Notas sobre o pensamento decolonial e os estudos da comunicação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2021.181765

Palavras-chave:

Decolonialidade, Comunicação, Descolonização

Resumo

A proposta deste artigo é de apresentar, por revisão bibliográfica, as contribuições do pensamento decolonial dentro do campo das ciências humanas e sociais como um novo movimento epistemológico e político. A partir de contribuições de autores que dialogam com essa proposta, o texto também pretende fazer interface com os estudos da comunicação como proposta decolonial em pontos epistemológicos e ação política de reconhecimento público de grupos marginalizados, abrindo outras discussões do campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Muriel Emídio Pessoa do Amaral, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Professor do Departamento de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Tem pós-doutorado em Jornalismo pela UEPG. Doutor e mestre em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Doutorado sanduíche em Estudos Culturais pela Universidade de Aveiro (Portugal).

Referências

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-33522013000200004.

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: a comunicação dos marginalizados. São Paulo: Cortez, 1980.

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: teoria e metodologia. São Bernardo do Campo: Umesp, 2004.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Filosofía, ilustración y colonialidad. In: DUSSEL, Enrique; MENDIETA, Eduardo; BOHÓRQUEZ, Carmen. El pensamiento filosófico latinoamericano, del Caribe y “latino” (1300-2000). México: Siglo XXI: Centro de Cooperación Regional para la Educación de Adultos en América Latina y el Caribe, 2009. p. 130-142.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. El lado oscuro de la “época clásica”: filosofía, ilustración y colonialidad en el siglo XVIII. In: CHUKWUDI, Eze; HENRY, Paget; CASTRO-GÓMEZ, Santiago; MIGNOLO, Walter. El color de la razón: racismo epistemológico y razón imperial. 2. ed. Buenos Aires: Del Signo, 2014. p. 89-113.

COSTA-GÓMEZ, S. La hybris del punto cero: ciencia, raza e ilustración en la Nueva Granada (1750-1816). Bogotá: Centro Editorial Javeriano, 2005.

ESCOBAR, Arturo. Mundos y conocimientos de otro modo: el programa de investigación modernidad/colonialidad latinoamericano. Tabula Rasa, Bogotá, n. 1, p. 58-86, 2003.

FREIRE, Paulo. Extensão ou comunicação? 7. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GRINSBERG, Máximo Simpson (org.) A comunicação alternativa na América Latina. Petrópolis: Vozes, 1987.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 80, p. 115-147, 2008.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Apicuri: PUC Rio, 2016.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LUGONES, María. Toward a decolonial feminism. Hypatia, Hoboken, v. 25, n. 4, p. 742-759, 2010.

MARQUES DE MELO, José. Comunicação: teoria e política. São Paulo: Summus, 1985.

MARQUES DE MELO, José. Folkcomunicação. WOITOWICZ, Karina Janz; GADINI, Sérgio Luiz. Noções básicas de folkcomunicação: conceitos e expressões. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2007. p. 21-24.

MÁRQUEZ, M. Cruz Tornay. Comunicación, subalternidad y género: experiencias comunicativas comunitarias de mujeres afrodescendientes e indígenas en América Latina. 2017. Tese (Doutorado em Comunicação). Universidad de Sevilla, Sevilla, 2017.

MIGNOLO, Walter. Introducción. In: CHUKWUDI, Eze; HENRY, Paget; CASTRO-GÓMEZ, Santiago; MIGNOLO, Walter. El color de la razón: racismo epistemológico y razón imperial. 2. ed. Buenos Aires: Del Signo, 2014. p. 9-18.

PASQUALI, Antonio. Sociologia e comunicação. Petrópolis: Vozes, 1973.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad y modernidad/racionalidad. In: BONILLA, Heradio (org.). Los conquistados: 1492 y la población indígena de las Américas. Bogotá: Tercer Mundo, 1992. p. 437-447.

REIS, Maurício de Novais; ANDRADE, Marcilea Freitas Ferraz de. O pensamento decolonial: análise, desafio e perspectivas. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, n. 202, p. 1-11, 2018.

ROSEVICS, Larissa. Do pós-colonial à decolonialidade. In: CARVALHO, Glauber Cardoso; ROSEVICS, Larissa (org.). Diálogos internacionais: reflexões críticas do mundo contemporâneo. Rio de Janeiro: Perse, 2017. p. 240-265.

ROUDINESCO, Elizabeth. A parte obscura de nós mesmos: a história dos perversos. Belo Horizonte: Zahar, 2008.

SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2009.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TORRICO, Erick. Hacia la Comunicación decolonial. Bolivia: Universidad Andina Simón Bolívar, 2016a.

TORRICO, Erick. La comunicación decolonial, perspectiva in/surgente. Revista Latinoamericana de Ciencia de la Comunicación, São Paulo, v. 15, n. 28, p. 72-81, 2018.

TORRICO, Erick. La comunicación em clave latinoamericana. Chasqui, Quito, n. 132, p. 23-36, 2016b.

TORRICO, Erick. Para uma comunicação ex-cêntrica. MATRIZes, v. 13, n. 3, p. 89-107, 2019.

WOITOWICZ, Karina Janz. Grupos marginalizados. In: WOITOWICZ, Karina Janz; GADINI, Sérgio Luiz (org.). Noções básicas de folkcomunicação: conceitos e expressões. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2007. p. 59-63.

Downloads

Publicado

2021-11-23

Como Citar

Amaral, M. E. P. do . (2021). Notas sobre o pensamento decolonial e os estudos da comunicação. Revista Extraprensa, 14(2), 471-487. https://doi.org/10.11606/extraprensa2021.181765