A intervenção do psicanalista na clínica com bebês: Rosine Lefort e o caso Nádia

Autores

  • Brenda Rodrigues da Costa Neves Universidade Federal de Minas Gerais
  • Ângela Maria Resende Vorcaro Universidade Federal de Minas Gerais; Departamento de Psicologia e da Pós-graduação

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v15i2p380-399

Palavras-chave:

intervenção precoce, clínica com bebês, agente materno, ato psicanalítico, psicanalista

Resumo

A clínica com crianças pequenas é lugar de muitos questionamentos, principalmente no que se refere à intervenção do psicanalista. A fim de analisarmos questões consideradas decisivas na contribuição para esta clínica optamos por analisar um caso clínico reconhecido, o "Caso Nádia ou o espelho" da psicanalista Rosine Lefort. Procuramos usar o caso como guia de discussão sobre o ato psicanalítico, a função do agente materno, a intervenção precoce, procurando localizar a posição do psicanalista no tratamento com crianças ainda em processo de constituição. Tentamos distinguir o posicionamento do psicanalista de um agenciamento da função materna, destacando pontos em que estas posições se convergem ou se distinguem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-12-01

Como Citar

Neves, B. R. da C., & Vorcaro, Ângela M. R. (2010). A intervenção do psicanalista na clínica com bebês: Rosine Lefort e o caso Nádia. Estilos Da Clinica, 15(2), 380-399. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v15i2p380-399