Formação e prática em gestão cultural: entre o tecnicismo e o engajamento

Autores

  • Gisele Marchiori Nussbaumer Universidade Federal da Bahia
  • Giuliana Kauark Universidade Federal do Recôncavo Baiano

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2021.185437

Palavras-chave:

Gestão cultural, Políticas culturais, Formação

Resumo

Este texto aborda a centralidade da gestão cultural no desenvolvimento do setor da cultura no Brasil, apontando perspectivas e conjunturas favoráveis e desfavoráveis a essa atividade. Em oposição a uma visão tecnicista do exercício profissional de gestoras e gestores culturais, defende a necessidade de uma formação crítica e de uma atuação engajada, capaz de enfrentar os desafios cada vez mais complexos do setor no contexto de desmonte em que vivemos. Por fim, destaca insurgências e experiências que se apresentam como possíveis referências para uma gestão cultural mais comprometida com a atual realidade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisele Marchiori Nussbaumer, Universidade Federal da Bahia

Professora da Faculdade de Comunicação e do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Coordenadora do Coletivo Gestão Cultural e membro do Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (Cult).

Giuliana Kauark, Universidade Federal do Recôncavo Baiano

Professora do Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) e do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da UFBA. Coordenadora do Coletivo Gestão Cultural, membro do Cult e do Observatório da Diversidade Cultural (ODC).

Referências

ALBINATI, Mariana Luscher. Espacialização das diferentes expressões culturais na cidade. In: KAUARK, Giuliana; RATTES, Plínio; LEAL, Nathalia (org.). Um lugar para os espaços culturais: gestão, territórios, públicos e programação. Salvador: Edufba, 2019. p. 87-102.

AVELAR, Rômulo. O avesso da cena: notas sobre produção e gestão cultural. Belo Horizonte: Duo, 2008.

BARBALHO, Alexandre; COSTA, Leonardo; RUBIM, Albino. Formação em organização da cultura no Brasil: apontamentos iniciais. In: Mapeamento da Formação em Organização Cultural no Brasil. [S. l.]: CULT/UFBA, 2009. Documento on-line. Disponível em: https://bit.ly/3zJzGiP. Acesso em: 9 dez. 2020.

BARROS, José Márcio. Palestra por José Márcio Barros. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE GESTÃO CULTURAL, 1., 2008, Belo Horizonte. Anais […]. Belo Horizonte: Duo Informação e Cultura, 2008. p. 105-111. Disponível em: https://bit.ly/3rH3v0B. Acesso em: 28 jul. 2020.

CAPORALI, Francisca; MENICONI, Joana; MOREIRA, Samantha. Como lidar com a Indie.Gestão? In: TOLEDO, Daniel (org.). Indie.Gestão: práticas para artistas/gestores ou como assobiar e chupar cana ao mesmo tempo. Belo Horizonte: JACA, 2014. p. 9-16.

COSTA, Leonardo. Profissionalização da organização da cultura no Brasil: uma análise da formação em produção, gestão e políticas culturais. Tese (Doutorado em Cultura e Sociedade) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

LIMA, Ana Luisa. Política como Liberdade. In: TOLEDO, Daniel (org.). Indie.Gestão: práticas para artistas/gestores ou como assobiar e chupar cana ao mesmo tempo. Belo Horizonte: JACA, 2014. p. 153-156.

LIMA, Dulcilei da Conceição. A mulher na produção cultural brasileira: invisibilidade e fomento. In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 11., 2015, Salvador. Anais […]. Salvador: Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, Universidade Federal da Bahia, 2015.

MATTHEY, Gabriel. La gestión cultural en Chile, a pasos de su «segunda generación». MGC: Revista de Gestión Cultural, v. 1, p. 6-11, 2013. Disponível em: https://bit.ly/3xeMxYK. Acesso em: 3 mar. 2020.

SILVA, Liliana Sousa. Gestão cultural na e para a cidade. Cultura e Mercado, 2008. Disponível em: https://bit.ly/3i9aKv8. Acesso em: 1 mai. 2021.

SOUTO, Stéfane. Aquilombar-se: insurgências negras na gestão cultural contemporânea. Revista Metamorfose, v. 4, n. 4, p. 133-144, 2020.

TOLEDO, Daniel (org.). Indie.Gestão: práticas para artistas/gestores ou como assobiar e chupar cana ao mesmo tempo. Belo Horizonte: JACA, 2014. Disponível em: https://bit.ly/3zYIfGX. Acesso em: 2 mar. 2020.

VICH, Víctor. Desculturizar la cultura: la gestión cultural como forma de acción política. Buenos Aires: Siglo Veintiuno, 2014. (Coleção Antropológicas).

VICH, Víctor. Desculturalizar a cultura: desafios atuais das políticas culturais. PragMATIZES: Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura, ano 5, n. 8, p. 10-21, 2015.

VICH, Víctor. O que é um gestor? In: CALABRE, Lia; REBELLO, Deborah (org.). Políticas culturais: conjunturas e territorialidades. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. p. 49-54. Disponível em: https://bit.ly/3l23naZ. Acesso em: 27 fev. 2020.

VIVACQUA, Flávia. Piquenique. In: TOLEDO, Daniel (org.). Indie.Gestão: práticas para artistas/gestores ou como assobiar e chupar cana ao mesmo tempo. Belo Horizonte: JACA, 2014. p. 143-151.

Downloads

Publicado

2021-11-23

Como Citar

Nussbaumer, G. M., & Kauark, G. (2021). Formação e prática em gestão cultural: entre o tecnicismo e o engajamento. Revista Extraprensa, 14(2), 197-210. https://doi.org/10.11606/extraprensa2021.185437

Edição

Seção

Dossiê: Gestão cultural para a próxima década