O papel do bebê no processo de acesso à subjetivação

Autores

  • Camila Saboia Université Paris 7; Denis Diderot, França

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v11i21p186-195

Palavras-chave:

Bebê, Intersubjetividade, Subjetivação, Agressividade, Criatividade

Resumo

A imagem do recém-nascido outrora visto como um ser passivo passa a ser substituída pela imagem de um bebê ativo, dotado de capacidades inatas que se manifestam desde suas primeiras interações com o mundo. Essa nova compreensão do bebê nos convida a abordar um tempo primitivo do psiquismo e da formação do inconsciente. Este trabalho deixa de lado a idéia de um inconsciente primitivo para falar da existência de um núcleo narcísico primário, conceito winnicottiano que oferece um novo paradigma que corresponde à idéia desse bebê participativo frente ao processo da subjetivação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-12-01

Como Citar

Saboia, C. (2006). O papel do bebê no processo de acesso à subjetivação. Estilos Da Clinica, 11(21), 186-195. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v11i21p186-195