Descaso e deterioração do lugar de memória no caso da chacina da Candelária no Rio de Janeiro

Autores

  • Guillermo Gumucio Universidade de Mogi das Cruzes
  • Cristina Schmidt Universidade de Mogi das Cruzes

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.145213

Palavras-chave:

Chacina da Candelária, Violência policial, Memória coletiva, Lugar de memória, Memória social

Resumo

O presente estudo de caso visa a explicitar a situação do lugar de memória no caso da Chacina da Candelária, na região central do Rio de Janeiro, com o devido trabalho de campo para registro fotográfico in situ realizado em novembro de 2016. Com fundamentação nos ensinamentos de Nora (1996) e Seixas (2009), é possível constatar como o descaso para com determinados locais da cidade marcados por episódios da mais alta relevância como peças acusatórias do tipo de relação entre a máquina pública e a sua população é prejudicial para a manutenção e propagação da memória social coletiva. Além disso, descrevemos a ocorrência de um processo de suplantação da memória da chacina perpetrada por policiais militares do estado do Rio de Janeiro que vitimou oito pessoas em situação de rua, seis delas menores de idade, com a decisão do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio 2016 de realizar um segundo ato de acender a pira olímpica na Praça Pio X, em frente à Igreja da Candelária, na abertura oficial dos Jogos Olímpicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guillermo Gumucio, Universidade de Mogi das Cruzes

Mestrando do Curso de Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes e professor especialista dos cursos de Comunicação Social e Design Gráfico da Universidade de Mogi das Cruzes.

Cristina Schmidt, Universidade de Mogi das Cruzes

Doutora em comunicação e Semiótica pela PUC-SP; Mestre em Teoria e Ensino em Comunicação pela Metodista-SP, Pós-doutora pela Cátedra UNESCO/Umesp. Coordenadora, professora e pesquisadora do Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes. Coordena o Núcleo de Ciências Sociais Aplicadas da UMC, e o Grupo de Pesquisa Comunicação, Diversidade e Cidadania CNPq/UMC. Atua no Curso de Comunicação e Design da UMC, e no Curso de Administração na Faculdade Bertioga – FABE. Sócia-fundadora da Rede Brasileira de Estudos da Folkcomunicação – Rede Folkcom, e Sócia da Intercom

Referências

ANJOS, Márvio dos. O que significa Vanderlei acender a pira olímpica? O Globo, Rio de Janeiro, 06 ago. 2016. Rio, p. 1.

ANSART, Pierre. História e memória dos ressentimentos. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia (Orgs.). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. 2. ed. Campinas: Unicamp, 2009.

BERGSON, Henri. Matière et mémoire: essai sur la relation du corps à l’esprit. Prefácio e notas Camille Riquier. Paris: Presses Universitaires de France, 2012.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso especial nº 1.334.097 - RJ (2012/0144910-7). Recorrente: Globo Comunicações e Participações S/A. Recorrido: Jurandir Gomes de França. Relator: Ministro Luis Felipe Salomão. Lex: Superior Tribunal de Justiça, Brasília, 2013. Disponível em: <http://midia.pgr.mpf.gov.br/pfdc/hotsites/mpdcom/docs/violacao-direitos-humanos/atuacao%20judicial/resp-1334097-rj-decisao.pdf>. Acesso em: 2 dez. 2016.

CANDIDA, Simone; OUCHANA, Giselle. Tragédia em dia de festa. O Globo, Rio de Janeiro, 06 ago. 2016. Rio, p. 12.

JUNIOR, Gonçalo. Menino da pira do povo fica famoso no Rio de Janeiro. O Estado de São Paulo, São Paulo, 8 ago. 2016. Disponível em: <http://esportes.estadao.com.br/noticias/jogos-olimpicos,menino-da-pira-do-povo-fica-famoso-no-rio-de-janeiro,10000067745>. Acesso em: 22 nov. 2016.

KNOPLOCH, Carol; GALDO, Rafael. Mistério duplo da chama dos jogos. O Globo, Rio de Janeiro, 06 ago. 2016, p. 1-2.

ÔNIBUS 174. Direção: José Padilha. Co-direção: Felipe Lacerda. Produção: José Padilha, Rodrigo Pimentel, Marcos Prado. Roteiro: Bráulio Mantovani, José Padilha. Rio de Janeiro: Zazen Produções, 2002. 1 DVD (120 min.), 1.85:1, son., color.

NORA, Pierre (Org.). Realms of memory: rethinking the French past. Prefácio Lawrence D. Kritzman. Tradução Arthur Goldhammer. Nova Iorque: Columbia University Press, 1996.

NOVAIS, Fernando Antonio. Introdução: para a historiografia da Nova História. In: NOVAIS, Fernando Antonio; SILVA, Ricardo Forastieri da (Orgs.). Nova História em perspectiva. 1. ed. vol. 1. São Paulo: Cosac Naify, 2011, p. 06-70.

SEIXAS, Jacy Alves de. Percursos de memórias em terras de história: problemáticas atuais. In: BRESCIANI, Stella; NAXARA, Márcia (Orgs.). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. 2.ed. Campinas: Unicamp, 2009.

SPIGLIATTI, Solange. Manifestação lembra 17 anos da chacina da Candelária. O Estado de São Paulo, São Paulo, 23 jul. 2010. Disponível em: <http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,manifestacao-lembra-17-anos-da-chacina-da-candelaria,585146>. Acesso em: 16 nov. 2016.

UNICEF. Convenção sobre os direitos da criança. [S.l.], 1989. Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10120.html>. Acesso em: 16 nov. 2016.

YATES, Frances A. A arte da memória. Tradução Flavia Bancher. Campinas: Unicamp, 2007.

Downloads

Publicado

2018-06-28

Como Citar

Gumucio, G., & Schmidt, C. (2018). Descaso e deterioração do lugar de memória no caso da chacina da Candelária no Rio de Janeiro. Revista Extraprensa, 11(esp), 64-79. https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.145213