O método analógico em Freud

Autores

  • Leopoldo Fulgencio Centro Winnicott de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v11i21p204-223

Palavras-chave:

Analogia, Ficção heurística, Ciência, Freud, Kant, Mach

Resumo

Nesta conferência pretendo mostrar que o uso de analogias e comparações do tipo "como se" corresponde a um instrumento heurístico de pesquisa, configurando um procedimento metodológico de pesquisa colocado, por Freud, no quadro das ciências da natureza. O objetivo, no seu uso, é tanto fornecer uma "regra para procurar" quanto dar a certos conceitos ou processos um conteúdo empírico não facilmente apreensível ou, até mesmo, impossível de ser encontrado. Essa concepção sobre a natureza e a função de analogias e comparações do tipo "como se" nas ciências não é uma novidade introduzida por Freud, mas sim uma prática comum nas ciências empíricas, que Freud aprendeu na sua formação como homem de ciência. Nesse sentido, depois de explicitar as concepções de Immanuel Kant e Ernst Mach sobre o uso das analogias e comparações do tipo "como se", procura-se retomar as opiniões de Freud sobre esse tema, mostrando que essas opiniões reiteram as concepções dos autores citados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2006-12-01

Como Citar

Fulgencio, L. (2006). O método analógico em Freud. Estilos Da Clinica, 11(21), 204-223. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v11i21p204-223