Juízo e opinião em Hannah Arendt

  • Yara Frateschi Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Hannah Arendt, Filosofia política, Pluralidade, Juízo, Opinião

Resumo

A primeira parte deste texto reconstrói a história da filosofia política, tal como contada por Hannah Arendt a partir de alguns dos seus personagens principais: Platão, Hegel e Marx. A despeito dos distintos contextos, problemas e eventos aos quais respondem, estes filósofos apresentam um traço comum: a fuga da política e a hostilidade contra a pluralidade humana. Trata-se de mostrar que, para Arendt, a possibilidade de uma nova filosofia política depende desse exercício de submeter a filosofia política ocidental a uma crítica radical. A segunda parte analisa as soluções filosóficas que Arendt apresenta na sua tentativa de reconciliar a filosofia com a política no que diz respeito a dois temas centrais e interligados: a formação do juízo e da opinião. A formação dialógica e intersubjetiva de opinião (que Arendt formula com Sócrates) e o pensamento representativo (que Arendt formula com Kant) são, na minha interpretação, dois dos momentos mais potentes da sua obra, capazes de fornecer insights preciosos para a constante atualização do seu pensamento político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arendt, H. (1954). “Philosophy and Politics: the problem of action and thought after the French Revolution” lecture, 1954 (3 of 4 folders). In: Hannah Arendt Papers, Manuscript Division, Library of Congress, Washington, D.C

Arendt, H. (1958). The origins of totalitarianism. Cleveland: Meridian Books.

Arendt, H. (1992). Entre o passado e o futuro. São Paulo: Editora Perspectiva.

Arendt, H. (1993). “O grande jogo do mundo”. In: A dignidade da Política. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Arendt, H. (1993a). “O interesse pela política no recente pensamento filosófico europeu”. In: A dignidade da Política. Rio de Janeiro: Relume-Dumará,

Arendt, H. (1993b). “Só permanece a língua materna”. In: A dignidade da Política. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Arendt, H. (2002). A vida do Espírito. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Arendt, H. (2003). Homens em Tempos Sombrios. São Paulo: Companhia das Letras.

Arendt, H. (2004). As origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras.

Arendt, H. (2008). “O Fim da tradição”. In: A promessa da política. Rio de Janeiro: Difel.

Arendt, H. (2010). Sobre Hannah Arendt. Tradução de Adriano Correia. Inquietude, Goiânia, 1(2), ago/dez. 2010.

Arendt, H. (2014). A condição humana. Tradução Roberto Raposo. Revisão e apresentação Adriano Correia. São Paulo: Forense Universitária.

Benhabib, S. (1990). Hannah Arendt and the redemptive power of narrative. Social Research, 57(1) (Spring 1990).

Benhabib, S. (2000). The reluctant modernism of Hannah Arendt. Oxford: Rowman & Littlefield Publishers.

Frateschi, Y (2016). Liberdade política e cultura democrática em Hannah Arendt. Cadernos De Filosofia Alemã, 21(3), pp. 29-50.

Habermas, J (1977). Hannah Arendt´s Communications Concept of Power. Social Research, 44(1) pp. 3-24.

Hill, M (1979). Hannah Arendt: the memory of the public world. New York: St. Martin’s Press.

Marx, K. & Engels, F. (2002) A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes.

Nunes, I. (2018). In Between - o mundo comum entre Hannah Arendt e Karl Jaspers: da existência política ao exemplo moral. Tese de Doutorado. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.
Publicado
2019-06-27
Como Citar
Frateschi, Y. (2019). Juízo e opinião em Hannah Arendt. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 24(1), 35-65. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v24i1p35-65
Seção
Artigos