Ilusão, criatividade e paradoxo: pré-condições para a capacidade de brincar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v27i2p204-216

Palavras-chave:

brincar, criatividade, ilusão, paradoxo

Resumo

Inscrevendo-se de maneira singular na tradição psicanalítica, Winnicott estabelece uma situação de observação padronizada de bebês em que o brincar surge como critério diagnóstico e terapêutico para o desenvolvimento infantil. Esta observação passa a operar como uma matriz do pensamento winnicottiano, a partir da qual será elaborada a teoria do desenvolvimento emocional primitivo. O presente artigo busca destacar quais seriam as precondições para o desenvolvimento da capacidade de brincar do bebê humano, identificando alguns pontos de continuidade e inflexão com relação à teorização freudo-kleiniana sobre o brincar e o desenvolvimento emocional da criança: as relações entre a critividade, ilusão e o paradoxo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilia Velano, Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia

Psicóloga e psicanalista. Doutora em Psicología pela Universidade de São Paulo, Professora do Departamento de Psicanálise com Criança do Instituto Sedes Sapientiae, São Paulo, SP, Brasil.

 

 

 

 

Leopoldo Fulgencio, Universidade de São Paulo, Instituto de Psicologia

Professor Livre Docente do Instituto de Psicología da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Abram, J., & Hinshelwood, R. D. (2018). The clinical paradigms of Melanie Klein and Donald Winnicott. Comparations and dialogues. Routledge.

Dias, E. O. (2003). A teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott. Rio de Janeiro: Imago Editora.

Freud, S. (1908e). Escritores criativos e devaneio. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas de Sigmund Freud (J. Salomão, Trad., Vol. 9, pp. 149-158). Imago.

Fulgencio, L. (2013). A situação do narcisismo primário. Revista Brasileira de Psicanálise, 47(3), 131-142.

Fulgencio, L. (2016). Os narcisismos e a sexualidade: da experiência narcísica de ser à experiência de investir libidinalmente o eu e os objetos. In J. Birman, L. Fulgencio, D. Kupermann & E. L. Cunha (Eds.), Amar a si mesmo e amar o outro. Narcisismo e sexualidade na psicanálise contemporânea (pp. 215-224). Zagodoni.

Fulgencio, L. (2020). Psicanálise do Ser. A teoria winnicottiana do desenvolvimento emocional como uma psicologia de base fenomenológica. Edusp-Fapesp.

Garcia, C. (2007). O conceito de ilusão em psicanálise: estado ideal ou espaço potencial? Estudos de Psicologia, 12 (2), 169-175.

Kavalier-Adler, S. (2014). The Klein-Winnicott dialectic. Transformative new metapsychology and interactive clinical theory. Karnac Books.

Klein, M. (1955). A técnica psicanalítica através do brincar: sua história e significado Obras completas de Melanie Klein (Volume III. Inveja e gratidão e outros trabalhos 1946-1963) (pp. 149-168). Imago.

Likierman, M. (2008). Donald Winnicott and Melanie Klein: compatible outlooks? In L. Caldwell (Ed.), Winnicott and the psychoanalytic tradition. Karnac Books.

Loparic, Z. (2006). De Freud a Winnicott: aspectos de uma mudança paradigmática. Revista de Filosofia e Psicanálise Natureza Humana, 8 (Especial 1), 21-47.

Phillips, A. (2007). Winnicott. Idéias e Letras.

Roussillon, R. (1991). Paradoxos e situações limites da psicanálise. São Leopoldo. Unisinos.

Safra, G. (1999). A clínica em Winnicott. Natureza humana, 1, 91-101.

Safra, G. (Producer). (2006). Do holding à sustentação da experiência de si: entre o ser e o não-ser. Módulo I.

Winnicott, D. W. (2000a). O apetite e os problemas emocionais Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas (pp. 91-111). Imago. (Trabalho original publicado em 1958)

Winnicott, D. W. (2000b). A observação de bebês numa situação padronizada. Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas (pp. 112-132). Imago. (Trabalho original publicado em 1941)

Winnicott, D. W. (2000c). Desenvolvimento emocional primitivo. Da pediatria à psicanálise: obras escolhidas (pp. 218-232). Imago. (Trabalho original publicado em 1945)

Winnicott, D. W. (1983a). Enfoque pessoal da contribuição Kleiniana O ambiente e os processos de maturação (pp. 156-162). Artmed. (Trabalho original publicado em 1965)

Winnicott, D. W. (1983b). Teoria do relacionamento paterno-infantil. O ambiente e os processos de maturação. (pp. 38-54). Artmed. (Trabalho original publicado em 1960)

Winnicott, D. W. (1999). O conceito de indivíduo saudável Tudo começa em casa (pp. 3-22). Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1971)

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

Velano, M. ., & Fulgencio, L. (2022). Ilusão, criatividade e paradoxo: pré-condições para a capacidade de brincar. Estilos Da Clinica, 27(2), 204-216. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v27i2p204-216

Edição

Seção

Artigos