Orfeu no Carnaval: ensaio sobre as adaptações da peça Orfeu da Conceição

Autores

  • Rogério de Almeida Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2020.173549

Palavras-chave:

Cinema, Imaginário, Mitologia, Carnaval, Orfeu

Resumo

O objetivo deste artigo é estudar a representação do carnaval em dois filmes: Orfeu do Carnaval (1959) e Orfeu (1999), respectivamente dirigidos por Marcel Camus e Cacá Diegues, ambos concebidos a partir da peça de teatro Orfeu da Conceição (1956), escrita por Vinicius de Moraes. A metodologia pauta-se na antropologia do imaginário e busca as raízes da representação do carnaval nos mitos gregos de Orfeu, Apolo e Dioniso. O estudo comparado dessas obras cinematográficas mostra que, com a perda da carga simbólica dos mitos e a ascensão dos interesses mercantis, o carnaval torna-se simulação de uma festa que, em suas origens, era vivida com exuberância apolínea e como afirmação trágica da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogério de Almeida, Universidade de São Paulo

Professor associado da Faculdade de Educação da USP (FEUSP), coordenador do Lab_Arte (Laboratório Experimental de Arte, Educação e Cultura) e editor da revista Educação e Pesquisa, da FEUSP.

Referências

ARAÚJO, Alberto Filipe; GOMES, Eunice S. L.; ALMEIDA, Rogério de. O mito revivido: a mitanálise como método de investigação do imaginário. São Paulo: Képos, 2014.

BRUNEL, Pierre. Dicionário de mitos literários. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

DURAND, Gilbert. Mito, símbolo e mitodologia. Lisboa: Presença, 1981.

DURAND, Gilbert. Campos do imaginário. Lisboa: Piaget, 1996.

HOLLANDA. Chico Buarque. Essa gente. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MORAES, Vinicius de. Orfeu da Conceição. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1956.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia: ou helenismo e pessimismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

PRUDENTE, Celso Luiz. Os tambores negros, antropologia da estética da arte negra dos tambores sagrados dos meninos do Morumbi: pedagogia afro. São Paulo: Fiuza, 2011.

PRUDENTE, Celso Luiz. A dimensão pedagógica da alegoria carnavalesca no cinema negro enquanto arte de afirmação ontológica da africanidade: pontos para um diálogo com Merleau-Ponty. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 23, n. 53/1, p. 403-424, 2014.

THAMOS, Márcio. Do hexâmetro ao decassílabo: Equivalência estilística baseada na materialidade da expressão. Scientia Traductionis, Florianópolis, n. 10, p. 201-213, 2011.

Filmografia

HARDCORE: No submundo do sexo. Diretor: Paul Schrader. Los Angeles: Columbia Pictures, 1979. 108 min.

LADRÕES de Bicicleta. Diretor: Vittorio De Sica. Itália: Produzioni De Sica, 1948. 89 min.

ORFEU do carnaval. Diretor: Marcel Camus. Brasil, França, Itália: Dispat Films; Gemma; Tupan Filmes, 1959. 100 min.

ORFEU. Diretor: Cacá Diegues. Rio de Janeiro: Globo Filmes, 1999. 110 min.

ORFEU. Diretor: Jean Cocteau. Paris: Films du Palais, 1950. 95 min.

VIDAS em Fuga. Diretor: Sidney Lumet. New York: Pennebaker Productions, 1959. 119 min.

Downloads

Publicado

2020-12-12

Como Citar

Almeida, R. de. (2020). Orfeu no Carnaval: ensaio sobre as adaptações da peça Orfeu da Conceição. Revista Extraprensa, 14(1), 353-370. https://doi.org/10.11606/extraprensa2020.173549