Adoção tardia, filiação e devolução de crianças: uma realidade brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i2p342-355

Palavras-chave:

adoção, filiação, devolução, realidade brasileira, psicanálise

Resumo

O artigo trata da questão da adoção a partir da experiência de uma das autoras no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Apresenta as formas de adoção presentes na sociedade brasileira – algumas em conformidade com as leis outras realizadas de maneira informal. Examina as vicissitudes da adoção, entre elas os casos conhecidos como de “devolução”. Procura, em seguida, discutir suas consequências para o psiquismo, a partir da psicanálise. Conclui, utilizando fragmentos da clínica, que se trata de escutar os envolvidos – trabalho que envolve a equipe de profissionais – para facilitar os caminhos através dos quais o sujeito venha a fazer para si um lugar e se exercer como sujeito do desejo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Barbara Manfroni Amaral de Souza, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação em Teoria Psicanalítica

Psicanalista. Psicóloga do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, doutoranda do Programa de Pós-graduação em Teoria Psicanalítica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 

Anna Carolina LoBianco, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação em Teoria Psicanalítica

Professora Titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

Bergès-Bounes, M. (2015). Adoption et violence. Le Bulletin Freudien, Revue de l’Association Freudienne de Belgique, (61), 25-32.

Dolto, F., & Hamad, N. (1998). Destinos de crianças. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Freud, S. (1996). Sobre o narcisismo: uma introdução. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 14, pp. 77-113). Rio Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1914).

Leão, F., Martins, B., Faraj, S., Siqueira, A. & Santos, S. (2014). Mulheres que entregam seus filhos para adoção: um estudo documental. Revista Subjetividades, (14), 276-283.

Hamad, N. (2001). Les spécificités du travail à l’Action Sociale de l’Enfance. Association Lacanienne Internationale (ALI). Recuperado de http://www.freud-lacan.com/getpagedocument/7921

Hamad, N. (2002). A criança adotiva e suas famílias. Rio de Janeiro, RJ: Companhia de Freud.

Hamad, N., & Melman, C. (2014). J’ai même rencontré des adoptions heureuses. Paris: Odile Jacob.

Lacan, J. (1995). O seminário, livro 4: As relações de objeto, 1956-1957 (D. D. Estrada, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar

Lei nº 8.069 (1990, 13 de julho). Estatuto da criança e do adolescente (ECA). Brasília, DF. Recuperado de https://crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/mmfdh/eca_atualizado_mmfdh_2019.pdf

Levy, L., Pinho, P., & Faria, M. (2009). “Família é muito sofrimento”: um estudo de casos de devolução de crianças. Revista Psico, (40), 58-63.

Mabille, S.-N. (2015). L’adoption: une histoire à se raconteur. Le Bulletin Freudien, Revue de l’Association Freudienne de Belgique, (61), 13-24.

Sciara, L. (2015) Enfants adoptés, enfants placés: les tourments de la filiation. Le Bulletin Freudien, Revue de l’Association Freudienne de Belgique (61), 55-66.

Silva, M. P., Guimaraes, F. L., & Pereira, S. K. (2013). Caminhos para adoção. In F. Gadelha (Org.), Fortalecimento da Rede Nacional de Apoio à Adoção: tecnologias sociais para promoção do direito à convivência familiar e comunitária. Brasília, DF: Semear.

Silva, M. & Kobori, E. (Orgs.) (2015). Programa de Formação para os Núcleos de Preparação para Adoção e Apadrinhamento Afetivo. Brasília, DF: Aconchego/Secretaria de Direitos Humanos do Governo Federal.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

Souza, B. M. A. de, & LoBianco, A. C. (2021). Adoção tardia, filiação e devolução de crianças: uma realidade brasileira. Estilos Da Clinica, 26(2), 342-355. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i2p342-355