Antiguidade e modernidade na Teoria do romance de Georg Lukács

  • Anouch Neves de Oliveira Kurkdjian Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Lukács, Schlegel, romance, modernidade

Resumo

Este artigo orienta-se pelo esforço de esmiuçar as características da contraposição entre mundo antigo e mundo moderno formulada por Lukács em sua obra A teoria do romance. Para esse objetivo, parte-se de uma recuperação de certo debate estético alemão no século XVIII, momento no qual a busca pelos fundamentos da arte moderna leva à formulação do contraste entre uma cultura orgânica e plena de sentido, localizada em uma Grécia mítica, e um mundo cindido e fragmentado, que corresponderia à época moderna. As reflexões de Friedrich Schlegel ganham atenção especial aqui, na medida em que tratam essa contraposição de maneira mais histórica do que as de seus contemporâneos. Em seguida, são apontadas as especificidades da abordagem de Lukács acerca da questão, baseadas em uma apreensão mais atenta aos fundamentos histórico-sociais que envolvem a perda de um sentido unitário para a vida na modernidade. Essa percepção permite a Lukács apontar os limites da solução aventada pelos românticos para a superação do caráter cindido da modernidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Armogathe, J.-R. (2001). «Un ancienne querelle». In: La Querelle des Anciens et des Modernes. Paris: Gallimard, pp. 801-849.

Benjamin, W. (1994). “O Narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”. In: Magia e técnica, arte e política - ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Editora Brasiliense, pp. 197–221.

Bowie, A. (2003). “Introduction”. In: Aesthetics and subjectivity: from Kant to Nietzsche. Manchester, UK; New York: Manchester University Press, pp. 1–17.

D’Angelo, P. (1998). A estética do romantismo. Lisboa: Estampa.

Fumaroli, M. (2001). « Les abeilles et les araignées ». In: La Querelle des Anciens et des Modernes. Paris: Gallimard, pp. 7-220.

Habermas, J. (2002). “A consciência de tempo da modernidade e sua necessidade de autocertificação”. In: O discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, pp. 3-18.

Hegel, G. W. F. (1999). Curso de estética: o sistema das artes. São Paulo: EDUSP.

Lacoue-Labarthe, P.; Nancy, J-L. (1988). The literary absolute: the theory of literature in German romanticism. Albany: State University of New York Press.

Löwy, M. (1998). A Evolução Política de Lukács: 1909-1929. São Paulo: Cortez.

Lukács, G. (2000). A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Tradução de José Marcos Mariani de Macedo. 2ª ed. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34.

Lukács, G. (2010a). “On the romantic philosophy of life”. In: Soul and form. New York: Columbia University Press, pp. 59–72.

Lukács, G. (2010b). “The metaphysics of tragedy”. In: Soul and form. New York: Columbia University Press, pp. 175–198.

Nisbet, H. B. (1985). “Introduction”. In: German aesthetic and literary criticism. Cambridge: Cambridge University Press.

Pierucci, A. F. (2003) O desencantamento do mundo: todos os passos do conceito em Max Weber. São Paulo: Editora 34.

Reed, T. J.; Pasley, M. (1982). “The Goethezeit and its aftermath”. In: Germany, a companion to German studies. 2ª ed. New York; London: Methuen, pp. 499-558.

Schlegel, F. (1996). Sobre el estudio de la poesía griega. Torrejón de Ardoz: Akal.

Schmidt, R. L. (2011). “Arabesques and the Modern Novel: Friedrich Schlegel’s Interpretation of Don Quixote”. In: Forms of modernity: Dom Quixote and modern theories of the novel. Toronto: University of Toronto Press, pp. 47–81.

Silva, A. A. (2011). O interessante em Friedrich Schlegel. Trans/Form/Ação, 34, pp. 75–94. DOI: 10.1590/S0101-31732011000400006.

Süssekind, P. (2008). A Grécia de Winckelmann. Kriterion: Revista de Filosofia, 49(117), pp. 67–77. DOI: 10.1590/S0100-512X2008000100004

Szondi, P. (1975a). « Friedrich Schlegel et l’ironie romantique ». In: Poésie et poétique de l’idéalisme allemand. Paris: Les editions de Minuit.

Szondi, P. (1975b). « Le naïf est le sentimental ». In: Poésie et poétique de l’idéalisme allemand. Paris: Editions de Minuit.

Szondi, P. (1992). Poética y filosofía de la historia. Madrid: Visor.

Szondi, P. (2005). Poética y filosofía de la historia. v. 2. Madrid: Visor.

Winckelmann, J. J. (1954). Réflexions sur l’imitation des oeuvres grecques en peinture et en sculpture. Paris: Aubier.

Publicado
2020-06-23
Como Citar
Kurkdjian, A. (2020). Antiguidade e modernidade na Teoria do romance de Georg Lukács. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 25(1), 13-29. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v25i1p13-29
Seção
Artigos

Dados de financiamento