O projeto de vida ética no escrito A Constituição da Alemanha do jovem Hegel

  • Roberta Bandeira de Souza Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Constituição, vida ética, jovem Hegel, direitos

Resumo

Este artigo analisa algumas passagens do escrito A Constituição da Alemanha que revelam o conceito embrionário do jovem Hegel de vida ética. Inicialmente, apresenta a tensão entre a antiga Constituição imperial e a sociedade moderna que impedia a unificação do povo alemão. Em seguida, indica os elementos da antiga Constituição que precisavam ser revitalizados na Alemanha do século XIX para existir a conciliação dos direitos privados e públicos. Por fim, explicita o debate travado pelo jovem Hegel com os jusnaturalistas e os positivistas, que tinha como propósito apreender o sentido especulativo da vida ética absoluta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bourgeois, B. (2000). O pensamento político de Hegel. Tradução brasileira de Paulo Neves da Silva. São Leopoldo, RS: UNISINOS.
Beckenkamp, J. (2004). Entre Kant e Hegel. Porto Alegre: EDIPUCRS.
Bobbio, N. (1989). Estudos sobre Hegel. Direito, Sociedade civil, Estado. Tradução brasileira de Luiz Sérgio Henrique e Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: UNESP e Brasiliense.
Bicca, L. A. (1997). “Revolução Francesa na Filosofia de Hegel”. In: Racionalidade moderna e subjetividade. São Paulo: Loyola.
Habermas, J. (2013). “A crítica de Hegel à Revolução Francesa”. In: Teoria e práxis. Tradução brasileira de Rúrion Melo. São Paulo: Editora Unesp.
Hegel, G.W.F. (1971). „Die Verfassung Deutschlands (1800-1802)“. In: Frühe Schriften. Frankfurt am Main: Suhrkamp.
____________. (1972). La Constitucion de Alemania. Tradução de Dalmacio Negro Pavon. Madrid: Aguilar.
____________. (1986). „Über die wissenschaftlichen Behandlungsarten des Naturrechts, seine Stelle in der praktischen Philosophie, und sein Verhältnis zu den positiven Rechtswissenschaften“. In: Jenaer Schriften 1801-1807.Werk 2. Frankfurt am Main: Suhrkamp.
____________. (1990). “Carta a Niethammer de 13 de outubro de 1806”. In: Correspondance I. Paris: Gallimard.
____________. (1990). “Carta a Niethammer de 29 de abril de 1814”. In: Correspondance II. Paris: Gallimard.
____________. (2004). “O mais antigo programa de sistema do Idealismo Alemão”. Tradução brasileira de Joãosinho Beckenkamp. In: Beckenkamp, J. Entre Kant e Hegel. Porto Alegre: EDIPUCRS.
____________. (2007). Sobre as maneiras científicas de tratar o direito natural: seu lugar na filosofia prática e sua relação com as ciências positivas do direito. Tradução brasileira de Agemir Bavaresco e Sérgio B. Christino. São Paulo: Loyola.
____________. (2010). Linhas Fundamentais da Filosofia do Direito ou Direito Natural e Ciência do Estado em Compêndio. Tradução brasileira de Paulo Meneses et al. São Leopoldo: UNISINOS.
Hernándes, J.L. (2009). El Pensamiento político del joven Hegel. Revista Anales de Drecho, Murcia, 27, pp.66-91.
Kant, I. (2002). A paz perpétua e outros opúsculos. Tradução portuguesa de Artur Morão. Lisboa: Edições 70.
Marcuse, H. (2004). Razão e Revolução: Hegel e o advento da teoria social. Tradução brasileira de Marília Barroso. São Paulo: Paz e terra.
Norbert, E. (1997). Os Alemães – a luta pelo poder e a evolução do habitus no séc. XIX e XX. Tradução brasileira de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar.
Oliveira, M. A. (1993). “A leitura hegeliana da Revolução Francesa”. In: Ética e Sociabilidade. São Paulo: Loyola.
Ritter, J. (1970). Hegel et la Révolution Française. Paris: BEAUCHESNE.
Rosenzweig, F. (2008). Hegel e o Estado. Tradução brasileira de Ricardo Timm de Souza. São Paulo: Perspectiva.
Publicado
2018-12-24
Como Citar
Souza, R. (2018). O projeto de vida ética no escrito A Constituição da Alemanha do jovem Hegel. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 23(2), 105-119. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v23i2p105-119
Seção
Artigos