Negros saberes em festa: Ilê Aiyê e Olodum e suas (trans)formações

Autores

  • Jusciele Conceição Almeida de Oliveira Universidade do Algarve
  • Simone de Jesus Santos Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2020.173597

Palavras-chave:

Ilê Aiyê, Olodum, Educação, Relações étnicas e raciais, Afro-brasileiros(as)

Resumo

Este artigo discute sobre blocos afros do Carnaval de Salvador e seus contributos para a Educação e Relações Étnico-raciais, com ênfase na valorização positiva de sujeitos afro-brasileiros, em especial, Ilê Aiyê e Olodum. Consideramos, para tanto, históricas violências provenientes do racismo direcionado a negras e negros, no contexto brasileiro, geradoras da necessidade de se reiterar discursos contrários a tal situação. A partir de produções contemporâneas sobre o tema, realizamos pesquisa bibliográfica e análise das informações coletadas, com base em fundamentação teórica e crítica, em diálogo com o assunto em foco. O percurso metodológico adotado possibilitou o entendimento de representação de culturas negras no carnaval, educação para relações étnicas e raciais em instituições próprias, produções musicais negras e produções de materiais didáticos para afirmação de identidades negras como contributos do Ilê Aiyê e Olodum no que tange à educação e relações étnicas e raciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jusciele Conceição Almeida de Oliveira, Universidade do Algarve

Bacharel em Letras pela Universidade Federal da Bahia-UFBA (2006). Tem especialização em Metodologia do Ensino de História e Cultura Afro-Brasileiras e Docência do Ensino Superior (2010). É mestre em Literatura e Cultura, pela UFBA (2013), e Doutora pelo Centro de Investigação em Artes e Comunicação da Universidade do Algarve CIAC/UAlg, em Portugal (2018).

Simone de Jesus Santos, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), tem mestrado e graduação pela mesma instituição. Para além da experiência na pesquisa científica, atua na educação básica, no ensino superior e na formação inicial e continuada de docentes.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 1993.

CENTRAL DO CARNAVAL. Bloco Olodum. Central do Carnaval, Salvador. Disponível em: https://bit.ly/3tQbkSD. Acesso em: 1 fev. 2020.

BRASIL. Lei nº 10.639/03, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1996. Disponível em: https://bityli.com/PFNXH. Acesso em: 5 nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2003.

CAPELLI, Pedro; CANÔNICO, Marcos Aurélio. Denúncias de ataques a religiões de matriz africana sobem 47% no país. O Globo, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: https://glo.bo/3rIpP8X. Acesso em: 3 dez. 2019.

DEPELCHIN, Jacques. Silences in african history: between the syndromes of discovery and abolition. Tanzânia: Mkuki na Nyota, 2005.

RODRIGUES, João Jorge. Escola Olodum lança cartilha Zumbi dos Palmares no Festiquilombo. Bahia Já, Salvador, 2012. Disponível em: https://bityli.com/62hgb. Acesso em: 3 dez. 2019.

FREITAS, Décio. Palmares: a guerra dos escravos. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

GOMES, Renato Cordeiro. Todas as cidades, a cidade: literatura e experiência urbana. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 22, p. 15-46, 1997.

IBGE. Salvador – Bahia – Cidades. Disponível em: https://bityli.com/CU6z6. Acesso em: 5 nov. 2020.

ILÊ AIYE. Homepage. Ilê Aiyê, Curuzu, 4 set. 2014. Disponível em: https://bityli.com/Od74N. Acesso em: 19 mar. 2020.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

RACISMO no carnaval de Salvador. Direção de Alex Maia e Nelson Costa da Mata. Caboclinho Produções: Centro de Estudos dos Povos Afro-Índio-Americanos: Universidade Estadual da Bahia: Salvador, 2014. DVD.

MIRANDA, Milena. Carnaval 2020 – MP se reúne com representantes da Semur para discutir atuação no Observatório da Discriminação Racial. Ministério Público do Estado da Bahia, Salvador, 2020. Disponível em: https://bityli.com/gz8cw. Acesso em: 3 jan. 2020.

MORALES, Anamaria. Blocos negros em Salvador: reelaboração cultural e símbolos de baianidade. Caderno CRH, Salvador, p. 72-92, 1991.

PROGRAMAÇÃO DO CARNAVAL 2020. O Carnaval de Salvador, Salvador, 2020. Disponível em: https://bityli.com/htaf2. Acesso em: 3 jan. 2020.

OLODUM. Madagáscar. Disponível em: https://bityli.com/xbSZw. Acesso em: 5 nov. 2019.

OLODUM. Olodum, Salvador, 2020. Disponível em: www.olodum.com.br. Acesso em: 19 mar. 2020.

AIYÊ, Ilê. Negro de luz. Letras, Belo Horizonte, 2019. Disponível em: https://bityli.com/3eSoL. Acesso em: 5 nov. 2019.

PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA A JUVENTUDE NEGRA. Disponível em: http://vidasnegras.nacoesunidas.org. Acesso em: 3 jan. 2020.

PINHEIRO, Lucivalda de Lima. A cultura africana e afro-brasileira no I ano do Ensino Fundamental I da Escola Mãe Hilda. 2017. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Faculdade da Cidade de Salvador, Salvador, 2017.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SILVA, Ana Célia da. A discriminação do negro no livro didático. 2. ed. Salvador: Edufba, 2004.

SILVA, Jônatas Conceição da. Vozes quilombolas: uma poética brasileira. Salvador: Edufba, 2006.

SODRÉ, Muniz. A verdade seduzida: por um conceito de cultura no Brasil. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-12

Como Citar

Oliveira, J. C. A. de, & Santos, S. de J. (2020). Negros saberes em festa: Ilê Aiyê e Olodum e suas (trans)formações . Revista Extraprensa, 14(1), 295-312. https://doi.org/10.11606/extraprensa2020.173597