Da tensão ao sublime

potencialidades estéticas da canção “Mulher do fim do mundo”, de Elza Soares

Autores

  • Cláudio Rodrigues Coração Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)
  • Francielle de Souza Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.157563

Palavras-chave:

Mulheres Negras, Música Popular, Elza Soares, Arte, Política

Resumo

Este trabalho busca apreender o espírito da canção “Mulher do fim do mundo” e seu vínculo com a renovação estética das imagens de artistas negras na música popular brasileira. A hipótese é de que a canção interpretada por Elza Soares alimenta – e é alimentada por – um movimento que busca substituir estigmas sociais construídos desde a escravidão por imagens que, de fato, representem a diversidade de identidades que podem ser assumidas por essas mulheres. Essa potência transformadora, anunciada pela canção em análise, aponta três manifestações estéticas que extrapolam o universo da canção popular e ensejam mudanças na maneira como as minorias são encaradas no espaço público brasileiro, a saber, a reivindicação do gesto da altivez, a crítica à potência de morte e a reflexão subjetiva do horror.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Rodrigues Coração, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Professor adjunto do curso de jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP. Doutor em Comunicação: Meios e Processos Audiovisuais pela ECA/USP. Mestre em Comunicação pela UNESP. 

Francielle de Souza, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Mestranda em Comunicação e Sociabilidade Contemporânea pela Universidade Federal de Minas Gerais - linha Textualidades Midiáticas, com financiamento da Capes. Graduada em Jornalismo pela UFOP. Participa do grupo de pesquisa Tramas Comunicacionais (UFMG). 

Referências

A BOSSA negra. Intérprete: Elza Soares. São Paulo: Universal Music Brasil, 1962. 1 disco vinil (43 min).

A MULHER do fim do mundo. Intérprete: Elza Soares. São Paulo: Circus, 2015. 1 CD (39 min).

BARBOSA, Airton Lima. Que caminhos seguir na música popular brasileira? Debate com Caetano Veloso e Nara Leão. Civilização brasileira, Rio de Janeiro, n. 7, p. 375-85, 1966.

BOSCO, Francisco. A vítima tem sempre razão? Lutas identitárias e o novo espaço público brasileiro. São Paulo: Todavia, 2017.

CARDOSO FILHO, Jorge Cunha. As materialidades da canção midiática: contribuições metodológicas. Fronteiras, São Leopoldo, v. 11, n. 2, p. 80-88, 2009. Disponível em: https://bit.ly/2Xm8wjm. Acesso em: 17 abr. 2019.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Geledés, São Paulo, 6 mar. 2011. Disponível em: https://bit.ly/2D8W8oP. Acesso em: 18 abr. 2019.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: knowledge, consciousness and the politics of empowerment. 2. ed. Nova York: Routledge, 2002.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 31, n. 1, p. 99-127, 2016.

DAVIS, Angela. As mulheres negras na construção de uma nova utopia. Geledés, São Paulo, 12 jul. 2011. Disponível em: https://bit.ly/2wPr66j. Acesso em: 18 abr. 2019.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48. ed. São Paulo: Global, 2003.

HAN, Byung-Chul. Agonia do Eros. Tradução de Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Vozes, 2017.

HOOKS, Bell. Intelectuais negras. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464-478, 1995. Disponível em: https://bit.ly/305INbX. Acesso em: 18 abr. 2019.

KILOMBA, Grada. A máscara. Piseagrama, Belo Horizonte, n. 11, p. 26-31, 2017.

LOPES, Denilson. Da música pop à música como paisagem. ECO-Pós, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 86-94, 2003a. Disponível em: https://bit.ly/2JhPNvx. Acesso em: 18 abr. 2019.

LORDE, Audre. Olho no olho: mulheres negras, ódio e raiva. Tradução de Stephanie Borges. Serrote, São Paulo, n. 29, p. 48-83, 2018.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Tradução de Renata Santini. 2. ed. São Paulo: n-1, 2018.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 287-308, 2006.

OLIVEIRA, Luciana. A cena musical da Black Rio: estilo e mediações nos bailes soul dos anos 1970. Salvador: Edufba, 2018.

ROCHA, Emerson. Cor e dor moral: sobre o racismo na ralé. In: SOUZA, Jessé. A ralé brasileira: quem é e como vive. 3. ed. São Paulo: Contracorrente, 2018. p. 385-417.

SAMBOSSA. Intérprete: Elza Soares. São Paulo: Universal Music Brasil, 1963. 1 disco vinil (38 min).

SANCHES, Pedro Alexandre. Tropicalismo: decadência bonita do samba. São Paulo: Boitempo, 2000.

SINGER, André. Será o lulismo um reformismo fraco? In: SINGER, André. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. p. 169-221.

SODRÉ, Muniz. Uma lógica perversa de lugar. ECO-Pós, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 9-16, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2XddQkl. Acesso em: 25 abr. 2019.

TATIT, Luiz. O século da canção. Cotia: Ateliê Editorial, 2004.

VIANNA, Hermano. O mistério do samba. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

Downloads

Publicado

2019-08-19

Como Citar

Coração, C. R., & Souza, F. de. (2019). Da tensão ao sublime: potencialidades estéticas da canção “Mulher do fim do mundo”, de Elza Soares. Revista Extraprensa, 12(2), 94-113. https://doi.org/10.11606/extraprensa2019.157563