As diferentes concepções de natureza na sociedade ocidental: da physis ao desenvolvimento sustentável

Autores

  • Diogenes Rafael de Camargo Centro Universitário Herminio Ometto de Araras
  • Kátia Vanessa Tarantini Silvestri Centro Universitário Herminio Ometto de Araras. Instituto de Pesquisa e Educação Continuada em Economia e Gestão de Empresas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2178-6224v16i1p59-85

Palavras-chave:

Biololgia, Filosofia, Meio ambiente

Resumo

Mediante às proposições de desenvolvimento sustentável, recursos naturais e sustentabilidade, deve se compreender a natureza em um contexto polivalente permeado pelos discursos políticos, científicos, sociais, artísticos e filosóficos. De abordagem qualitativa, o procedimento metodológico fez revisão sistemática acerca do conceito physis na história da filosofia objetivando traçar 1. um percurso semântico até a função desenvolvimento sustentável, 2. propor uma inflexão às proposições de desenvolvimento sustentável e, 3. evitar ambiguidades dos termos homem e humano. Para tanto, fundamenta-se a revisão sistemática em Heidegger (1989; 2017), Deleuze e Guattari (2016), Loureiro (2012), Montibeller-Filho (2008), Unger (2006), Guattari (2006), Singer (2000). A pesquisa desenvolvida mostrou que após as grandes catástrofes sociais e ambientais que o mundo assistiu na primeira metade do século XX, ocorreu a emergência de muitas correntes ambientalistas. Algumas dessas correntes partiram de um viés propagandista e ideológico oficial pelo qual se propagaram os sistemas discursivos mais bem estruturados e, um pouco mais estagnados na dinâmica entre supra e infraestrutura, utilizando o discurso ambiental. Este que começava a brotar na sociedade, como ferramenta de garantia da manutenção de uma hegemonia econômica e política contribuiu historicamente para o abismo da dicotomia Homem versus Natureza.

Biografia do Autor

Diogenes Rafael de Camargo , Centro Universitário Herminio Ometto de Araras

Grupo de pesquisa ‘A Temática Ambiental e o Processo Educativo’

Referências

A BÍBLIA de Jerusalém. Gênesis. versículo 26 ao 31. São Paulo: Paulinas, 1996.

ABBGANANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Trad. Ivone Castilho Benedetti. 5ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ADAMS, William Mark. The future of sustainability: rethinking environment and development in the twenty-first century. Gland: IUCN, 2006.

AGOSTINHO, Santo. [séc. IV]. Confissões. Trad. J. Oliveira Santos, S. J. e A. Ambrósio de Pina. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

ARISTÓTELES. [séc. IV a.C]. Metafísica. Trad. Leonel Vallandro. Porto Alegre: Globo, 1997.

BACON, Francis. [1620]. Novo organon. Trad. Daniel Moreira Miranda. São Paulo: Edipro, 2014.

BARBOSA, Gisele Silva; DRACH, Patricia Regina; CORBELLA, Oscar Daniel. A conceptual review of the terms sustainable de-velopment and sustainability. Journal of Social Sciences, 3 (2): 1, 2014.

BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: o que é – o que não é. Petrópolis: Vozes, 2012.

BORNHEIM, Gerd A. (org.) Os filósofos pré-socráticos. São Paulo: Editora Cultrix, 1967.

BROWN, Lester. Building a sustainable society. New York: Norton & Company, 1981.

CAMPOGANARA, Silviamar; RAMOS, Flávia Regina Souza; KIRCHHOF, Ana Lúcia Cardoso. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 18, 2007. Disponível em: <http://www.seer.furg.br/remea/article/view/3582/2131>. Acesso em: 15 agosto 2020.

CARVALHO, Isabel Cristina M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

CARVALHO, Isabel Cristina M. A invenção ecológica: narrativas e trajetórias da educação ambiental no Brasil. 3ª ed. Porto Alegre: UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), 2008.

CARVALHO, Isabel Cristina M.; GRÜN, Mauro; TRAJBER, Rachel. (orgs.) Pensar o ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental. (Coleção Educação para Todos; v. 26). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2006. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/publicacao4.pdf>. Acesso em: 13 jun. 2020.

CASCINO, Fabio. Educação Ambiental: princípios, história e formação de professores. 4ª ed. São Paulo: Senac, 2007.

CULLETON, Alfredo. Santo Agostinho e São Tomás: a filosofia da natureza na Idade Média. Pp: 43-49, in: CARVALHO, Isabel Cristina M.; GRÜN, Mauro; TRAJBER, Rachel. (orgs.) Pensar o ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental. (Coleção Educação para Todos; v. 26). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; UNESCO, 2006.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart. (Coleção Trans). Rio de Janeiro: Editora 34. 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. [1992]. O que é a filosofia?. Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora 34. 2016.

DESCARTES, René. [1637]. Discurso sobre o método. 2ª ed. São Paulo: Vozes, 2011.

DURKHEIM, Émile. [1938]. A evolução pedagógica. Trad. Maria Lúcia Salles Boudet. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

GIACOIA, Oswaldo. Pequeno dicionário de Filosofia contemporânea. São Paulo: Publifolha, 2010.

GUATTARI, Félix. [1990]. As três ecologias. Trad. Maria Cristina F. Bittencourt. 17ª ed. Campinas: Papirus, 2006.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. 12ª ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

HEIDEGGER, Martin. [1953]. Introdução à metafisica. Trad. Emmanuel Carneiro Leão. Coleção Pensamento e Filosofia. São Paulo: Instituto Piaget, 2017.

HEIDEGGER, Martin. [1970]. Conferências e escritos filosóficos. Trad. Ernindo Stein. Coleção Os pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1989.

HÖFER, Rainer. History of the sustainability concept–renaissance of renewable resources. Pp: 1-11, in: HÖFER, Rainer (ed). Sus-tainable Solutions for Modern Economies. London: Royal Society of Chemistry, 2009.

JONAS, Hans. O princípio da responsabilidade: Ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Trad. Marijane Lisboa e Luiz B. Montes. Rio de Janeiro: Contraponto/ PUCRio, 2006.

KIDD, Charles V. The evolution of sustainability. Journal of Agricultural and Environmental Ethics, 5 (1): 1-26. 1992. DOI: https://doi.org/10.1007/BF01965413

KIRK, Geoffrey Stephen; RAVEN, John Earle; SCHOFIELD, Malcolm. The presocratic philosophers. A critical history with a selection of texts. 2nd ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2012.

LOUREIRO, Frederico. Karl Marx: história, crítica e transformação social na unidade dialética da natureza. Pp. 125-137, in: CARVALHO, Isabel Cristina M.; GRÜN, Mauro; TRAJBER, Rachel. (org.) Pensar o ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental. (Coleção Educação para Todos; v. 26). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2006.

MARCONDES, Danilo. Aristóteles: ética, ser humano e natureza. Pp: 33-41, in: CARVALHO, Isabel Cristina M.; GRÜN, Mauro; TRAJBER, Rachel. (org.) Pensar o ambiente: bases filosóficas para a edu-cação ambiental. V. 26. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2006.

MARX, Karl. [1867]. O Capital ou do Manifesto: o processo de produção do capital. Livro I. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Veneta, 2014.

MONTIBELLER-FILHO, Gilberto. O mito do desenvolvimento sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. 3ª ed. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008

NAESS, Arne. Deep ecology. Pp. 120-124, in: MERCHANT, Carolyn (ed.). Ecology - Key concepts in critical theory. 4th ed. New Jersey: Humanities Press, 1994.

NEGRI, Antonio; HARDT, Michael. Império. Trad. Berilo Vargas. 7ª ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2005.

PEGORARO, Olinto. Introdução à ética contemporânea. Rio de Janeiro: Uapê, 2005.

PESSANHA, José Américo Motta. Santo Agostinho: Vida e Obra. in: AGOSTINHO, S. Confissões. Coleção Os Pensadores. 3ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

PLATÃO. Mênon. Trad. Maura Iglésias. São Paulo: Folha de São Paulo, 2015. [Coleção Folha – Grandes Nomes do pensamento].

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da filosofia: Antiguidade e Idade Média. 3ªed. São Paulo: Paulus, 1990.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. [1762]. Emílio ou Da Educação. Trad. Sérgio Milliet. São Paulo: Difel, 1979.

SACHS, Ignacy; STROH, Paula Yone (Org). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SARTRE, Jean-Paul. Obras Completas. Coleção Os Pensadores. Trad. Bento Prado Jr., Rita Correa Guedes, Luiz Roberto Salinas. 3ª ed. São Paulo: Cultural. 1996.

SEAGER, Thomas P. The sustainability spectrum and the sciences of sustainability. Business Strategy and the Environment, 17 (7): 444-453, 2008. DOI: https://doi.org/10.1002/bse.632

SILVA, Elmo Rodrigues da; SCHRAMM, Fermin Roland. A ques-tão ecológica: entre a ciência e a ideologia/utopia de uma época. Cadernos de Saúde Pública, 13 (3): 355-382, 1997. Disponível em:

<https://www.scielosp.org/pdf/csp/v13n3/0190.pdf>. Acesso em 14/08/2014.

SINGER, Peter. Ética prática. [Colecção Filosofia Aberta]. Lisboa: Grandiva, 2000.

STEPANYAN, Karen; LITTLEJOHN, Allison; MARGARYAN, Anoush. Sustainable e-learning: Toward a coherent body of knowledge. Journal of Educational Technology & Society, 16 (2): 91-102, 2013.

THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800). Trad. Joao Roberto Martins Filho. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. Educação ambiental: natureza, razão e história. 2ª ed. Campinas: Autores Associados, 2008.

UNGER, Nancy Mangabeira. Os pré-socráticos: os pensadores originários e o brilho do ser. Pp. 25-31, in: CARVALHO, Isabel Cristina M.; GRÜN, Mauro; TRAJBER, Rachel. (orgs.) Pensar o ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental. (Coleção Educação para Todos; v. 26). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2006.

WCED. World Commission on Environment and Development. Our Common Future. Oxford. 2020. Disponível em: <https://sustainabledevelopment.un.org/>. Acesso em 10 mar. 2020.

WHITE, Lynn. Historical roots of our ecologic crisis. Science, 155 (3767), 1203-1207, 1967.

ZIZEK, Slavoj. Primeiro como tragédia, depois como farsa. 2ª ed. São Pau-lo: Boitempo, 2011.

Downloads

Publicado

2021-07-23

Como Citar

CAMARGO , D. R. de .; SILVESTRI, K. V. T. . . As diferentes concepções de natureza na sociedade ocidental: da physis ao desenvolvimento sustentável. Filosofia e História da Biologia , [S. l.], v. 16, n. 1, p. 59-85, 2021. DOI: 10.11606/issn.2178-6224v16i1p59-85. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/fhb/article/view/fhb-v16-n1-03. Acesso em: 18 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos