Pesquisa ativista e a comunicação de ONGs de Mulheres Negras Brasileiras

Autores

  • Céres Marisa Silva dos Santos Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.146036

Palavras-chave:

Pesquisa ativista, Pesquisa-ação, Pesquisa participante, Organizações de Mulheres Negras Brasileiras, TICs

Resumo

Neste artigo faço uma breve revisão bibliográfica sobre a aplicação da metodologia pesquisa ativista – observando suas semelhanças e distinções em relação à pesquisa-ação e à pesquisa participante – em uma tese de doutorado que trata da comunicação na vida de mulheres negras brasileiras, a partir do uso e apropriação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs). Para isso, recorro a Hale (2001, 2008) e Vargas (2008), para tratar da pesquisa ativista; Borda (1978), Thiollent (2011), Bringel e Maldonado (2016), Bringel e Varella (2017), Brandão e Borges (2007), e a Peruzzo (2005), que discorrem sobre investigação-ação, pesquisa participante e pesquisa-ação. O estudo aponta as possibilidades de a pesquisa ativista potencializar reflexões e intervenções sobre as lutas das mulheres negras brasileiras por meio da comunicação, de quatro organizações não governamentais (ONGs).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Céres Marisa Silva dos Santos, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

É doutoranda do Dinter (Doutorado Interinstitucional) entre o Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade de São Paulo (USP-PPGCOM) e a Universidade do Estado da Bahia (UNEB)Possui graduação em Jornalismo - Bacharel em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/1986), graduação em Licenciatura em Estudos Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC/1982), Especialização em Direitos Humanos (UNEB/2001) e Mestrado em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB/2007). . Foi coordenadora, formadora e Assessora de Comunicação do Ceafro, programa do Centro de Estudos Afro-Orientais da Universidade Federal da Bahia (UFBa). Tem experiência na área de Comunicação Social, com ênfase em Assessoria em Comunicação, Educom e Comunicação Comunitária. Atua, principalmente, com os seguintes temas: Ação Afirmativa, cotas, racismo, educação e gênero, representação e acesso ao discurso midiático, mulher negra e novas tecnologias.

Referências

BRANDÃO, Carlos Rodrigues; BORGES, Maristela Corrêa. Pesquisa participante: um momento da educação popular. Revista Ed. Popular, Uberlândia, v. 6, p. 51-62. jan./dez. 2007.

BRINGEL, Breno; VARELLA, Renata Versiani Scott. A pesquisa militante na América Latina hoje: reflexões sobre as desigualdades e as possibilidades de produção de conhecimentos. Revista Digital de Direito Administrativo. Ribeirão Preto, v. 3, n. 3, 2006. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rdda/article/view/115609/116687>. Acesso em: 6 ago. 2017.

BRINGEL, Breno; MALDONADO, Efendy Emiliano. Pensamento crítico latino-americano e pesquisa militante em Orlando Fals Borda: práxis, subversão e libertação. Revista Direito e Práxis. Rio de Janeiro, v.7, n. 13, p. 389-413, 2016.

FALS Borda, Orlando. El problema de cómo investigar la realidad para transformarla: por la praxis. Bogotá, Colombia: Ediciones Tercer Mundo, 1978.

HALE, Charles R. (Ed.). Engaging Contradictions: theory, politics, and methods of activist scholarship. Los Angeles: University of California Press. 2008.

HALE, Charles R. What is activist research? Social Science Research Council, New York, p. 13-15, 2001.

PERUZZO, Cicília Maria Krohling. Observação participante e pesquisa-ação. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio (Orgs.). Métodos e Técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, v. 1, 2005, p. 125-145.

PERUZZO, Cicília Maria Krohling. Epistemologia e método da pesquisa-ação. Uma aproximação aos movimentos sociais e à comunicação. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 25., 2016, Goiânia. Anais... Goiânia: COMPÓS, 2016. Disponível em: <http://www.compos.org.br/biblioteca/epistemologiaem%C3%A9tododapesquisa-a%C3%A7%C3%A3o...ciciliaperuzzo.modelocompos2016._3270.pdf>. Acesso em: 8 ago. 2017.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação.18. ed. São Paulo: Cortez Editora, 2005.

VARGAS, João Helion Costa. Activist Scholarship: limits and possibilities in times of black genocide. In: HALE, Charles R. (Ed.). Engaging Contradictions: theory, politics, and methods of activist scholarship. Los Angeles: University of California Press. 2008, p. 164 a 182.

Downloads

Publicado

2018-06-28

Como Citar

Santos, C. M. S. dos. (2018). Pesquisa ativista e a comunicação de ONGs de Mulheres Negras Brasileiras. Revista Extraprensa, 11(esp), 23-36. https://doi.org/10.11606/extraprensa2018.146036