K. N.; Nunes, M. C. F. & Otoni, M. S. (2015). Psicanálise, educação e redes sociais virtuais: escutando os adolescentes na escola. Estilos da clínica, 20(3), 421-440. doi: http://dxdoi.org/10.11606/issn.1981-1624.v20i3p421-440

Luz, A. B. (2015). Oi. Q horas mesmo ficou nossa sessão? tks. Revista Brasileira de Psicanálise, 49(1), 165-175.

Menezes, L. S. (2005). Pânico e desamparo na atualidade. Ágora, 8(2), 193-206. doi: https://doi.org/10.1590/S1516-14982005000200003

Moreira, W.W. (1998). Corporeidade e a busca de novas palavras para o saber: uma das tarefas da Educação Motora (pp. 143-149). Anais, 1. Congresso Latino Americano de Educação Motora, 2. Congresso Brasileiro de Educação Motora, 1998, Foz do Iguaçu, PR.

Moreira, J. O. O. (2006). As faces do trauma na contemporaneidade: a dialética do dizível e do indizível no transtorno do pânico, uma lacuna na história. Revista Subjetividades, 6(1), 67-84.

Pereira, M. E. C. (2000). Pânico e desamparo: aspectos teóricos e clínicos do manejo da situação analítica com pacientes com transtorno de pânico. Psicanálise, 2(1), 181-202.

Pereira, M. R. (2016). O nome atual do mal-estar docente. Belo Horizonte: Fino Traço/Fapemig.

Renders, P.-P. (Diretor). (2000). Apaixonado Thomas.

Ribeiro, M. M. C. (2009). Neurose de angústia e transtorno de pânico. Reverso, 31(58), 43-52.

Ribeiro, E. G.; Souza, E. L.; Nogueira, J. O. & Eler, R. (2020). Saúde Mental na Perspectiva do Enfrentamento à COVID-19: Manejo das Consequências Relacionadas ao Isolamento Social. Revista Enfermagem e Saúde Coletiva-REVESC, 5(1), 47-57.

Sabadin, C. (2009). Apaixonado Thomas: crítica. Recuperado de https://cineclick.uol.com.br/criticas/apaixonado-thomas

Sennet, R. (1988). O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo, SP: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1974).

Verztman, J. & Romão-Dias, D. (2020). Catástrofe, luto e esperança: o trabalho psicanalítico na pandemia de COVID-19. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 23(2), 269-290. doi: https://doi.org/10.1590/1415-4714.2020v23n2p269.7

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

Moreira, J. de O., Rodrigues, B. F., & Pereira, M. R. (2021). Pandemia, corpo, virtualidades: reflexões psicanalíticas. Estilos Da Clinica, 26(2), 192-203. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i2p192-203