Experiência e negatividade em Gadamer

  • Felipe Ribeiro Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Gadamer, Hermenêutica, Negatividade, Experiência, Tradição

Resumo

 O artigo busca analisar a noção de experiência negativa utilizada por Gadamer para descrever a experiência hermenêutica. Ao fazer isso, temos como objetivo refutar duas leituras problemáticas que são feitas a respeito da experiência hermenêutica: por um lado, que esta não tem a forma positiva e otimista que uma leitura simplista de Verdade e método poderia sugerir; por outro, que o intérprete também pode estabelecer uma quebra de identificação com a tradição, o que permitirá por sua vez entender como a relação hermenêutica com a tradição não implica cega submissão a esta, sendo antes mediada por uma distância.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arantes, P. (1996). “Quem pensa abstratamente?” In: Ressentimento da dialética: dialética e experiência intelectual em Hegel: antigos estudos sobre o ABC da miséria alemã. (pp. 63-173). São Paulo: Paz e Terra.

Araújo, A. M. (2008). A atualidade do acontecer: o projeto dialógico de mediação histórica na hermenêutica filosófica de Hans-Georg Gadamer. São Paulo: Humanitas.

Bilen, O. (2000). The historicity of understanding and the problem of historical relativism in Gadamer’s philosophical hermeneutics. Council for Research in Values and Philosophy.

Di Cesare, D. (2013). Gadamer: a philosophical portrait. Indiana University Press.

Gadamer, H.-G. (1990a). Gesammelte Werke Band 1. Hermeneutik I : Wahrheit und Methode. Tübingen: J. C. B. Mohr.

Gadamer, H.-G. (1990b). Gesammelte Werke Band 2. Hermeneutik 2: Wahrheit und Methode 2. Tübingen: J. C. B. Mohr.

Gadamer, H.-G. (1996). Le problème de la conscience historique. Paris: Seuil.

Gadamer, H.-G. (2011). Verdade e método II: complementos e índice. Tradução de Flávio Paulo Meurer. 6ª edição. Petrópolis: Vozes.

Gadamer, H.-G. (2015). Verdade e método I: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Trad: Flávio Paulo Meurer. 15ª edição. Petrópolis: Vozes.

Giegel, H. J. (1971). „Reflexion und Emanzipation“. In: Apel, Karl-Otto (org.). Hermeneutik und Ideologiekritik. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag.

Habermas, J. (1971). „Zu Gadamers Wahrheit und Methode“. In: Apel, Karl-Otto (org.). Hermeneutik und Ideologiekritik. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag.

Habermas, J. (2014). Conhecimento e interesse. São Paulo: Ed. UNESP.

Hegel, F. (2003). Fenomenologia do espírito. Tradução de Paulo Menezes. Petrópolis: Vozes.

Kant, I. (2016). Crítica da faculdade de julgar. Tradução de Fernando Costa Mattos. Petrópolis: Vozes.

Palmer, R. (1969). Hermeneutics: interpretation theory in Schleiermacher, Dilthey, Heidegger, and Gadamer. Northwestern University Press.

Repa, L. S. (2008). A transformação da filosofia em Jürgen Habermas. São Paulo: Singular.

Ricoeur, P. (2010). Tempo e narrativa 3: o tempo narrado. Tradução de Márcia Valéria Martinez de Aguiar. São Paulo: Martins Fontes.

Stein, E. (2014). “Hermenêutica e dialética”. In: Rohden, Luiz (org.). Hermenêutica e dialética: entre Gadamer e Platão. São Paulo: Loyola.

Publicado
2020-06-25
Como Citar
Ribeiro, F. (2020). Experiência e negatividade em Gadamer. Cadernos De Filosofia Alemã: Crítica E Modernidade, 25(1), 69-88. https://doi.org/10.11606/issn.2318-9800.v25i1p69-88
Seção
Artigos

Dados de financiamento