[1]
D. Kupermann, “Sobre o final da análise com crianças e adolescentes”, Estilos Clín. (Online), vol. 12, nº 23, p. 182-197, dez. 2007.