Eugen Warming: um dinamarquês desvenda o cerrado brasileiro

Autores

  • Osmar Cavassan Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Faculdade de Ciências. Departamento de Ciências Biológicas - Campus de Bauru https://orcid.org/0000-0003-1860-6628
  • Veridiana de Lara Weiser Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Faculdade de Ciências. Departamento de Ciências Biológicas - Campus de Bauru https://orcid.org/0000-0003-1836-7540

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-6224v15i2p179-193

Palavras-chave:

Biografia, Naturalistas europeus, Savana brasileira, Ecologia vegetal, Lagoa Santa

Resumo

O botânico Johannes Eugenius Bülow Warming (1841-1924) atuou como professor de botânica nas Universidades de Copenhagen e Estocolmo, sendo também reitor em ambas e diretor do Jardim Botânico de Copenhagen. Visitou vários países em expedições científicas e foi conferencista em eventos, inclusive o Brasil. Figura de destaque  na ecologia vegetal, Warming influenciou a geração de jovens botânicos e ecólogos que o sucederam, principalmente pela abordagem sistêmica ao cerrado. Alguns ecólogos atribuem a ele a expressão “fatores ecológicos”. O objetivo deste artigo é apresentar informações sobre a vida e obra de Warming destacando seus estudos sobre o cerrado e o seu papel na definição de linhas de pesquisa em ecologia vegetal. Warming, esteve no Brasil, mais precisamente em Lagoa Santa, Minas Gerais, de 1863 a 1866. Nesse período, coletou, descreveu e registrou em desenhos e fotografias a vegetação e representantes da flora do cerrado daquela região. Ele não se limitou aos aspectos estéticos, mas associou   a vegetação e a flora do cerrado às características climáticas, edáficas e ocorrência de fogo.  A importância de sua obra reside na maneira como ele procedeu em sua pesquisa. Publicou o primeiro estudo sobre o cerrado brasileiro na língua dinamarquesa, que foi traduzido para o português como Lagoa Santa: coribuição para a geografia phytobiologica por Johan Albert Constantin Löfgren (1854-1918) em 1908.  

Referências

ARENS, Karl. O cerrado como vegetação oligotrófica. Boletim da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo. Botâ-nica, 15 (1): 59-77, 1958. DOI: <https://doi.org/10.11606/issn.2318-5988.v15i0p59-77>.

AVILA-PIRES, Fernando Dias de. Fundamentos históricos da ecologia. Ribeirão Preto: Holos, 1999.

CAVASSAN, Osmar. Bauru: terra de cerrado ou floresta? Ciência Geográfica, 17 (1): 45-53, 2013.

FERRI, Mário Guimarães; MENEZES, Nanuza Luíza de; MONTEIRO, Walkyria Rossi. Glossário ilustrado de botânica. São Paulo: Nobel, 1981.

GOODLAND, Robert. The tropical origin of ecology: Eugen Warming’s Jubilee. Oikos, 26 (2): 240-245, 1975.

GOODLAND, Robert. Ecologia do cerrado. Trad. Eugenio Amado. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Edusp, 1979. (Reconquista do Brasil, 52).

KATO, Danilo Seithi; MARTINS, Lilian Al-Chueyr Pereira. A “so-ciologia de plantas”: Arthur George Tansley e o conceito de ecossistema. Filosofia e História da Biologia, 11(2): 189-202, 2016.

KLEIN, Aldo Luiz. Eugen Warming e o cerrado brasileiro: um século depois. São Paulo: Editora UNESP; Imprensa Oficial do Estado, 2002.

PINHEIRO, Eduardo da Silva; DURIGAN, Giselda. Dinâmica espaço-temporal (1962-2006) das fitofisionomias em unidade de conservação do Cerrado no sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Botânica, 32 (3): 441-454, 2009.

RAWITSCHER, Felix Kurt; FERRI, Mário Guimarães; RACHID, Mercedes. Profundidade dos solos e vegetação em campos cer-rados do Brasil meridional. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 15 (4): 267-294, 1943.

RIBEIRO, Ana Lúcia Costa Notas sobre a relevância da biografia científica para a história da ciência: o exemplo de von Martius. Rio de Janeiro, 2009. Dissertação (Mestrado em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem à província de São Paulo. Trad. Regina Regis Junqueira. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Edusp, 1976.

VON ZUBEN, Cláudio José. Um breve histórico das iniciativas pioneiras de preservação ambiental e de estudos em ecologia no Brasil. Pp. 127-135, in: PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA (org.). Leituras de Brasil. São Paulo: UNESP, 2001.

VON ZUBEN, Cláudio José. História da ecologia: o trabalho pioneiro de Eugen Warming no Brasil e na Europa. Revista Biociências, 11 (3-4): 160-163, 2005.

WARMING, Eugenio. [1892]. Lagoa Santa: contribuição para a geografia phytobiologica Trad. Alberto Löfgren. Bello Horizonte: Imprensa Official do Estado de Minas Gerais, 1908.

Downloads

Publicado

2020-12-20

Como Citar

CAVASSAN, O.; WEISER, V. de L. . Eugen Warming: um dinamarquês desvenda o cerrado brasileiro. Filosofia e História da Biologia , [S. l.], v. 15, n. 2, p. 179-193, 2020. DOI: 10.11606/issn.2178-6224v15i2p179-193. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/fhb/article/view/fhb-v15-n2-03. Acesso em: 21 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos