Orientação educacional com psicanálise: um lugar de escuta em tempos de escola remota

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p29-43

Palavras-chave:

Psicanálise, Orientação educacional, Ensino remoto, Escuta, Parentalidade

Resumo

O presente artigo traz, a partir da análise das falas dos atendimentos realizados pela orientação educacional no período de ensino remoto, efeitos e reflexões que um espaço de escuta pode produzir durante a pandemia de COVID-19. De modo virtual, a busca pelo Serviço de Orientação Educacional seguiu acontecendo, e trouxe pontos que nos são caros para pensar a parentalidade na atualidade. À luz da psicanálise, discute-se dois apontamentos a partir dos atendimentos realizados: o primeiro localiza-se justamente na demanda que é levada à escola, sinalizando um apelo ao saber sobre a criança à quem supõe-se saber sobre toda criança. O segundo diz respeito ao discurso dos pais sobre o filho - que revela algo para além daquilo que se apresenta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iris Ramos Lacava Ferraz, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Orientadora educacional. Mestre em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasi

Referências

Brasil. Ministério da Educação (2020). Base Nacional Comum Curricular: Educação é a base. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf.

Dolto, F. (2005). A causa das crianças (I. Storniolo & Y. M. C. T. da Silva, trads.). Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Freitas, F. M.; Silva, J. A. da; & Leite, M. C. L. (2018). Diretrizes invisíveis e regras distributivas nas políticas curriculares da nova BNCC. Currículo sem Fronteiras, 18, (3), 857-870 https://www.curriculosemfronteiras.org/vol18iss3articles/freitas-silva-leite.pdf

Freud, S. (1996). Prefácio a Juventude desorientada, de Aichhorn. In S. Freud, Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad, Vol. XIX, pp.339-343). Rio de Janeiro, RJ: Imago (Trabalho original publicado em 1925).

Grinspun, M. P. S. Z. (2011). A orientação educacional: conflito de paradigmas e alternativas para a escola. São Paulo, SP: Cortez.

Jerusalinsky, J. (2017). Que rede nos sustenta no balanço da web? – o sujeito na era das relações virtuais. In A. Baptistas & J. Jerusalinsky (Orgs.), Intoxicações eletrônicas: o sujeito na era das relações digitais (pp. 13-38). Salvador, BA: Álgama.

Lacan, J. (2008). Do sujeito suposto saber, da díade primeira e do bem. In J. Lacan, O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise, 1964; texto estabelecido por Jacques-Alain Miller; [tradução M. D. Magno]. Rio de Janeiro, RJ: Zahar,

Lacan, J. (1998). Duas notas sobre a criança. In J. Lacan, Escritos (V. Ribeiro, trad., pp. 369-370). Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1969).

Pereira, M. R. (2008) A impostura do mestre. Belo Horizonte, MG: Editora Argvmentvm.

Santiago, A. L. (2015). A dessuposição de saber na escola: aluno-problema e outras nomeações. In A. L Santiago & R. M. de Assis, O que esse menino tem?: sobre alunos que não aprendem e a intervenção da psicanálise na escola (pp. 15-21). Belo Horizonte, MG: Editora Sintoma.

Voltolini, R. (2011). Educação e psicanálise. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Voltolini, R. (2016). Prefácio a Crianças públicas, adultos privados. In: R. Voltolini (org.), Crianças públicas, adultos privados (pp. 7-12) – São Paulo, SP: Escuta / Fapesp.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Ferraz, I. R. L. . (2021). Orientação educacional com psicanálise: um lugar de escuta em tempos de escola remota. Estilos Da Clinica, 26(1), 29-43. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p29-43