Possibilidades com o processo criativo nas escolas de dança

Autores

  • Cristiano Max Pereira Pinheiro Universidade Feevale
  • Ilaine Maria Henz Universidade Feevale
  • Lenice Eli Lunkes Scarpato Universidade Feevale

DOI:

https://doi.org/10.11606/extraprensa2021.187616

Palavras-chave:

Dança, Economia criativa, Processo criativo, Produção cultural

Resumo

A pandemia impactou os setores culturais, tornando importante rever estratégias da gestão cultural nos negócios. A arte vem sendo vista como produção simbólica de válvula de segurança psicológica e, neste estudo, optou-se pelo setor da dança como foco. O objetivo do artigo é compreender como escolas de dança, enquanto produção cultural, atualizam suas práticas e fazeres em conjunto com alunos/professores. Optou-se pela coleta de dados de alunos e professores de uma escola de dança no Rio Grande do Sul por meio de entrevistas. Estas foram submetidas à análise textual discursiva, criando categorias atravessadas pela fundamentação teórica em Indústria e Economia Criativa, Dança e Expressão Cultural. Como resultado, destaca-se que as escolas possuem uma diversidade de dinâmicas, sejam de ensino-aprendizagem ou de produção cultural/artística em prol de um modelo que realize tanto o caráter professor-aluno quanto a busca por uma colocação artística notável, tornando-se uma possibilidade de desenvolvimento de negócios pós-pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Max Pereira Pinheiro, Universidade Feevale

Doutor em Comunicação Social (PUCRS); Coordenador do Laboratório de Criatividade e Professor do Mestrado em Indústria Criativa (Universidade Feevale).

Ilaine Maria Henz, Universidade Feevale

Mestra em Indústria Criativa pela Universidade Feevale, pós graduada em Comportamento Organizacional e Liderança pela Universidade Feevale.

Lenice Eli Lunkes Scarpato, Universidade Feevale

Mestra em Indústria Criativa pela Universidade Feevale.

Referências

ARAÚJO, Antônio. O processo colaborativo no Teatro da Vertigem. Sala Preta, São Paulo, v. 6, p. 127-133, 2006.

BARRETO, Debora. Dança… ensino, sentidos e possibilidades na escola. 1998. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

BARRETO, Ivana. Arte é compartilhamento. In: BARRETO, Ivana. Autoria em rede: modos de produção e implicações políticas. 2012. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica), Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2012.

BECKER, Larissa Carine Braz; SANTOS, Cristiane Pizzutti dos; NAGEL, Mateus de Brito. A relação entre os elementos da cocriação, satisfação e confiança no contexto de serviços. ReMark – Revista Brasileira de Marketing, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 263-280, 2016.

BENDASSOLLI, Pedro Fernando et al. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 49, n. 1, p. 10-18, 2009.

BJORKEGREN, Dag. The culture business: management strategies for the arts-related business. London: Routledge, 1996.

BOAVIDA, Ana Maria; PONTE, João Pedro da. Investigação colaborativa: potencialidades e problemas. In: GTI (org.). Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, 2002. p. 43-55. Disponível em: https://bit.ly/2YbTTQM. Acesso em: 3 abr. 2021.

BORGES, Mauro. Explorando o uso de plataformas digitais de mídia social por empresas para co-criação com consumidores. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

CSIKSZENTMIHALYI, Mihaly. A psicologia da felicidade. São Paulo: Saraiva, 1992.

DUARTE JUNIOR, João Francisco. Fundamentos estéticos da educação. 4. ed. Campinas: Papirus, 1995.

EDVARDSSON, Bo; TRONVOLL, Bard; GRUBER, Thorsten. Expanding understanding of service exchange and value co-creation: a social construction approach. Journal of the Academy of Marketing Science, New York, v. 39, n. 2, p. 327-339, 2011.

FISCHER, Stela Regina. Processo colaborativo: experiências de companhias teatrais brasileiras nos anos 90. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

FLEMING, Tom. A economia criativa brasileira: análise da situação e avaliação do Programa de Empreendedorismo Social e Criativo Financiado pelo Newton Fund. [S. l.]: British Counsil, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3ikYXK7. Acesso em: 12 maio 2021.

FLORIDA, Richard. A ascensão da classe criativa e seu papel na transformação do trabalho, do lazer, da comunidade do cotidiano. Porto Alegre: L&PM, 2011.

FRANCO, Augusto de. Multiversidade: da universidade dos anos 1000 à multiversidade nos anos 2000, São Paulo: Escola de Redes, 2012.

FRANCO, Augusto de. Cocriação: reinventando o conceito. São Paulo: Escola de Redes, 2012.

GARIBA, Chames Maria Stallvierri. Dança escolar: uma linguagem possível na educação física. EFDeportes, Buenos Aires, n. 85, 2005.

GATTI, Daniela. Processos criativos em dança por redes de saberes. In: REUNIÃO CIENTÍFICA ABRACE, 4., 2011, Porto Alegre. Anais […]. Campinas: Unicamp, 2009.

GORGULHO, Luciane Fernandes; GAMA, Marina Moreira da; ZENDRON, Patrícia. Economia da cultura: a oportunidade de um novo vetor de desenvolvimento. In: LEAL, Cláudio F. G. et al. (org.). Um olhar territorial para o desenvolvimento: Sudeste. Rio de Janeiro: BNDES, 2015. p. 96-135.

HIRSCH, Paul M. Processing fads and fashions: an organization-set analysis of cultural industry system. American Journal of Sociology, Chicago, v. 77, n. 4, p. 639-659, 1972.

HOLBROOK, Morris B.; HIRSCHMAN, Elizabeth C. The experiential aspects of consumption: consumer fantasies, feelings, and fun. Journal Consumer Research, Oxônia, v. 9 n. 2, p. 132-140, 1982.

KOTLER, Philip; KARTAJAYA, Hermawan; SETIAWAN, Iwan. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

LAMPEL, Joseph; LANT, Theresa; SHAMSIE, Jamal. Equilíbrio em cena: o que aprender com as práticas organizacionais das indústrias culturais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 49, n. 1, p. 19-26, 2009.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1998.

MANZINI, Eduardo José. Considerações sobre a transcrição de entrevistas. In: MARCONI, Marina A.; LAKATOS, Eva M. (org.). Técnicas de pesquisa. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008. p. 152.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

MORANDI, Angela Maria et al. Economia criativa capixaba: uma proposta de metodologia para o seu dimensionamento. In: VALIATI, Leandro; FIALHO, Ana Letícia N. (org.). Atlas econômico da cultura Brasileira: metodologia I. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2017. p. 81-110.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Tradução de Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

PRAHALAD, Coimbatore Krishnarao; RAMASWAMY, Venkat. Co-opting customer competence. Harvard Business Review, Cambridge, v. 78, p. 79-87, 2000.

RAMASWAMY, Venkat; GOUILLART, Francis. The power of co-creation. New York: Free Press, 2010.

REIS, Ana Carla Fonseca. Economia criativa como estratégia de desenvolvimento: uma visão dos países em desenvolvimento. São Paulo: Itaú Cultural, 2013.

ROCHA, Lucas Valentim. Processos compartilhados em dança: experiências de criação e aprendizagem. Dissertação (Mestrado em Dança), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

SALLES, Cecília Almeida. Gesto inacabado: processo de criação artística. 2. ed. São Paulo: Fapesp: Annablume, 2004.

SEBRAE NACIONAL. Guia do empreendedor criativo. Brasília: Sebrae, 2015. Disponível em: https://bit.ly/3Bm2WgI. Acesso em: 3 mai. 2021.

SILVA, Antônio Carlos Ribeiro da. Elaborando projeto de pesquisa. In: SILVA, Antônio Carlos Ribeiro da. Metodologia da pesquisa aplicada à contabilidade. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010. p. 133-165.

SILVA, Rodrigo Manoel Dias da. Narrativas de democratização cultural no Brasil: um olhar sociológico ao Programa Cultura Viva. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, v. 49, n. 3, p. 269-278, 2013.

SILVA, Silvana dos Santos; MEDEIROS, Cristina Carta Cardoso de; MARCHI JÚNIOR, Wanderley. Habitus e prática da dança: uma análise sociológica. Motriz, Rio Claro, v. 18, n. 3, p. 465-475, 2012.

THROSBY, David. Economics and culture. New York: Cambridge University Press, 2001.

TOLILA, Paul. Indicadores culturais – reflexão e experiências (2007). Itaú Cultural, São Paulo, 2012. Disponível em: https://bit.ly/3Dc3ZQY. Acesso em: 27 maio 2021.

ZARDO, Julia B. G.; MELLO, Ruth. E. S. de. Rio Criativo – incubadora de empreendimentos da economia criativa do estado do Rio de Janeiro: análise crítica da universidade empreendedora executora de política pública. Sistemas & Gestão, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 206-221, 2012.

Downloads

Publicado

2021-11-23

Como Citar

Pinheiro, C. M. P., Henz, I. M., & Scarpato, L. E. L. (2021). Possibilidades com o processo criativo nas escolas de dança. Revista Extraprensa, 14(2), 104-121. https://doi.org/10.11606/extraprensa2021.187616

Edição

Seção

Dossiê: Gestão cultural para a próxima década