Não é somente sobre Kevin que precisamos falar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v27i2p233-248

Palavras-chave:

psicanálise, sedução, trauma psíquico

Resumo

O objetivo deste estudo consiste em apresentar uma análise do filme Precisamos falar sobre Kevin, partindo das reflexões teóricas de Jean Laplanche sobre a teoria da sedução generalizada. O artigo apresenta as contribuições teóricas do autor e de seus seguidores, principalmente no que diz respeito às mensagens enigmáticas e à construção de um modelo tópico e unificado do aparelho psíquico. A análise do filme permitiu chamar a atenção para os efeitos das vicissitudes da sedução, explorando as especificidades presentes na comunicação entre o adulto e a criança que repercutem sobre as possibilidades de tradução das mensagens enigmáticas e seus efeitos na constituição do psiquismo. Verifica-se a fecundidade do aporte teórico na compreensão do trauma psíquico infantil, uma vez que as consequências deste encontro assimétrico podem ser devastadoras e desorganizadoras, conforme elucidado pela história de Kevin.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Kioko Sonoda Gomes, Universidade Estadual de Londrina

Psicóloga. Mestre em Psicologia pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR, Brasil.

Viviana Carola Velasco Martinez, Universidade Estadual de Maringá

Professora Doutora do Departamento de Psicologia e coordenadora do Laboratório de Estudos e Pesquisa em Psicanálise e Civilização (LEPPSIC) da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, PR, Brasil.

Referências

Alonso, S. L. (2016). Biografia de Jean Laplanche. Revista Percurso, 56/57. Recuperado de http://www.bivipsi.org/wp-content/uploads/percurso-2016-56-57-1.pdf

Anchieta, W. (2019). Limites da experiência estética: as cores e cinema narrativo. Significação, 51, 190-208. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-7114.sig.2019.150259

Bleichmar, S. (2005). Clínica psicanalítica e neogênese (A. B. de Mello, H. Vetorazzo & M. C. Perdomo, trads.). AnnaBlume.

Bleichmar, S. (2009). La fundación de lo inconsciente: destinos de pulsión, destinos del sujeto. Amorrortu.

Bleichmar, S. (2015). Simbolização de transição: uma clínica aberta ao real. In: Do motivo de consulta à razão de análise e outros ensaios psicanalíticos (R. C. Brandini & M. C. Perdomo, trads., pp. 31-58). Zagodoni.

Cardoso, M. R. (2017). Repensando o trauma e o intraduzível com Jean Laplanche. In: Ribeiro, P. C., Carvalho, M.T.M., Cardoso, M.R. & Tarelho, L.C (2017). Por que Laplanche? Zagodoni.

Carvalho, M. T. de M. (2016). O universo mito-simbólico ante a curiosidade sexual das crianças. Revista Percurso, 56/57 Recuperado de http://www.bivipsi.org/wp-content/uploads/percurso-2016-56-57-10.pdf

Conte, R. F., & Benini, R. T. (2019). A Psicanálise vai ao cinema: relações entre a linguagem do sonho e a da sétima arte. Analytica: Revista de Psicanálise, 8(15), 1-25. Recuperado de http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/analytica/article/view/3190/2332

Costa, P. J., & Conde, A. F. C. (2019). Perspectivas metodológicas na investigação psicanalítica envolvendo Mitologia: algumas discussões. Perspectivas en Psicología, 16(1), 48-58. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7043466

Ferreira, M. P. (2015). Transtornos da excreção: enurese e encoprese. Casa do Psicólogo.

Ferreira, M. Z., & Mello Neto, G. A. R. (2017). Vivências de abuso sexual incestuoso: traduções possíveis. Revista brasileira de psicanálise, 179-193. Recuperado de https://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/04/881909/mariane-zanella-ferreira2.pdf

Gerbasi, G. L. B. S., & da Costa, P. J. (2015). O après-coup e a reconsolidação da memória. Psicologia USP, 26(1), 80-89. Doi: https://doi.org/10.1590/0103-656420130014

Green, A. (1994). O desligamento: psicanálise, antropologia e literatura. Imago.

Laplanche, J. (1992). Novos fundamentos para a psicanálise. Martins Fontes (Trabalho original publicado em 1987).

Laplanche, J. (1997). Implantation, intromission. In: J. Laplanche, Le primat de láutre em psychanalyse: Travaux 1967-1992 (2ª ed., pp. 355-358). Flammarion.

Laplanche, J. (2001). Notas sobre el Aprés-coup. In: Entre seducción e Inspiración: el Hombre (pp. 53-60). (1 ed.). (J. Agoff, Trad.). Amorrortu.

Laplanche, J. (2003). Três acepções da palavra “inconsciente” no quadro da Teoria da Sedução Generalizada. Revista de Psicanálise, 10(3), 403-418.

Lattanzio, F. F. (2018). Uma abordagem continuísta da psicopatologia psicanalítica: um percurso por Freud, Lacan e a teoria da sedução generalizada de Jean Laplanche (Tese de Doutorado). Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. Recuperado de http://hdl.handle.net/1843/BUOS-B5FPMQ

Mano, G. C. de M., & Weinmann, A. de O. (2019). Cinema e psicanálise: o silêncio de Freud. Psicologia Revista, 28(2), 443-467. Doi : https://doi.org/10.23925/2594-3871.2019v28i2p443-467

Martens, F. (2007). Para una validación socio-clínica de la teoría de la seducción generalizada. ¿Una contribución de los pedófilos belgas? Alter, 3. Recuperado de https://revista-alter.bthemattic.com/files/2014/11/6.-Para-una-validaci%C3%B3n-socio-cl%C3%ADnica-de-la-teor%C3%ADa-de-la-seducci%C3%B3n-generalizada-v.-ALTER.pdf

Said, G. F., Lima, C. C., & Alves, T. M. (2017). Não leia este texto! A escola de Palo Alto e os paradoxos comunicacionais. Comunicologia-Revista de Comunicação da Universidade Católica de Brasília, 10(2), 70-84. Recuperado de file:///Users/user/Downloads/8793-Texto%20do%20artigo-40030-1-10-20171214%20(1).pdf

Shriver, L. (2011). Precisamos falar sobre o Kevin. Intrinseca.

Tarelho, L. C. (2012). A teoria da sedução generalizada de Jean Laplanche e o descentramento do ser humano. Jornal de Psicanálise, 45(83), 97-107. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-58352012000200009&lng=pt&tlng=pt

Tarelho, L. C. (2016). A tópica da clivagem e o supereu. Revista Percurso, 56/ 57. Recuperado de http://www.bivipsi.org/wp-content/uploads/percurso-2016-56-57-15.pdf

Tarelho, L. C. (2019). Paranoia e teoria da sedução generalizada. Zagodoni.

Weinmann, A. de O. (2017). Sobre a análise fílmica psicanalítica. Subjetividades, 17(1), 1-11. Doi: http://dx.doi.org/10.5020/23590777.rs.v17i1.5187

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

Gomes, A. K. S., & Martinez, V. C. V. (2022). Não é somente sobre Kevin que precisamos falar. Estilos Da Clinica, 27(2), 233-248. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v27i2p233-248

Edição

Seção

Artigos